Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!

.

Telemóvel:

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *

.

Morada:

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã

.

Endereço eletrónico:

filarmonicacortense@iol.pt


Maestro: Fábio Daniel Esteves Pereira

Fábio Daniel Esteves Pereira nasceu a 28 de maio de 1986. É natural de Unhais da Serra mas cedo veio morar para a freguesia de Cortes do Meio.

Iniciou os estudos de formação musical e instrumento em 1997 na Filarmónica Recreativa Cortense como saxofonista com o maestro António Pão-Alvo.

Em 2000, sob a tutela do Pe. José António Loureiro Pinheiro toma parte da direcção artística do grupo Chama de Deus.

Em 2003 foi seleccionado para a Orquestra de Jazz do Centro, um masterclass jazzístico leccionado por Paulo Perfeito.

No âmbito do projecto Covilhã Filarmónico teve diversos estágios com professores de academia e conservatórios locais.

Em 2010 inicia os estudos em direcção de orquestra de sopros no CEDOS (Centro de estudos de direcção de orquestra de sopros) com os professores Luís Clemente em direcção e análise musical, Carlos Amarelinho em orquestração e Paulo Ramos em formação musical e auditiva.

Conclui o curso médio com 16 valores. Durante o curso médio trabalhou com as bandas da Covilhã, Ponte do Rol, Belinho, Cabreiros, Mafra, Banda Sinfônica da Covilhã.

No mesmo período lectivo obteve o primeiro prémio no concurso de direcção do ENOS ( Estágio Nacional de Orquesta de Sopros) Esposende.

Em 2013 iniciou os estudos em direcção de orquestra na academia de direcção da ACO ( Atlantic Coast Orchestra) com os professores Luís Clemente e Colin Metters em direcção de orquestra, José Fayos Jordan e Roberto Fiore em orquestração, Paulo Maciel e Jaime Branco em formação musical e auditiva. No mesmo ano começou a trabalhar na escola de música da Filarmónica Recreativa Cortense.

Dirigiu ensemble da ACO, orquestra sinfonica da ACO, Banda Nova de Manteigas e orquestra de sopros do ENOS Portel, EPABI e Escola Profissional de Seia.

Finalizou o curso superior da academia de direcção da ACO com 17 valores.

Em 2017 tomou posse da direcção artística e musical da Filarmónica Recreativa Cortense e deu início ao processo de equivalência de licenciatura na ABRSM (Associeted Board of the Royal Schools of Music).


Corpos Socias - triénio 2017/2019

Assembleia Geral:

Presidente: Marco Alves;

Vice Presidente: Joana Santos;

Secretário: Aline Miguens;

.

Conselho Fiscal:

Presidente: Bernardino Santos;

Vice Presidente: João Pedro Faisca;

Relator: Gabriel Vila;

.

Direcção:

Presidente: Alexandre Barata;

Vice Presidente: Adriano Esteves;

1º Secretário: Mafalda Santos;

2º Secretário: Flavio Inácio;

Tesoureiro: Francisco Pina;

Vogal: Leticia Vila;

Vogal: Steve Vila;

Vogal: Alexandre Barata;

Vogal: José Silva;



Mapa de actuações:

25-11-2017 - Encontro Filarmónico no Paúl;

.

17-12-2017 - Concerto de Natal na Igreja Paroquial de Cortes do Meio


Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

.

Grammy aumentam número de nomeados nas categorias principais

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 21.07.18

Os prémios de música Grammy vão ter um aumento do número de nomeados, nas suas categorias principais, passando de cinco a oito artistas

A partir de 2019 as gravação do ano, álbum do ano, música do ano e melhor artista jovem vão ter mais nomeados, permanecendo as restantes 80 categorias com as cinco nomeações tradicionais, anunciou a Recording Academy.

"A modificação reflete mais de perto o grande número de candidatos [possíveis] nessas categorias, e permitirá maior flexibilidade na votação para os melhores do ano", disse a instituição, no comunicado enviado hoje aos seus membros.

A imprensa especializada, como a Billboard, que avançou o comunicado da academia, sustenta, no entanto, que a decisão tem a ver com a controvérsia sobre o pequeno número de mulheres nomeadas na última edição dos Grammy.

Entre os nomeados nas principais categorias estavam nomes como os de Jay-Z, Kendrick Lamar, Bruno Mars, Childish Gambino, Khalid, SZA e No ID, produtor de Jay-Z, tendo sido notado o menor número de nomes femininos, nos candidatos aos prémios da indústria musical, entregues no passado mês de janeiro.

Na altura, em resposta às críticas, o presidente da academia, Neil Portnow, disse que as mulheres precisavam de "dar um passo em frente", afirmação de que se retratou de imediato, em fevereiro.

"Depois de ouvir muitos amigos e colegas, percebo os danos causados pela minha má escolha de palavras, após a última edição do Grammy", disse então Portnow.

Na altura, dirigente da Recording Academy também anunciou a constituição de um grupo de trabalho para rever todos os aspectos da instituição, relacionados com "o progresso das mulheres na comunidade musical".

"Colocar-nos-emos sob o microscópio e lidaremos com qualquer verdade revelada", disse na altura Neil Portnow, em declarações recordadas agora pelas agências de notícias.

Um estudo publicado este ano pela Universidade do Sul da Califórnia (USC) disse que, de 2013 a 2018, apenas 9,3% das indicações aos Grammy foram para mulheres, enquanto as restantes 90,7% foram para homens.

A alteração aos Grammy verificam-se 60 anos depois da primeira cerimónia de entrega dos prémios, realizada em 1959, relativa às edições discográficas do ano anterior.

Em 2009, a Academia de Hollywood, das artes e ciências cinematográficas, duplicou o número de nomeações para o Óscar de Melhor Filme de cinco para dez.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cid recebe Globo de Ouro de mérito e agradece de forma emotiva

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 21.05.18

Cid recebe Globo de Ouro de mérito e agradece de forma emotiva

O Coliseu do Recreios foi palco na noite de 20 de Maio da Gala Globos de Ouro da SIC que premeia os melhores no campo do cinema, teatro, música, moda, e desporto.

