Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!

.

Telemóvel:

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *

.

Morada:

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã

.

Endereço eletrónico:

filarmonicacortense@iol.pt


Maestro: Fábio Daniel Esteves Pereira

Fábio Daniel Esteves Pereira nasceu a 28 de maio de 1986. É natural de Unhais da Serra mas cedo veio morar para a freguesia de Cortes do Meio.

Iniciou os estudos de formação musical e instrumento em 1997 na Filarmónica Recreativa Cortense como saxofonista com o maestro António Pão-Alvo.

Em 2000, sob a tutela do Pe. José António Loureiro Pinheiro toma parte da direcção artística do grupo Chama de Deus.

Em 2003 foi seleccionado para a Orquestra de Jazz do Centro, um masterclass jazzístico leccionado por Paulo Perfeito.

No âmbito do projecto Covilhã Filarmónico teve diversos estágios com professores de academia e conservatórios locais.

Em 2010 inicia os estudos em direcção de orquestra de sopros no CEDOS (Centro de estudos de direcção de orquestra de sopros) com os professores Luís Clemente em direcção e análise musical, Carlos Amarelinho em orquestração e Paulo Ramos em formação musical e auditiva.

Conclui o curso médio com 16 valores. Durante o curso médio trabalhou com as bandas da Covilhã, Ponte do Rol, Belinho, Cabreiros, Mafra, Banda Sinfônica da Covilhã.

No mesmo período lectivo obteve o primeiro prémio no concurso de direcção do ENOS ( Estágio Nacional de Orquesta de Sopros) Esposende.

Em 2013 iniciou os estudos em direcção de orquestra na academia de direcção da ACO ( Atlantic Coast Orchestra) com os professores Luís Clemente e Colin Metters em direcção de orquestra, José Fayos Jordan e Roberto Fiore em orquestração, Paulo Maciel e Jaime Branco em formação musical e auditiva. No mesmo ano começou a trabalhar na escola de música da Filarmónica Recreativa Cortense.

Dirigiu ensemble da ACO, orquestra sinfonica da ACO, Banda Nova de Manteigas e orquestra de sopros do ENOS Portel, EPABI e Escola Profissional de Seia.

Finalizou o curso superior da academia de direcção da ACO com 17 valores.

Em 2017 tomou posse da direcção artística e musical da Filarmónica Recreativa Cortense e deu início ao processo de equivalência de licenciatura na ABRSM (Associeted Board of the Royal Schools of Music).


Corpos Socias - triénio 2017/2019

Assembleia Geral:

Presidente: Marco Alves;

Vice Presidente: Joana Santos;

Secretário: Aline Miguens;

.

Conselho Fiscal:

Presidente: Bernardino Santos;

Vice Presidente: João Pedro Faisca;

Relator: Gabriel Vila;

.

Direcção:

Presidente: Alexandre Barata;

Vice Presidente: Adriano Esteves;

1º Secretário: Mafalda Santos;

2º Secretário: Flavio Inácio;

Tesoureiro: Francisco Pina;

Vogal: Leticia Vila;

Vogal: Steve Vila;

Vogal: Alexandre Barata;

Vogal: José Silva;



Mapa de actuações:

25-11-2017 - Encontro Filarmónico no Paúl;

.

17-12-2017 - Concerto de Natal na Igreja Paroquial de Cortes do Meio


Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

.

Boom Festival reforça plano de segurança e previne incêndios

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 20.07.18

 Boom Festival reforça plano de segurança e previne incêndios De regresso à margem direita da Albufeira de Idanha-a-Nova entre 22 e 29 de julho

“Não se trata de eliminar os riscos, mas de mitigá-los. Os riscos vão sempre estar presentes.”

Miguel Almeida, membro da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial, instituição ligada à Universidade de Coimbra, e um dos especialistas que assinaram os relatórios sobre os incêndios de junho e outubro no centro do país encomendados pelo Governo Português, é o coordenador do plano de prevenção de incêndios do Boom Festival.

Idanha-a-Nova é um concelho em que o risco de incêndio “é muito elevado”.

Nesta e noutras matérias, a organização do Boom Festival sempre cumpriu a legislação em vigor, indo além desta em muitas medidas.

No entanto, a expectativa de que este fosse um ano de seca, com condições meteorológicas instáveis como as que se fizeram sentir durante a época de incêndios do ano passado, levaram o Boom Festival a reforçar o plano, contando com a experiência de Miguel Almeida.

Além de intensificar a descontinuidade do combustível que o terreno da Boomland já naturalmente oferece, bem como implementar e/ou fortalecer medidas de prevenção, autoproteção e combate, eis as principais medidas que o plano, elaborado com a colaboração das entidades de segurança, proteção civil e saúde nacionais e locais, prevê.