O Coliseu dos Recreios encheu-se de caras bem conhecidas do mundo do cinema, televisão, teatro, moda, desporto, para assistirem à 23ª gala dos Globos de Ouro, apresentada por César Mourão.

De salientar a abertura do espectáculo, com uma bailado coreografado de forma brilhante por Filipe La Feria, que de imediato deu um toque de glamour que permaneceu na sala.

Seguiu-se a entrega dos Globos de acordo com as respectivas áreas de trabalho.

'Amar Pelos Dois' ganha Globo de Melhor Música, e Raquel Tavares foi eleita a Melhor Intérprete Individual.

Os HMB foram eleitos o Melhor Grupo Musical e Leonardo Jardim (futebol) eleito o Melhor Treinador.

César Mourão teve duas intervenções bem humoradas quando interrompe discurso de José Fidalgo e beija o actor na boca que não se fica e o beija de volta.

Noutro momento bem humorado César Mourão brinda com Francisco Pinto Balsemão à "renovação do seu contrato”

José Cid, homenageado com o Globo de Ouro de Mérito e Excelência fica visivelmente emocionado e afirma em jeito de agradecimento "Um abraço muito forte, um beijinho muito grande. Obrigado por vos ter à minha volta. Esta ponte que há em nós faz-nos sentir menos sós. E a cantar a vossa alma fica à solta", cantou em jeito de agradecimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As reações de Cláudia Pascoal e Isaura ao último lugar no Festival da Eurovisão

As concorrentes portuguesas não conseguiram conquistar a simpatia do público da Eurovisão

Depois do céu, o inferno. Após a vitória de Salvador Sobral na edição de 2017 do festival da Eurovisão, a participação portuguesa foi, este ano, o completo inverso: último lugar.

Cláudia Pascoal e Isaura não conseguiram mais que 39 pontos, entre votos do júri e do público, com o tema "O Jardim". No entanto, no Instagram, as cantoras não esconderam o seu orgulho pela participação.

Dando os parabéns à concorrente israelita, Netta Barzilai, que venceu o concurso, Cláudia Pascoal escreveu que a Eurovisão foi "uma experiência única e [da qual] nunca nos esqueceremos".

Já Isaura agradeceu pela oportunidade de "representar Portugal", que definiu como "um prazer e um orgulho gigante".

Veja também: A atuação de Cláudia Pascoal na final da Eurovisão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bruno Mars e Kendrick Lamar grandes vencedores dos Grammy

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 02.02.18
Image result for grammy 2018

O 'rapper' Jay-Z, que liderava as nomeações, oito no total, não recebeu qualquer prémio

O cantor Bruno Mars e o 'rapper' Kendrick Lamar foram os grandes vencedores da 60.ª edição dos prémios Grammy, com o primeiro a conquistar seis e o segundo cinco galardões.

Bruno Mars ganhou em todas as categorias em que estava nomeado, incluindo Álbum do Ano, "24K Magic", e Melhor Canção do Ano, "That's What I Like", na cerimónia dos prémios atribuídos pela indústria musical dos Estados Unidos, entregues no domingo, em Nova Iorque.

"Pai, se estás a ver isto, eu amo-te. Isto é para os fãs", afirmou o cantor.

Kendrick Lamar conquistou cinco prémios, incluindo o Grammy para o Melhor Álbum Rap, com "DAMN." e a Melhor Performance Rap.

"Isto é especial. Há muita gente aqui de quem em gosto", afirmou Lamar, nomeando Jay-Z, Nas and Diddy como inspirações.

Mas o 'rapper' Jay-Z, que liderava as nomeações, oito no total, não recebeu qualquer prémio, um ano depois de a mulher perder o prémio de Álbum do Ano para Adele, originando críticas por o trabalho "Lemonade", de Beyoncé, não ter sido recompensado.

O cantor Leonard Cohen, que nunca ganhou um Grammy enquanto foi vivo, foi distinguido, a título póstumo, com o prémio para a Melhor Atuação Rock, com a música "You Want it Darker", na qual dizia estar pronto para morrer.

O seu álbum "You Want It Darker" foi lançado três semanas antes da morte do cantor, que faleceu em novembro de 2016, aos 82 anos.

Também a atriz Carrie Fisher, uma das protagonistas da Guerra das Estrelas, recebeu, a título póstumo, o prémio para o Melhor Álbum Falado, com "The Princess Diarist", a versão áudio da sua autobiografia.

Vários momentos destacaram-se na cerimónia de quatro horas, como por exemplo os movimentos #MeToo et #TimesUp, contra as agressões sexuais a mulheres e pela igualdade.

Se nos Globos de Ouro dominaram os vestidos pretos em solidariedade com o movimento #MeToo, na cerimónia dos Grammy foram as rosas brancas que sobressaíram, assim como as cantoras Janelle Monae e Kesha, esta última com a canção "Praying", tornada num testemunho contra um produtor que ela acusou de a ter violado.

A crítica ao Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em relação à política de imigração, teve como "porta-voz" a cantora cubana-mexicana Camila Cabello, que defendeu os "sonhadores", cerca de 800 mil imigrantes que entraram ainda crianças ilegalmente no país e que Trump quer expulsar.

Já a opositora de Trump nas presidenciais, Hillary Clinton, fez uma aparição surpresa, lendo um trecho do controverso livro sobre o Presidente dos Estados Unidos, "Fire and Fury: Inside the Trump White House" ["Fogo e Fúria"].

Na cerimónia, três artistas que atuaram no festival de música country, em Las Vegas, que se tornou no ano passado o local do maior massacre na história moderna dos Estados Unidos, homenagearam os cerca de 60 mortos.

Lista de premiados nas principais categorias:

Álbum do ano: "24K Magic", Bruno Mars.

Gravação do ano: "24K Magic", Bruno Mars.

Melhor canção do ano: "That's What I Like", Bruno Mars.

Revelação do ano: Alessia Cara.

Melhor performance solo pop: "Shape of You", Ed Sheeran.

Melhor performance duo ou grupo pop: "Feel It Still", Portugal. The Man.

Melhor álbum pop tradicional: "Tony Bennett Celebrates 90", vários artistas

Melhor álbum pop: "Divide", Ed Sheeran.