Assim, na 12ª edição do Boom Festival, que se realizará durante a Lua Cheia de 22 a 29 de julho na margem direita da Albufeira de Idanha-a-Nova, existirão 750 extintores; 14 Elide Fire Balls para a rápida extinção do fogo em áreas confinadas; 16 bocas armadas de incêndio; pontos de acesso à água canalizada; uma equipa de sapadores internos, com duas viaturas 4×4 com material sapador e com capacidade para até 500 litros de água; quatro torres de iluminação amovíveis e uma retroescavadora.

“Acompanho festivais há anos e há práticas que têm de ser completamente abolidas. As cozinhas comunitárias são um exemplo, porque, na maioria dos casos, as pessoas cozinham junto às tendas em botijas de gás. Num estudo que coordenei sobre os riscos de incêndios em áreas de campismo, cheguei a ver pessoas a cozinhar nas próprias tendas ou autocaravanas. Ora, as gorduras acumulam-se tornando a propagação muito mais rápida. No Boom, estamos concentrados em criar uma descontinuidade dos materiais combustíveis para que, no caso de haver algum incêndio, este não se propague”, explica Miguel Almeida.

O plano de segurança prevê a evacuação do recinto, havendo para o efeito caminhos com uma largura mínima de 3,5 metros, por onde o público poderá deixar a Boomland a pé, podendo também haver a retirada seletiva (de pessoas com dificuldades respiratórias, por exemplo) pela barragem.

Para facilitar a evacuação do Car Parking e da Caravan Park, as viaturas serão estacionadas em posição de emergência (com a dianteira virada para as saídas), com o objetivo de se evitar confusões geradas pela necessidade de inversões de marcha.

No caso de haver obstáculos, entra em cena a retroescavadora, que poderá ainda ser usada para a extinção de chamas por abafamento ou para a ampliação de faixas de descontinuidade de combustíveis.

Existirão sempre elementos da organização – os quais estão a receber formação na área da segurança e cujos procedimentos serão testados em simulacros – distribuídos pelo recinto que poderão ser facilmente encontrados e contactados pelos boomers, os quais desencadearão o sistema de alarme em função da ocorrência.

Quanto aos restaurantes que, na confeção dos alimentos, usarão gás ou outras substâncias/equipamento, de forma a garantir que cumprem os requisitos locais serão alvo de fiscalização por parte da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) na véspera do evento.

761 militares durante as operações

Segundo o major Luís Patrício, Chefe de Secção do Comando Territorial da GNR de Castelo Branco, estarão envolvidos nas operações nos dias que antecedem e durante o festival 761 militares.

Operações, essas, que já arrancaram no início desta semana e que estão a ser planeadas desde o início do ano.

“O Comando Territorial de Castelo Branco da Guarda Nacional Republicana garante o policiamento do evento Boom Festival 2018, entre o dia 16 e 29 de julho de 2018, no concelho de Idanha-a-Nova e áreas envolventes, a fim de assegurar a manutenção da ordem pública, a proteção de pessoas e bens e garantir a normal regularização do trânsito”, explica o oficial, que acrescenta: “A Operação tem sido coordenada através de reuniões e/ou contactos diretos com a organização do evento”.

Segurança no lago e hospital de campanha

Oito nadadores-salvadores distribuídos por dois turnos, alocados a quatro postos de vigia, procurarão garantir a segurança de todos os boomers que têm na Albufeira de Idanha-a-Nova o maior aliado para lidar com o calor intenso da região.

O Boom Festival terá ainda no local uma embarcação e duas motas de água enquanto os Bombeiros Voluntários de Idanha-a-Nova marcarão presença com uma embarcação tipo zebro.

Por sua vez, o Hospital de Campanha do Boom é formado por nove contentores com ar condicionado e com condições para a realização de vários tipos de atos médicos, essenciais a um evento com a duração de oito dias, numa das regiões mais quentes do país.

Cinco médicos, oito enfermeiros, dois fisioterapeutas, 28 tripulantes de ambulância e três administrativas compõem a equipa que assegurará o funcionamento do hospital, duas ambulâncias e três viaturas todo o terreno devidamente equipadas e dois postos médicos secundários/avançados.

De regresso aos 150 hectares da Boomland, o Boom Festival é um evento bienal de cultura independente e sustentável que, desde 1997, se realiza durante lua cheia de julho ou agosto, sendo uma referência internacional. Multidisciplinar, Transgeracional e intercultural, o Boom recebeu já inúmeros prémios internacionais na área da sustentabilidade ambiental.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festival Internacional de Música de Marvão na sua quinta edição

O maior festival de música clássica em Portugal promove 40 concertos em 10 dias, com a participação de 300 artistas de mais de 20 nacionalidades

A ERTAR – Entidade Regional do Turismo do Alentejo e Ribatejo apresentou esta manhã, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, a presentação da 5ª edição do Festival Internacional de Música do Marvão (FIMM), que se realizará de 20 a 29 de Julho naquela região.
O Festival Internacional de Música de Marvão, considerado já um grande evento de música clássica de Portugal, vai contar com a direcção artística do maestro Christoph Poppen e da soprano Juliane Banse. 
Este casal de alemães “descobriu Marvão numa primeira visita turística a Portugal, em 2010, tendo sido amor à primeira vista”.
Em 2014 surgia a primeira edição do FIMM. A apresentação da 5ª edição do festival, por Christoph Poppen, revela algumas das novidades reservadas para este ano, incluindo os três concertos de prelúdio, que se realizam a 26 Junho no Torre de Palma Wine Hotel, em Monforte, e nos dias 13 e 18 Julho em Valência de Alcântara, Espanha.
São esperados mais de seis mil visitantes nos 10 dias da 5ª edição do FIMM, que promove cerca de 40 concertos, com a participação de 300 artistas provenientes de 20 países diferentes.
Os concertos terão lugar em Marvão, Ammaia, Valência de Alcântara, Portalegre e, pela primeira vez, em Castelo de Vide.
Esta será ainda a edição com a maior participação de músicos Portugueses até à data e a que traz a Portugal, em estreia absoluta, a Orquestra Estatal de Atenas.
Na programação deste ano, destaca-se um concerto especial do maestro António Victorino d'Almeida, que irá acompanhar ao piano a austríaca Erika Pluhar, no dia 24 de Julho, em Castelo de Vide, na Fundação N.S. da Esperança.
Outro destaque será um duplo concerto de David James Friends, a 28 de Julho, na cisterna do Castelo de Marvão, reunindo de novo os quatro elementos dos lendários Hilliard Ensemble, extintos em 2014.

Nesta 5ª edição do FIMM será dada uma atenção especial às crianças, com a existência do espaço “Coração Delta – Tempo para dar”, onde os pais poderão deixar os mais pequenos num espaço tranquilo, enquanto desfrutam da música.
Com uma componente sustentável, este festival implementará ainda, com o apoio do grupo A MATOSCAR e do Município de Marvão, um projecto de mobilidade eléctrica onde apenas os veículos sem motores de combustão (eléctricos ou híbridos) poderão circular dentro da vila muralhada. O objectivo deste projecto pioneiro “é o de contribuir para criar um ambiente com menos poluição e menos ruído durante o festival, para que a melhor música clássica se possa fundir na perfeição com o cenário único de Marvão, criando uma atmosfera perfeita.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

Belmonte promove Festival Zeca Afonso. 20 e 21 JUL

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 16.07.18

A Associação Desportiva de Belmonte realiza o 1º Festival Zeca Afonso em Belmonte, nos próximos dias 20 e 21 de julho, com o apoio da Câmara Municipal de Belmonte, da Empresa Municipal de Belmonte e da AJA – Associação Zeca Afonso.

O festival conta com a presença de grandes artistas como, Francisco Fanhais; Manuel Freire; Miguel Calhaz; Manuel Teixeira & António Rosa; Vítor Sarmento e Francisco Naia.

In; Rádio Caria

Autoria e outros dados (tags, etc)

EDPCOOLJAZZ de novo em Cascais. 11 a 27 JUL

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 06.07.18

Resultado de imagem para EDPCOOLJAZZ

A 15ª edição de EDPCOOLJAZZ, regressa ás origens, Cascais, de 11 a 27 de Julho, numa edição que, como afirmou Carlos Carreiras, presidente da Câmara Municipal de Cascais, marca o “regresso do filho pródigo".

Foi na cerimónia de apresentação do festival à comunicação social que Carlos Carreiras afirmou que a realização deste festival de novo em Cascais marca o regresso do filho pródigo, uma vez que o festival nasceu em Cascais há exactamente 15 anos.
Também Karla Campos, directora do Festival EDPCOOLJAZZ desde o seu início, falou ao Jornal Hardmusica do seu entusiasmo sobre este regresso. “Estou verdadeiramente feliz. Estivemos fora de Cascais dois ou três anos, mas o Cooljazz nasceu em Cascais e aqui deve continuar”. E para a directora deste Festival que nesta edição, tem como principal aposta o jazz português, o “Parque Marechal Carmona com toda a sua envolvência de frescura e liberdade, será o espaço ideal para a realização deste festival onde a música se expande por árvores, e arbustos floridos. Este Parque é um convite a excelentes concertos e ainda melhores audições dos muitos excelentes artistas que integram o nosso programa”.
E o programa apresentado sem dúvida que promete:
Dead Combo e Elas e o Jazz, um trio composto por Marta Hugon, Joana Machado e Mariana Norton e que iniciou de forma brilhante a conferencia de imprensa , são os artistas que se juntam às sete noites de Julho do EDPCOOLJAZZ: Dead Combo apresentam o novo disco, “Odeon Hotel”, a 17 de Julho, no Parque Marechal Carmona, dia de BADBADNOTGOOD; o trio Elas e o Jazz actua a 20 de Julho, no Hipódromo Manuel Possolo, o dia, melhor a noite de Gregory Porter.