Melhor álbum rock: "A Deeper Understanding", The War on Drugs

Melhor álbum de música alternativa: "Sleep Well Beast," The National.

Melhor álbum rap: "DAMN.", Kendrick Lamar.

Melhor canção rap: "HUMBLE.", Kendrick Lamar.

Melhor performance rap: Kendrick Lamar.

Melhor álbum urbano contemporâneo: ""Starboy", The Weeknd.

Melhor álbum R&B: "24K Magic," Bruno Mars.

Melhor performance R&B: Bruno Mars.

Melhor canção R&B: "That's What I Like," Bruno Mars.

Melhor álbum de dança eletrónica: "3-D The Catalogue".

Melhor álbum country: "From A Room: Volume 1", Chris Stapleton.

Melhor álbum jazz vocal: "Dreams And Daggers", Cecile McLorin Salvant.

Melhor álbum jazz instrumental: "Rebirth", Billy Childs.

Melhor compilação de banda sonora para visual media: "La La Land."

Melhor vídeo de música: "HUMBLE.," Kendrick Lamar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rádio Cova da Beira

A Orquestra de Guitarras da Academia de Música e Dança do Fundão (AMDF), valência da Santa Casa da Misericórdia do Fundão, realiza nos dias 27 e 28 de Janeiro dois concertos em França. O convite resulta da cooperação internacional e parcerias criadas no âmbito do Concurso Internacional Cidade do Fundão.

A AMDF participa no 15º Festival Internacional Guitar Essonne 2018 através da Orquestra de Guitarras. No mesmo evento vai ainda atuar o jovem guitarrista Miguel Matos que em 2016 ganhou o primeiro prémio de nível superior de guitarra no Concurso Internacional Cidade do Fundão.

Em França, na localidade de Juvisy, o coletivo dirigido pelo docente Pedro Rufino vai apresenta-se com um reportório vincadamente português.

 “Além do reportório habitual para jovens orquestras, nós tivemos um cuidado especial em levar música portuguesa. Ferrer Trindade, José Afonso ou Carlos Paredes estão entre os compositores. O reportório da Orquestra e a estrutura do concerto ficará marcado pela presença de solistas de canto como a Filipa Mela, Laura Alves, Rafael Lourenço, Margarida Geraldes e Maria Mendes”. Explicações de Pedro Rufino, coordenador do departamento de guitarra na AMDF e responsável pela Orquestra.

A Orquestra de Guitarras foi constituída no ano letivo de 1999/2000 e de então para cá já realizou concertos em várias cidades de Portugal e Espanha. A participação nos 1001 Músicos no Centro Cultural de Belém, o concerto nos claustros da Assembleia da República ou a atuação no pavilhão Centro de Portugal em Coimbra estão entre os concertos realizados em Portugal.

A deslocação a França só é possível com os apoios da Santa Casa da Misericórdia do Fundão e do Município do Fundão.

In: RCB

Autoria e outros dados (tags, etc)

Concurso Grande Marcha de Lisboa 2018

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 13.01.18

Até 21 de fevereiro está aberto o Concurso para a Grande Marcha 2018. A composição vencedora será interpretada por todos os participantes nas Marchas Populares das Festas de Lisboa’18.

Há mais de duas décadas que a canção que se ouve por toda a cidade nas festas populares resulta de um concurso anual que abre a todos a possibilidade da sua criação.

Como já é tradição, a EGEAC volta a convidar todos os autores a criar a composição (letra e música) da Grande Marcha de Lisboa, que será interpretada por todas as marchas participantes, quer nas exibições do Altice Arena quer no desfile das Marchas Populares na Avenida da Liberdade, na noite de Santo António.

Este ano, a letra das composições deverá versar sobre o tema Lisboa e, cumulativamente, sobre o tema: A canção de Lisboa – Homenagem a Vasco Santana.

Vasco Santana, com uma carreira de quase 40 anos, é um marco incontornável da rádio, do teatro e do cinema português. As célebres frases das suas personagens, muitas vezes fruto do seu talento para a improvisação, sobrevivem até aos dias de hoje.

Esta homenagem nas Festas de Lisboa acontece quando se assinalam os 120 anos do seu nascimento e 60 do seu desaparecimento.

Um dos filmes que protagonizou “A Canção de Lisboa”, realizado há 85 anos por José Cottinelli Telmo, foi um êxito retumbante devido ao carácter bairrista das personagens e das situações que permitiam a identificação dos espectadores com o filme, captando o espírito da cidade.

O prémio para a composição vencedora será de €5.500 (cinco mil e quinhentos euros).

As propostas deverão ser enviadas, de forma anónima, por correio registado com aviso de receção para a morada da EGEAC, até ao dia 21 de Fevereiro de 2018.

Todas as informações sobre o concurso da Grande Marcha de Lisboa devem ser consultadas no regulamento .

Autoria e outros dados (tags, etc)

3º Concurso de Bandas. Belmonte. Inscrições até 31 JAN.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 08.01.18

Foto de Rádio Caria.

Dar oportunidade a novos talentos da música na região, assim como dinamizar o Auditório Municipal de Belmonte são os principais objectivos de mais uma edição do concurso “À Descoberta de Novos Talentos 2018” promovido pela Câmara de Belmonte.

Podem participar bandas ou artistas individuais, com idade igual ou superior a 15 anos, que não tenham contrato com nenhuma editora, nem qualquer gravação de temas originais. A inscrição é obrigatória e pode ser feita por escrito para o departamento de cultura da Câmara de Belmonte até 31 de Janeiro.

De acordo com o regulamento, é obrigatório juntar "maquete" de um tema original ou de uma versão de um tema de outrem, que não poderá exceder os quatro minutos de duração e deve ser, obrigatoriamente, composto por letra e música. Cada banda ou artista actuará em data a definir em Fevereiro, no Auditório Municipal de Belmonte, e o calendário das actuações será organizado de acordo com a ordem de chegada das inscrições recebidas.