A 15ª edição do EDPCOOLJAZZ tem tudo para ser uma edição marcante. Com nomes de referência como David Byrne, Van Morrison, Gregory Porter, Jessie Ware ou Norah Jones, o festival irá tornar o Parque Marechal Carmona e o Hipódromo Manuel Possolo, em Cascais, num cenário idílico e bem localizado, junto a uma das zonas mais características de Cascais, o Bairro dos Museus, no melhor espaço para ouvir os excelentes músicos que estarão neste festival de Jazz.
Nomes como Jordan Rakei, BADBADNOTGOOD, Salvador Sobral e Toty Sa’Med fazem também parte deste cartaz de qualidade.

Para além do cartaz, outro dos pontos fortes, e já carismáticos do EDPCOOLJAZZ, é a vertente solidária associada ao festival.

Este ano regressa com o projecto GUITARRA SOLIDÁRIA: o leilão de uma guitarra FENDER - Standard Stratocaster Maple Neck Black assinada por Van Morrison, a decorrer na plataforma solidária e-solidar de 11 de Abril até 30 de Junho de 2018, com o valor inicial de licitação 600, euros.
Todo o valor conquistado no leilão reverte para a associação CERCICA (Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de Cascais).

Nos 15 anos do EDPCOOLJAZZ, o público vai poder viver momentos de muita qualidade e arte musical ouvindo concertos únicos com grandes artistas nacionais e internacionais, que acontecem num espaço harmonioso e privilegiado, com plateia sentada.

Já confirmados nesta 15ª edição do EDPCOOLJAZZ:

David Byrne, o lendário ícone Cool - 11 Julho, Hipódromo Manuel Possolo, Cascais
BADBADNOTGOOD, a banda de Jazz do momento – 17 de Julho, Parque Marechal Carmona, Cascais
Curadoria Salvador Sobral, espectáculo único com o convidado Toty Sa Med, junta-se a esta noite tão especial – 18 de Julho, Parque Marechal Carmona, Cascais
Gregory Porter, uma espantosa e muito aclamada voz do Jazz - 20 Julho, Hipódromo Manuel Possolo, Cascais

Jessie Ware, uma das melhores vozes da actualidade da nova Soul 
Jordan Rakei, uma promessa no panorama do jazz e da soul – 26 de Julho, Parque Marechal Carmona, Cascais
Van Morrison, a lenda viva do Rhythm Blues - 28 de Julho, Hipódromo Manuel Possolo, Cascais
Norah Jones, a artista jazz multi-premiada - 31 de Julho, Hipódromo Manuel Possolo, Cascais

DAVID BYRNE

11 de Julho, Hipódromo Manuel Possolo, Cascais

BADBADNOTGOOD

DEAD COMBO

17 de Julho, Parque Marechal Carmona, Cascais

CURADORIA SALVADOR SOBRAL

TOTY SA MED

18 de julho, Parque Marechal Carmona, Cascais

GREGORY PORTER

ELAS E O JAZZ

20 de Julho, Hipódromo Manuel Possolo, Cascais

JESSIE WARE

JORDAN RAKEI

26 de Julho, Parque Marechal Carmona, Cascais

VAN MORRISON

28 de Julho, Hipódromo Manuel Possolo, Cascais

NORAH JONES

31 de Julho, Hipódromo Manuel Possolo, Cascais
Já agora sobre o EDPCOOLJAZZ

O EDPCOOLJAZZ é um evento musical de referência que junta música, natureza e património. A primeira edição aconteceu em 2004 tendo como ponto de partida a oferta de um evento cultural e turístico que marcasse a diferença. A consistência do gosto eclético em conjunto com a vertente "cool" proporcionada pela áurea do evento constituem marcas de registo que a Live Experiences colocou desde o primeiro ano do festival. Em 2018, o festival regressa ao local que o viu nascer: Cascais. O Parque Marechal Carmona e o Hipódromo Manuel Possolo serão os palcos desta edição.

O Hipódromo, inserido no Parque Marechal Carmona e ao lado do Cascais Museum District (Museu Paula Rego, Centro Cultural de Cascais), torna-se assim um espaço simpático com uma forte ligação à cultura, à natureza e ao património histórico - cenário que joga perfeitamente com o ADN do festival.

Autoria e outros dados (tags, etc)

RFM SOMMNII. 6,7 e 8 JUL.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 05.07.18

Resultado de imagem para somnii 2018 cartaz

Está aí o fim de semana do RFMSomii e a RFM já está na Figueira para te contar tudo em direto.

Além dos melhores Djs do mundo vamos ter os DJ’s nacionais Pete Tha Zouk e Pedro Cazanova como convidados especiais dos DJ’s RFM Rich & Mendes, nos dois primeiros dias do Maior Sunset de Sempre!

Pete Tha Zouk é convidado especial na noite de 6 de Julho e já Pedro Cazanova fecha o dia 7 com os DJ’s RFM.

O Algarvio Pete Tha Zouk é um dos maiores DJ’s nacionais, um verdadeiro animal de palco que já chegou a atingir o 37º lugar do ranking mundial de acordo com o Top 100 da DJ Mag.

Pedro Cazanova é o DJ/produtor português com uma carreira reconhecida em todos os continentes onde atingiu, em muitos deles, o Top 10.

Novidades muito especiais também na abertura do maior Sunset de Sempre! Depois de um passatempo lançado pela RFM a todos os DJ’s e produtores emergentes que quisessem tentar a sua sorte para abrir o RFM SOMNII a sorte caiu do lado de Deepblue, Artix e Low Mak.

Os 3 Dj’s que vão ter a honra de abrir o Maior Sunset de Sempre!, ao lado dos maiores nomes da música de dança do planeta são Deepblue, que já colaborou com Pete tha Zouk, toca dia 6, o Lisboeta de 18 anos, Artix, no dia 7 e o Alentejano Low Mak no dia 8 de Julho.

O Festival termina, no dia 8 de Julho, com a dupla RFM RICH & MENDES que encerra o palco LIGTHNING BOLT do RFM SOMNII

Dia 6 de julho:

YELLOW CLAW, ANGERFIST, QUINTINO, CURBI, TOM STAAR, GTA, RICH&MENDES + OPENING ACT

Dia 7 de julho:

Axwell Λ Ingrosso, CHOCOLATE PUMA, SLUSHII, UMMET OZCAN, GREGOR SALTO, MOKSI, RICH&MENDES + OPENING ACT

Dia 8 de julho:

ALAN WALKER, STEVE ANGELLO. CESQEAUX, GARMIANI, BROOKS, COREY JAMES, RICH&MENDES + OPENING ACT

CESQEAUX

GARMIANI

BROOKS

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eurovisão poderá realizar-se fora de Jerusalém

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 25.06.18

Eurovisão poderá realizar-se fora de Jerusalém

A União Europeia de Radiofusão pretende que o festival da Eurovisão se realize num lugar "menos controverso" do que Jerusalém, cidade dividida entre israelitas e palestinianos desde 1967.

Israel admite que as cidades de Tel Aviv, Haifa e Eilat, além de Jerusalém, também sejam candidatas à realização do Festival da Eurovisão da Canção em 2019, noticiou o jornal israelita Haretz.

A proposta ocorre depois das exigências da União Europeia de Radiofusão (UER/EBU), que pretendia que o festival se realizasse num lugar “menos controverso” do que Jerusalém, e à qual a comunidade internacional não reconhece a soberania de Israel, noticiou a Lusa.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, concordou que o Governo se afastará da escolha da cidade onde o festival se irá realizar, na sequência da vitória de Netta Barzilai, em Lisboa, com o tema “Toy”.

Segundo o jornal israelita, Netanyahu tomou esta decisão com os ministros das Finanças e das Comunicações, Moshe Kahlon e Ayoub Kara, respectivamente, e com a procuradora Geral do Estado, Avichai Mendelblit.

A decisão foi transmitida à ministra da Cultura e do Desporto, Miri Reguev, que, na semana passada, insistira na realização do festival da Eurovisão em Jerusalém, em 2019, defendendo que, caso contrário, "não deveria ter lugar no país". Estas declarações da ministra enquadram-se na estratégia de promover o reconhecimento da soberania israelita na cidade.

Membros da UER informaram a emissora pública israelita Kan de que não tinham objecção a colocar a Jerusalém, como palco da competição, mas mostraram desconforto pela politização do processo. O canal público de Israel Kan e a UER vão reunir-se na próxima semana, e as cidades de Tel Aviv e Haifa, ambas na costa do Mediterrâneo, Eilat e Jerusalém deverão estar na agenda, como possíveis locais para o Festival da Eurovisão, segundo a Lusa.

Jerusalém já recebeu a Eurovisão em 1979 e 1999, mas a recente controvérsia sobre seu statu quo gerou novas tensões no conflito israelo-palestiniano, e no consenso internacional sobre a cidade.