Como prémio, o vencedor do concurso actuará nas Festas do Concelho de Belmonte 2018 e receberá um prémio monetário no valor de 500 euros. O regulamento prevê ainda a atribuição de um prémio excepcional de 250 euros para o melhor grupo do concelho de Belmonte, não cumulativo caso seja a banda vencedora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Salvador Sobral e Luísa Sobral galardoados com o Prémio Martha de la Cal

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 22.12.17

Salvador Sobral e Luísa Sobral galardoados pela imprensa estrangeira em Portugal

Os jornalistas estrangeiros em Portugal elegeram Salvador e Luísa Sobral como Personalidades de 2017 (Prémio Martha de la Cal).

“Salvador e Luísa Sobral foram considerados pelos correspondentes da imprensa estrangeira como os portugueses que mais longe levaram o nome de Portugal no exterior”, lê-se no comunicado.

A escolha da Associação de Imprensa Estrangeira foi justificada pelo que os irmãos Sobral tiveram ao recolocarem “a qualidade e o sentimento como fundamentos para a música popular”.

Os correspondentes afirmaram que Luísa e Salvador se destacaram “num ano em que Portugal conseguiu ocupar um lugar no mundo pelas notícias positivas”, como “a saída do défice excessivo, com a presença de portugueses no mais alto lugar das Nações Unidas e na direcção do Eurogrupo, com a coragem dos bombeiros que lutaram contra as chamas em duas tragédias”.

O anúncio dos vencedores do prémio foi feito durante a festa de Natal da imprensa estrangeira, dia 19 de Dezembro, nos Paços do Concelho.

“Com 27 anos e forte influência do jazz, Salvador Sobral tem uma carreira marcada pela irreverência, pela quebra de cânones da música pop. A sua irmã, Luísa, com 30 anos, pratica uma mistura do soul com o pop e o jazz. Os dois destacaram-se no panorama português a partir da vitória de Salvador Sobral no festival Eurovisão da canção, em que interpretou uma musica composta por Luísa. A vitória de Salvador no Festival da Eurovisão, com a canção "’Amar pelos dois’ – composta por Luísa – fez com que em todo o mundo muitos voltassem a acreditar nas possibilidades das canções de qualidade, com identidade própria, e até mesmo no próprio Festival da Eurovisão”, lê-se no comunicado.

Instituído em 1990, o Prémio Martha de la Cal (Personalidade do Ano) é atribuído a uma personalidade ou instituição portuguesa que mais se tenha distinguido ao dar a conhecer o nome de Portugal pelo mundo fora.

Já foram nomeados o guitarrista Carlos Paredes, Durão Barroso, António Guterres, Francisco Pinto Balsemão, Manoel de Oliveira, a fadista Mariza, o artista urbano Vhils, o actor Joaquim de Oliveira e a desportista Fernanda Ribeiro, entre outros.

A Associação de Imprensa Estrangeira reúne cerca de 60 correspondentes estrangeiros, representantes de meios de comunicação de mais de 20 países.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nobel vai para um músico frustrado: Kazuo Ishiguro

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 09.10.17

Depois de Dylan, o escritor nipo-inglês satisfaz a nova fixação da Academia Sueca: a música. Ishiguro escreveu letras e queria ser músico. Ficou pelo caminho e publicou oito livros.

Depois de Bob Dylan tudo poderia acontecer ontem no anúncio do mais recente vencedor do Prémio Nobel da Literatura. Pelo menos, venceu um "escritor", Kazuo Ishiguro, mesmo que como alguns logo disseram seja um autor cada vez mais fascinado pelo fantástico na sua obra, como é o caso do último romance (e de outro de 2005) em que efabula sobre uma Inglaterra distópica. Que não é japonês como o nome dá a entender, mas inglês por viver desde tenra idade na ilha devido aos seus pais terem ido habitar para a Inglaterra e, posteriormente, ter optado por esta nacionalidade.

Quem é Kazuo Ishiguro? A secretária permanente da Academia sueca descreveu-o como sendo uma nebulosa que anda por aí no universo literário: "Se misturarmos Jane Austen e Franz Kafka, encontramos Ishiguro de uma forma resumida. Será preciso acrescentar a esta mistura um pouco de Marcel Proust, e sem se misturar muito, temos a sua escrita. Que é ao mesmo tempo um escritor de grande integridade e que desenvolveu um estilo muito próprio". Minutos antes, Sara Danius tinha justificado a escolha de Ishiguro assim: "Alguém, que em romances de uma grande força emocional, não esconde o abismo entre o sentido do ilusório e a sua ligação para o mundo".

O site do Nobel deu imediatamente início a um inquérito em que se opta por já leu ou não Kazuo Ishiguro? Os gráficos eram explícitos na relativa ignorância do autor, pois em duas mil respostas nas duas horas seguintes só 39% referia que conhecia a obra do ex-nipónico e agora inglês. Mas há muitos leitores que gostam da sua obra e acompanham o seu percurso, é o caso de Salman Rushdie, seu amigo e um dos que mais uma vez perdeu a corrida do Nobel, que logo twitou: "Muitos parabéns ao meu velho amigo Ish, cujo trabalho eu amo e admiro desde que li A Pale View of Hills (As Colinas de Nagasáqui). E ele toca guitarra e compõe canções, também! Roll over Bob Dylan".

Poder-se ia dizer que estava revelada a principal razão da escolha do júri liderado por Sara Danius, que no ano passado impôs o músico norte-americano aos seus colegas, o facto de haver música em força no escritor. O que é assumido pelo próprio pois ainda há uns tempos escreveu um artigo no jornal The Guardian, ilustrado por uma fotografia dele a tocar guitarra, em que contava como a canção de Ruby"s Arms de Tom Waits serviu de inspiração para escrever a versão final do seu romance mais conhecido e premiado, Os Despojos do Dia.

Vale a pena passar os olhos por essa confissão recente, pois Kazuo Ishiguro refere no texto que "as pessoas acham que o escritor deve trabalhar muitas horas", mas ele contrapõe que mais de "quatro horas de escrita contínua diminui o rendimento". Ora, isto dá imediatamente algum suporte às primeiras opiniões que torceram o nariz a esta escolha da Academia Sueca, afinal até as preferências dos apostadores nas agências colocavam no Top 10 escritores com outra dimensão, principalmente com mais obra e muito mais horas de dedicação à escrita. É que Ishiguro não escreveu até ao momento sequer uma dezena de livros, rivalizando esta produção com um número maior de contos e de guiões. Ou não seja o seu livro mais famoso uma espécie de Downton Abbey do passado, onde Emma Thompson e Anthony Hopkins transcendem o texto com as suas interpretações do "aclamado" Os Despojos do Dia.