A organização do Festival da Eurovisão avisou os fãs do concurso para ainda não procederem à reserva dos voos para Israel e pediu para esperarem por informações oficiais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A dez dias do arranque da oitava edição do Rock in Rio Lisboa, a Vodafone Portugal e a organização anunciam o lançamento de um novo projeto de cariz tecnológico - a aplicação Digital Rock City. 
Rock in Rio Lisboa: com a nova aplicação, não terá de esperar para andar nos divertimentos

Através da funcionalidade Smart Check-in, as inscrições nas atrações do recinto – roda gigante e slide – serão realizadas num formato totalmente digital. "Esta inovação, nunca antes usada no Rock in Rio ou num evento de música em Portugal, evita filas de espera e torna o processo de inscrição mais simples e célere", frisa a organização em comunicado.

Na prática, esta solução importa para a Cidade do Rock um conceito de check-in semelhante ao utilizado nos aeroportos. Bastará aos espectadores efetuarem o download da Aplicação Vodafone Rock in Rio, registarem-se na atração que pretendem e no horário que desejam, dentro das disponibilidades existentes e das reservas já em curso. A App confirmará a hora prevista de entrada e gerará um QRCode que será utilizado no acesso à diversão selecionada.

Ricardo Acto, vice-presidente de Operações do Rock in Rio, considera que “a Digital Rock City mostra como o Rock in Rio Lisboa evolui, ano após ano, para acompanhar quer as tendências de um universo cada vez mais digital, quer a evolução das necessidades, comportamentos e expectativas dos diferentes públicos que passam pelo evento. "Por exemplo, a solução Smart Check-in mostra a integração de uma experiência digital nas tradicionais diversões do recinto. Paralelamente, todas as soluções, com o selo da qualidade Vodafone, permitirão à Organização identificar oportunidades de melhoria para uma gestão mais eficiente e sustentável”, acrescenta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quatro dias "muito intensos" no Rock in Rio

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 20.06.18

Roberta Medina garante que a próxima edição do festival Rock in Rio em Lisboa vai voltar a ser muito intensa. A organização apresentou o espaço, já na fase dos últimos preparativos.

É como "parque temático da música e entretenimento" que a vice-presidente executiva do Rock in Rio, Roberta Medina, apresentou a edição deste ano do festival, prometendo quatro dias "muito intensos", a quem nos dois próximos fins-de-semana se deslocar ao Parque da Bela Vista, por estes dias ainda transformado num imenso estaleiro. Aos poucos, porém, tudo começa a ganhar forma, como o DN teve ocasião de comprovar, numa vista guiada ao recinto, que este ano conta com bastantes novidades.

"Quisemos fazer tudo de novo, criando vários espaços de raiz, para conseguir continuar a surpreender o público, tanto a quem vem pela primeira vez como àqueles que nunca falharam uma edição", afirma Pedro Marques, o coordenador de operações do Rock in Rio, enquanto nos mostra o novo Pop District, uma enorme área dedicada à cultura popular, que é uma das grandes novidades deste ano, onde a todo o momento o público pode ser surpreendido por espetáculos de dança com sósias de cantores, atores e personagens de filmes e videojogos.

O Pop District contará com um espaço dedicado ao cinema, onde ocorrerão várias performances e encontros e de atores com o público, com uma arena de gamming - "uma novidade em festivais de música", como realçou Roberta Medina - onde se disputarão várias finais de campeonatos de jogos de vídeo, e com um palco, o Super Bock Digital Stage, com início logo às 12.30 e que promete ser um dos locais mais concorridos do recinto.

A programação deste palco, conforme explicou Roberta Medina, "contará com um pouco de tudo" e será composta por cerca de uma centena de "influenciadores", como foram apresentados por esta responsável, que saltam diretamente da internet para o Rock in Rio. É o caso da bloguer Bumba na Fofinha, do mágico Windoh, do youtuber D4rkframe ou do quarteto Cavalinho da Chuva, composto por Rui Unas, César Mourão, Salvador Martinha e Frederico Pombares.

Ao todo, serão 36 horas de entretenimento puro e duro, durante os quatro dias de festival, promovendo uma interação direta entre o público e os seus "ídolos digitais", muitos deles a deixar os ecrãs para se apresentarem ao vivo pela primeira vez.

Para melhor organizar a circulação do público, a organização do Rock in Rio preparou este ano três rotas temáticas: a rota das selfies, a rota dos brindes (um dos clássicos desde festival) e a rota da gastronomia, que este ano terá uma das suas paragens obrigatórias no novo Time Out Market, composto por 14 bancas de comes e bebes, com a presença garantida de cinco chefes galardoados com estrelas Michelin.

Entre as inúmeras atrações extramusicais do festival, nas quais se mantêm clássicos como o Roda Gigante ou o slide, há ainda que destacar uma réplica, em tamanho real, da TIE Advanced X1, uma das mais famosas naves da saga Guerra das Estrelas, que irá aterrar no Parque da Bela Vista, e um Dino Parque com dez réplicas de dinossauros em tamanho real, onde os mais novos se podem divertir a escavar o esqueleto de um destes animais pré-históricos.