Biblio e biografia

A própria biografia fornecida pela Academia confirma esse breve percurso, valorizando o facto de que "além dos seus oito livros tem escrito vários guiões para cinema e televisão". Não deixa de potenciar a sua vertente de escritor de fantástico, como é o caso do romance que se passa numa Inglaterra distópica ao dizer sobre ele: "Ishiguro introduz uma corrente fria subterrânea de ficção científica na sua escrita, bem como várias influências musicais." Está mais uma vez explicada a preferência na nova Academia Sueca em relação ao Nobel: há sonoridade musical na sua carreira literária.

A sua obra está traduzida em cerca de três dezenas de países e o jornal The Times colocou-o em 2008 como o 32º autor mais importante entre os 50 escritores britânicos desde 1945. Ishiguro foi nomeado para quatro prémios Man Booker, que venceu na edição de 1989 com o romance Os Despojos do Dia . Um dos vários romances que usam o passado como cenário antes de se dedicar a uma espécie de ficção científica, livros que destacam de preferência os falhanços das pessoas e que, dizem, nunca chegam a lado nenhum porque as personagens enovelam-se entre o passado por resolver e o presente angustiado, escolhendo como final uma "resignação melancólica".

Um comportamento que tem muito de um modo de ser japonês, mesmo que Ishiguro numa entrevista com o Nobel de 1994 desse país, Kenzaburo Oe, tivesse afirmado que os cenários dos seus dois romances iniciais -o do Japão - eram pura imaginação: "Em Inglaterra, onde cresci, mantive sempre uma imagem muito forte do meu país de origem, com o qual sempre tive um ligação emocional".

Ishiguro nasceu em Nagasaki mas viveu quase sempre na Inglaterra. Tornou-se cidadão inglês em 1982 e antes de se dedicar à escrita, queria ser músico - compôs para Stacey Kent -, mas não foi aceite por nenhuma editora a quem enviou as suas composições. A sua formação académica foi nas universidades inglesas de Kent e East Anglia, licenciando-se em Inglês e Filosofia em 1978. Participou no curso de escrita criativa dos escritores Malcolm Bradbury e Angela Carter, que terminou em 1980.

Nas suas próprias palavras quis ser "um escritor que deseja escrever novelas internacionais".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mariana Sousa da ESART distinguida com o Prémio Círculo Richard Wagner

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 29.09.17

Mariana Sousa da ESART distinguida com o Prémio Círculo Richard Wagner 

Mariana Pereira de Sousa, aluna do Mestrado em Música e licenciada em Canto na Escola Superior de Artes Aplicadas do IPCB, foi este ano distinguida pelo Círculo Richard Wagner Portugal e pelo Instituto Goethe Portugal com o Prémio Círculo Richard Wagner.

A presidente do Círculo Richard Wagner Portugal, Maria Teresa Cochito, em parceria com a diretora do Instituto Goethe Portugal, Claudia Hahn-Raabe, atribuíram a bolsa internacional que se destina a jovens talentosos e que visa apoiar o desenvolvimento e o aperfeiçoamento da língua alemã.

Esta experiência decorreu no Instituto Goethe de Berlim de 28 de agosto a 23 de setembro.

Natural do Porto, Mariana Sousa iniciou-se no canto na Academia de Música de Paços de Brandão, na classe da professora Mafalda Leite.

Em 2012 ingressou na Escola Superior de Artes Aplicadas do IPCB, na classe das professoras Elisabete Matos e Dora Rodrigues, terminando a licenciatura com 19 valores e recebendo o Prémio de Mérito – Educação Magazine, pela média mais elevada. De momento encontra-se a terminar o mestrado na ESART – IPCB.

Cantou a solo com a Orquestra ESART, dirigida pelo maestro João Paulo Santos.

Foi solista em obras como “Stabat Mater”, Pergolesi; “Glória” e “Nisi Dominus”, Vivaldi. Interpretou as seguintes personagens: Cherubino, Sesto, Romeo, Desdemona.

Frequentou Masterclasses com José Oliveira Lopes, Isabel Alcobia, Elisabete Matos e Norma Enns.

Mariana participou ainda no projeto “Luisa Todi – Jovens Clássicos”, em 2015 e ganhou o 1.º prémio no Concurso Internacional Cidade do Fundão, nos anos 2013 e 2016.

Em dezembro de 2016 cantou “A Portuguesa”, para o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, por ocasião da sua visita ao Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Concerto para Eduardo Lourenço. 8 SET, 21.30, BMEL

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 07.09.17

Concerto para Eduardo Lourenço 

A Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (BMEL), na Guarda, anunciou que vai promover na sexta-feira um concerto dedicado a Eduardo Lourenço, por ocasião da entrega do prémio que tem o nome do ensaísta.

O “Concerto para Eduardo Lourenço”, pelo Síntese – Grupo de Música Contemporânea da Guarda, está agendado para as 21:30 de sexta-feira, para a Sala Tempo e Poesia da BMEL.

A fonte refere que o grupo Síntese dará um concerto “que viaja pelo repertório de alguns dos compositores mais significativos da música de câmara dos séculos XX e XXI, europeia e portuguesa”.

“Com estéticas contrastantes, ouviremos o compositor britânico Ralph Vaughn-Williams, a compositora russa Sofia Gubaidolina e os compositores portugueses João Pedro Delgado e Eduardo Luís Patriarca”, acrescenta.

Segundo a BMEL, o ponto alto do concerto será a estreia de uma nova obra de Patriarca, escrita especialmente para este concerto – “Auat VI [Memento]” -, sobre poemas de Gastão Cruz e Maria Teresa Horta.

O “Concerto para Eduardo Lourenço” é organizado no mesmo dia em que a BMEL também acolhe, pelas 17:00, a sessão de entrega do Prémio Eduardo Lourenço 2017 ao jornalista, escritor e cronista Fernando Paulouro Neves.