Música para todos os gostos

No meio de tanta animação, é caso para dizer que, o mais difícil é mesmo conseguir arranjar tempo para assistir aos concertos. Serão três os palcos onde o público pode assistir a espetáculos musicais. Uma das principais novidades é o palco instalado na EDP Rock Street, que este ano terá uma programação exclusivamente dedicada à música africana e por onde passarão nomes como o angolano Bonga e os guineenses Tabanka Djaz e Kimi Djabaté (a 23), os cabo-verdianos Ferro Gaita, o luso-cabo-verdiano Karlon e o rapper belga de origem congolesa Baloji (a 24), os angolanos Nástio Mosquito e Jack Nkanga e o músico da Guiné Conacri Moh Kouyaté (a 29) e finalmente a moçambicana Selma Uamusse, o coletivo sul-africano Batuk e o angolano Paulo Flores (a 30).

Com cerca de 450 metros quadrados e 160 módulos de LED, o Music Valley é outro dos novos palcos da Cidade do Rock e contará com 14 horas de música por dia, a cargo de alguns dos maiores nomes da atual música portuguesa, como é o caso de Carolina Deslandes, Moullinex, Da Chick, de HMB, Mishlawi e do coletivo luso-brasileiro Língua Franca (que se irá apresentar com Sara Tavares), dos Capitão Fausto e de Manel Cruz ou de Karetus, Blaya e Carlão. Este palco será também o local das famosas Pool Parties animadas ao som de DJ"s, e de festas que se prolongam noite fora. Depois dos concertos, como a edição especial Rock in Rio da Revenge of the 90"s, marcada para o dia 29, com a presença dos convidados especiais Haddaway, Crazy Town e Ena Pá 2000.

Novo palco principal

Nesta renovada edição do Rock in Rio, também o palco mundo, o principal do festival, se apresenta de cara lavada. "Conseguimos, pela primeira vez, construir um palco cem por cento português", sublinha Pedro Marques. A cenografia é agora formada por painéis côncavos e convexos, de chapa branca (anteriormente o palco era metálico), formando uma rede que "representa a interatividade entre artistas e público". O sistema de som foi também ele reforçado, com oito torres de delay que permitem o som chegar a mais áreas e com melhor qualidade. São 2500 metros quadrados de palco, com 80 metros de comprimento, 27 de altura, 500 mil watts de som e mais de 400 projetores. Quanto à música, começa aqui a ouvir-se às 18.00.

A 23 de junho, o primeiro a subir ao palco é o português Diogo Piçarra, que preparou "um espetáculo especial para esta ocasião, com alguns convidados", como o próprio revelou ao DN. Seguem-se depois as americanas Haim e os ingleses Bastille e Muse, que ostentam o estatuto de cabeças-de-cartaz desta primeira noite.

Para o segundo dia do festival, sábado, 23, o único até à data já esgotado, está reservado o nome mais forte da edição de 2018, o cantor americano Bruno Mars, que nos últimos anos se tem afirmado como mais bem-sucedidos artistas da história da pop, de regresso a Portugal pela terceira vez, depois de dois concertos em nome próprio no Pavilhão Atlântico. Antes, atuam ainda o português Agir, a brasileira Anitta e a americana Demi Lovato.

O segundo fim-de-semana de festival começa, a 29 de junho, com um dia dedicado a sonoridades mais rock e alternativas, com a presença dos britânicos James e The Chemical Brothers, dos portugueses Xutos e Pontapés (que nunca falharam uma edição do Rock in Rio) e dos americanos The Killers.

A despedida desta edição está marcada para 30 de junho e far-se-á ao som da inglesa Katy Perry, que encerra uma noite totalmente no feminino, na qual atuarão ainda a americana Hailee Steinfeld, a brasileira Ivete Sangalo (outra totalista do Rock in Rio) e a também britânica Jessie J.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festival Rock in Rio Lisboa incentiva espectadores a deixarem o carro em casaMetro, comboio, barco ou bicicleta são alguns dos meios de transporte que a organização do festival Rock in Rio Lisboa incentiva os espectadores a usarem em junho, quando forem ao “Parque temático da música”, foi esta terça-feiraanunciado.

Segundo a organização, o plano de mobilidade para esta oitava edição terá a colaboração de 12 operadores de transportes, um dos quais com acesso gratuito para quem apresentar o bilhete do festival.

O objetivo é “incentivar os visitantes da Cidade do Rock a deixarem os carros em casa”, quando forem ao festival, que ocupará o Parque da Bela Vista nos dias 23, 24, 29 e 30 de junho.

O plano de mobilidade envolverá, no total, os operadores Abreu, AVIS, BusUp, Carris, Cityrama, CP (Urbanos e Longo-Curso), Fertagus, Metro de Lisboa, mytaxi, Transtejo e Soflusa e Rede Expressos.