Instituído em 2004 pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI), com sede naquela cidade, o prémio, no montante de 7.500 euros, destina-se a galardoar personalidades ou instituições com “intervenção relevante no âmbito da cultura, cidadania e cooperação ibéricas”.

O CEI adianta em comunicado que o seu diretor honorífico, Eduardo Lourenço, marcará presença na sessão, estando o elogio ao premiado a cargo de Arnaldo Saraiva, docente da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Em 2017, o júri do Prémio Eduardo Lourenço reconheceu “a projeção cultural e ibérica” de Fernando Paulouro Neves e a sua “notória vocação cultural e cívica, desenvolvida ao longo dos últimos 50 anos no Jornal do Fundão, órgão de referência na história da imprensa nacional, onde foi jornalista, chefe de redação e diretor”.

O galardão, com o nome do ensaísta Eduardo Lourenço, mentor e diretor honorífico do CEI, que tem sede na cidade mais alta do país, já distinguiu várias personalidades de relevo de Portugal e de Espanha.

Nas edições anteriores receberam o Prémio Eduardo Lourenço a professora catedrática Maria Helena da Rocha Pereira, o jornalista Agustín Remesal, a pianista Maria João Pires, o poeta Ángel Campos Pámpano, o professor catedrático de direito penal Jorge Figueiredo Dias, os escritores César António Molina, Mia Couto, Agustina Bessa-Luís e Luís Sepúlveda, o teólogo José María Martín Patino e os professores e investigadores Jerónimo Pizarro e Antonio Sáez Delgado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

MTV Vídeo Music Awards 2017: Kendrick Lamar ganhou em quase todas as categorias para que estava nomeado 

O rapper norte-americano foi o cantor com mais nomeações na edição 2017 dos prémios da MTV, incluindo as categorias de Vídeo do Ano, Artista do Ano e Melhor Fotografia. Concluindo: estava nomeado para oito e arrecadou seis.

De todas as nomeações, Kendrick Lamar apenas não venceu as categorias de Artista do Ano e Melhor Coreografia. Mas foi-lhe entregue o grande prémio da noite: o Vídeo do Ano.

Katy Perry foi a apresentadora de serviço.


Conheça todos os vencedores dos MTV Vídeo Music Awards 2017 que foram entregues a 27 de Agosto, no The Forum, em Inglewood, na Califórnia.

Vídeo do ano: Kendrick Lamar – “HUMBLE.”

Artista do ano: Ed Sheeran

Melhor Artista Revelação: Khalid

Melhor Colaboração: Zayn Taylor Swift – “I Don’t Wanna Live Forever (Fifty Shades Darker)

Melhor Vídeo Pop: Kendrick Lamar – “HUMBLE.”

Melhor Vídeo de Dança: Zedd and Alessia Cara – “Stay”

Melhor Vídeo de Rock: Twenty One Pilots – “Heavydirtysoul”

Melhor Luta Contra o Sistema: todos os nomeados foram honrados

Logic feat. Damian Lemar Hudson – “Black SpiderMan”

The Hamilton Mixtape – “Immigrants (We Get the Job Done)”

Big Sean – “Light”

Alessia Cara – “Scars To Your Beautiful”

Taboo feat. Shailene Woodley – “Stand Up / Stand N Rock #NoDAPL”

John Legend – “Surefire”

Melhor Fotografia: Kendrick Lamar – “HUMBLE.” (Scott Cunningham)

Melhor Realização: Kendrick Lamar – “HUMBLE.” (Dave Meyers the little homies)

Melhor Direcção de Arte: Kendrick Lamar – “HUMBLE.” (Spencer Graves)

Melhores Efeitos Visuais: Kendrick Lamar – “HUMBLE.” ( Timber/Lead: Jonah Hall)

Melhor Coreografia: Kanye West – “Fade” (Teyana Taylor, Guapo, Jae Blaze Derek ‘Bentley’ Watkins)

Melhor Edição: Young Thug – “Wyclef Jean” (Ryan Staake Eric Degliomini)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Coro Misto da Beira Interior medalhado em Torun

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 30.06.17

Foto de Associação Cultural da Beira Interior.

Coro Misto da Beira Interior conquista 2 Medalhas de Ouro e 2 Medalhas de Prata no concurso Per Musicam ad Astra na cidade de Torun na Polónia. As medalhas de Ouro foram conquistadas nas categorias de Coros Mistos e Música Pop e as de Prata nas categorias de Música Sacra e Música Popular. Foi o vencedor da categoria B1.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Aluna da ESART/IPCB, Tânia Trigo, vence concurso em Salzburgo

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 09.06.17

Aluna da ESART/IPCB, Tânia Trigo, vence concurso em Salzburgo 

A violetista Tânia Trigo ganhou o 1° Prémio no International Music Competition “Salzburg” – Grand Prize Virtuoso 2017, categoria sénior.

Aluna da professora Joana Pereira na Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco, Tânia Trigo foi convidada a atuar no Mozarteum, em Salzburgo, a 11 de julho de 2017.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Verão da Casa da Música conta com cerca de 120 concertos, 60 deles gratuitos

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 31.05.17

Image result for Casa da Música

A programação de verão da Casa da Música, que arranca quinta-feira e vai até 16 de setembro, conta com cerca de 120 concertos, metade dos quais de entrada gratuita, e com vários eventos fora do Porto.

Na conferência de imprensa de apresentação da programação do ciclo de verão deste ano, o diretor artístico da Casa da Música, António Jorge Pacheco, disse que a instituição conta receber "120 mil pessoas" para a totalidade dos eventos e sublinhou os "60 concertos de entrada livre" a decorrer no palco interior e exterior do café do espaço.

O Verão na Casa, um "período particularmente intenso da programação" e um ciclo que "marca a agenda cultural da cidade de forma significativa", arranca com "Tablao", um espetáculo de flamenco com Ana Pinhal e Catarina Ferreira, bem como uma atuação da banda brasileira Aláfia, de entrada livre, no primeiro dia do mês de junho.

O ciclo inclui concertos ao ar livre e atuações do pianista Alexander Romanovsky com a Orquestra Sinfónica do Porto (09 de junho) e da soprano Magdalena Anna Hofmann com o mesmo agrupamento (17 de junho), o programa para a noite de São João com a Banda Sinfónica Portuguesa num concerto "aberto à cidade", ou ainda o "Piano Caos", ponto de encontro da música eletrónica e clássica através da exploração das "enésimas possibilidades de composição em suporte tecnológico" que a Digitopia Collective leva a palco a 10 de junho.

De regresso estão os concertos dos agrupamentos associados ao ar livre, em Vila Nova de Gaia (22 de junho) e na Maia (14 de julho), com a Orquestra Sinfónica, e no Porto, na avenida dos Aliados, a 08 de setembro, com o Remix Ensemble a juntar-se aos Mão Morta (depois dos vários concertos que deram juntos no ano passado), antes de um concerto da Orquestra Sinfónica, no dia seguinte.

Na praça Guilhermina Suggia, em Matosinhos, a 29 de julho, a orquestra junta-se ao norte-americano Gregory Porter, colaboração que já tinha acontecido em 2015.

Organizado de dois em dois anos, o Prémio Internacional Guilhermina Suggia vai para a quinta edição e leva à Casa da Música sete alunos de violoncelo de várias escolas europeias, dos quais sairão três finalistas, que tocarão com a Orquestra Sinfónica a 07 de julho antes do anúncio do vencedor.

Ainda integrado na celebração do legado da violoncelista Guilhermina Suggia (1885-1950), o dia seguinte fica marcado pela maratona de estudantes de violoncelo, que nos anos anteriores atraiu mais de 100 jovens praticantes.

O ciclo vai abranger a estreia da Orquestra de Câmara Portuguesa na Casa da Música, a 25 de junho, no ano que assinala o 10.º aniversário do grupo, sob direção musical de Pedro Carneiro, para além do concerto de comemoração do centenário do Conservatório de Música do Porto, no domingo.

No café, ao longo do verão, vão atuar artistas como Ana Deus e Luca Argel (22 de junho), Slimmy (01 de julho), Paraguaii (22 de julho), Demian Cabaud Quarteto (24 de agosto) ou JP Simões (09 de setembro), entre outros.

O serviço educativo da instituição volta a produzir, em conjunto com a Câmara Municipal de Matosinhos, o espetáculo "Romani 2.0", segundo momento de um trabalho teatral entre a comunidade cigana daquele concelho e o Balleteatro, com estreia inicialmente prevista para 18 de junho de 2016, mas então cancelado, estreando-se agora a 20 de junho.

A programação do trimestre inclui ainda nomes como Patxi Andión, que revisita músicas de José Afonso na sexta-feira, Annette Peacock (07 de junho), o vencedor da Eurovisão Salvador Sobral (05 de julho, já esgotado, e 18 de julho) ou Manhattan Transfer (22 de julho), enquanto o II Congresso Europeu de Saxofone (EurSax) decorre de 11 a 14 de julho na Casa, com organização da Associação Portuguesa de Saxofone.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alunos da Academia Premiados em Fátima e Coimbra

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 25.05.17

Foto de Academia de Música e Dança do Fundão.

Dois alunos da Academia de Música e Dança do Fundão (AMDF) foram este fim-de-semana premiados em concursos de música realizados em Fátima e Coimbra.

Marco Garcia Massano aluno de guitarra na AMDF conquistou o primeiro prémio no escalão B do XII Concurso Nacional de Guitarra do Conservatório de Música e Artes do Centro (Fátima).

Na mesma prova mas no escalão A os alunos Margarida Lourenço, Henrique Carvalho e José Eduardo Pereira conquistaram menções honrosas.

Em Coimbra no XII Concurso de Piano de São Teotónio, a aluna Matilde Carapito da Conceição foi segunda classificada no nível B. Nos escalões C e D a AMDF levou ao concurso os alunos Maria João Pacheco e António Antunes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Salvador Sobral venceu o Festival Eurovisão da Canção e arrebatou a Europa

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 15.05.17

Salvador Sobral venceu o Festival Eurovisão da Canção

O cantor português Salvador Sobral venceu a final do Festival Eurovisão da Canção disputada, em Kiev, na Ucrânia, com a música "Amar pelos dois".

Salvador Sobral conseguiu a pontuação máxima - 758 pontos - na votação combinada dos júris nacionais e do público. A mais alta pontuação de sempre num Festival da Eurovisão.

A final do Festival Eurovisão da Canção foi disputada no Centro Internacional de Exposições de Kiev, na Ucrânia, por 26 países. O vencedor foi decidido pelo voto do público e por um júri profissional de cada um dos países participantes.

Trajeto até à final

Salvador Sobral tinha já emocionado o centro de exposições de Kiev na primeira semifinal. Confirmando o favoritismo que lhe atribuíam as casas de apostas e a imprensa internacional, o cantor português conquistou o apuramento para a final na passada terça-feira.

Também na primeira semifinal, Moldávia, Azerbaijão, Grécia, Suécia, Polónia, Arménia, Austrália, Chipre e Bélgica conquistaram o apuramento para a final. A este grupo juntaram-se dez outros países oriundos da segunda semifinal: Bulgária, Bielorrússia, Croácia, Hungria, Dinamarca, Israel, Roménia, Noruega, Holanda e Áustria.

França, Itália, Reino Unido, Espanha e Alemanha seguiram diretamente para a final, uma vez que são os principais financiadores do concurso. Como país anfitrião, a Ucrânia também beneficiou do apuramento direto.

"Amar pelos dois"
Composta pela irmã Luísa Sobral, a música “Amar pelos dois” rapidamente se distinguiu, somando visualizações e partilhas nas redes sociais. Foi selecionada para representar Portugal no dia 5 de março, dia da final do Festival RTP da Canção.

“Amar pelos dois” marca o regresso de Portugal a uma final do Festival Eurovisão da Canção, o que tinha acontecido pela última vez em 2010. Nesse ano, Filipa Azevedo chegou à final com “Há Dias Assim”, tendo ficado em 18º lugar. Em 2016, Portugal não participou no festival europeu.

Portugal estreou-se no Eurovision Song Contest em 1964, ano em que António Calvário interpretou o tema “Oração”, que não obteve qualquer voto. Em 1996, Portugal alcançou um sexto lugar com a canção “O meu coração não tem cor”, uma música cantada por Lúcia Moniz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bob Dylan vai receber Nobel este fim de semana

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 31.03.17

Bob Dylan vai receber o Nobel da Literatura este fim de semana, avançou a Academia. O músico está na Suécia para três concertos e aproveita a ocasião para encerrar o processo, que dura desde a atribuição do prémio pela academia sueca, à qual o músico demorou vários dias a reagir e a cuja cerimónia, em dezembro, não compareceu.

Segundo a secretária perpétua da Academia Sueca, Sara Danius, escreveu no blogue a cerimónia será privada e sem a presença de comunicação social. Só estarão Bob Dylan e membros da Academia, por desejo do artista.

O cantor norte-americano tem até 10 de junho para reclamar o valor monetário do Nobel da Literatura, que lhe foi atribuído pela Academia Sueca em 2016 e a cuja cerimónia de entrega, em dezembro, decidiu faltar.

"Não tivemos nenhuma conversa telefónica com Bob Dylan nos últimos meses. Dylan está ciente que até 10 de junho deve ser realizada a 'palestra Nobel', de modo a obter o pagamento", escreveu a secretária perpétua da Academia Sueca, Sara Danius, no seu blogue oficial.

O Prémio Nobel da Literatura atribuído a Bob Dylan consiste numa medalha de ouro, um diploma e um cheque de oito milhões de coroas suecas (824 mil euros). A tradição exige que o laureado ofereça um discurso aos seus benfeitores, chamado 'palestra Nobel', não importa em que formato, pode até ser um vídeo ou uma canção. Esta 'palestra' tem que decorrer no espaço de seis meses, a contar do dia em que decorreu a cerimónia de entrega do prémio (10 de dezembro).

Bob Dylan tem dois concertos marcados em Estocolmo, já neste fim de semana, e um outro em Lund, no dia 09.

Aos 75 anos, Bob Dylan foi distinguido com o Nobel da Literatura "por ter criado novas formas de expressão poéticas no quadro da grande tradição da música americana".

Na altura, em outubro do ano passado, o músico e poeta avisou a Academia Sueca de que não estaria presente na cerimónia de entrega do galardão, a 10 de dezembro em Estocolmo, por ter outros compromissos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Prémio Jovens Músicos 2017 - 31ª Edição. Inscrições até 31 MAR.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 15.03.17

Prémio Jovens Músicos 2017 | Regulamento Prémio Jovens Músicos 2017 | Regulamento

Preencha o Formulário de Inscrição disponível em www.rtp.pt até 31 de Março de 2017!

Categorias e Programas para as provas aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alunos da EPABI premiados.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 11.03.17

Foto de Pedro Leitão.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!

.

Telemóvel:

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *

.

Morada:

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã

.

Endereço eletrónico:

filarmonicacortense@iol.pt


Maestro: Fábio Daniel Esteves Pereira

Fábio Daniel Esteves Pereira nasceu a 28 de maio de 1986. É natural de Unhais da Serra mas cedo veio morar para a freguesia de Cortes do Meio.

Iniciou os estudos de formação musical e instrumento em 1997 na Filarmónica Recreativa Cortense como saxofonista com o maestro António Pão-Alvo.

Em 2000, sob a tutela do Pe. José António Loureiro Pinheiro toma parte da direcção artística do grupo Chama de Deus.

Em 2003 foi seleccionado para a Orquestra de Jazz do Centro, um masterclass jazzístico leccionado por Paulo Perfeito.

No âmbito do projecto Covilhã Filarmónico teve diversos estágios com professores de academia e conservatórios locais.

Em 2010 inicia os estudos em direcção de orquestra de sopros no CEDOS (Centro de estudos de direcção de orquestra de sopros) com os professores Luís Clemente em direcção e análise musical, Carlos Amarelinho em orquestração e Paulo Ramos em formação musical e auditiva.

Conclui o curso médio com 16 valores. Durante o curso médio trabalhou com as bandas da Covilhã, Ponte do Rol, Belinho, Cabreiros, Mafra, Banda Sinfônica da Covilhã.

No mesmo período lectivo obteve o primeiro prémio no concurso de direcção do ENOS ( Estágio Nacional de Orquesta de Sopros) Esposende.

Em 2013 iniciou os estudos em direcção de orquestra na academia de direcção da ACO ( Atlantic Coast Orchestra) com os professores Luís Clemente e Colin Metters em direcção de orquestra, José Fayos Jordan e Roberto Fiore em orquestração, Paulo Maciel e Jaime Branco em formação musical e auditiva. No mesmo ano começou a trabalhar na escola de música da Filarmónica Recreativa Cortense.

Dirigiu ensemble da ACO, orquestra sinfonica da ACO, Banda Nova de Manteigas e orquestra de sopros do ENOS Portel, EPABI e Escola Profissional de Seia.

Finalizou o curso superior da academia de direcção da ACO com 17 valores.

Em 2017 tomou posse da direcção artística e musical da Filarmónica Recreativa Cortense e deu início ao processo de equivalência de licenciatura na ABRSM (Associeted Board of the Royal Schools of Music).


Corpos Socias - triénio 2017/2019

Assembleia Geral:

Presidente: Marco Alves;

Vice Presidente: Joana Santos;

Secretário: Aline Miguens;

.

Conselho Fiscal:

Presidente: Bernardino Santos;

Vice Presidente: João Pedro Faisca;

Relator: Gabriel Vila;

.

Direcção:

Presidente: Alexandre Barata;

Vice Presidente: Adriano Esteves;

1º Secretário: Mafalda Santos;

2º Secretário: Flavio Inácio;

Tesoureiro: Francisco Pina;

Vogal: Leticia Vila;

Vogal: Steve Vila;

Vogal: Alexandre Barata;

Vogal: José Silva;



Mapa de actuações:

25-11-2017 - Encontro Filarmónico no Paúl;

.

17-12-2017 - Concerto de Natal na Igreja Paroquial de Cortes do Meio