 

Para quem apresentar o bilhete do festival, serão gratuitas as viagens nos comboios urbanos CP Lisboa, das linhas de Cascais e de Sintra.

A Fertagus oferece o estacionamento nos parques automóveis ao longo das estações da margem sul. O Metropolitano de Lisboa estará a funcionar até às 03h00 – uma hora depois de terminarem as atuações -, nas quatro linhas e em cerca de 30 estações selecionadas.

De entre as 12 operadoras, destaque ainda para a parceria que a organização fez com a aplicação mytaxi, que permitirá a utilização de táxis coletivos, e com a plataforma BusUp.

Nesta edição, o Rock in Rio Lisboa volta a ter um parque de estacionamento exclusivo para bicicletas.

O Rock in Rio Lisboa acontece em Portugal a cada dois anos, desde 2004, no Parque da Bela Vista, um recinto ao ar livre, relvado e arborizado, com capacidade para cerca de 90 mil pessoas.

Embora a música seja o principal ingrediente do festival, o evento conta com uma programação que promove outras atividades de lazer, algumas associadas a patrocinadores.

Esta terça-feira apresenta-se como um “autêntico Parque Temático da música”.

Este ano, em termos de horários, o festival começa mais cedo e acaba mais cedo, com “mais horas de entretenimento por dia”, das 12h00 às 02h00. Na edição de 2016, a programação estendia-se das 16:00 às 04:00.

Quanto à música, entre os artistas e grupos convidados contam-se Bruno Mars – os bilhetes para o dia dele, 24 de junho, já esgotaram – Muse, The Killers, Katy Perry, The Chemical Brothers, Xutos & Pontapés, Ivete Sangalo, Bonga, Capitão Fausto, Manel Cruz e Moullinex.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festival Nos Alive em Algés está esgotado

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 13.06.18
O festival de música Nos Alive, marcado para julho no Passeio Marítimo de Algés, está esgotado, anunciou a promotora Everything is New.
Festival Nos Alive em Algés está esgotado
A 12ª edição do festival decorrerá de 12 a 14 de julho e, um mês antes, a organização anuncia que esgotou, contando com artistas como Pearl Jam, Arctic Monkeys, Queens of The Stone Age, At The Drive In, Nine Inch Nails, The National, Jack White, Bryan Ferry, Khalid, Eels, Franz Ferdinand, Alice in Chains, Chvrches.

A presença portuguesa passará por nomes como Orelha Negra, Paus, Miguel Araújo, Surma, Branko, Primeira Dama, António Zambujo e Beatriz Pessoa.

Desde a primeira edição, o festival acontece no Passeio Marítimo de Algés, um recinto próximo do Rio Tejo, com capacidade para cerca de 55 mil pessoas e com seis palcos de atuações, entre os quais um coreto, um espaço dedicado à comédia e um outro em que se recria uma casa de fados.

Além de Portugal, a organização teve bilhetes à venda em Espanha, França, Reino Unido, Bélgica, Noruega, Suíça, Alemanha e Suécia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Festival Y – festival de artes performativas tem, este mês, mais uma edição na Covilhã.

No dia 15 de junho, às 21h30, a Quarta Parede apresenta o programa completo do Festival Y#14 – festival de artes performativas, seguindo-se o concerto a solo da cantora e violoncelista Joana Guerra.

A apresentação/ espectáculo terá lugar no café-concerto do Teatro das Beiras.

Joana Guerra [voz, violoncelo e eletrónica]   

15.junho.2018 | 21h30

Covilhã > Teatro das Beiras | Café-Concerto 

Sinopse

Joana Guerra, cantora e violoncelista, com um percurso artístico interessante entre a improvisação e a composição.

Guerra consegue a união iluminada entre a canção e a eletro acústica que estabelece em ‘Cavalos Vapor’ – segundo disco a solo com edição da Revolve de Novembro 2016 – um tratado de encanto.

Canções impressionistas e experimentais, alinhadas pela hipnose do violoncelo, que se revelam em camadas de luz sobre as quais paira uma voz em chamamento onírico.

É das intérpretes mais transversais no universo lisboeta e com uma presença consistente, não só a solo, mas também no teatro, na dança ou na colaboração intensa com a cena de improvisação livre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Apresentação Oficial 2º Ananda Festival of Bliss. 7 JUN, Covilhã.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 04.06.18

Foto de Ananda - Festival of Bliss.

A segunda edição do Ananda Festival of Bliss 2018 vai acontecer de 28 de Junho a 1 de Julho, na quinta biológica Ananda Kalyani - Master Unit situada entre as localidades do Paúl e do Ourondo - Covilhã.
Assim sendo, convidamos a participar na apresentação oficial deste Festival no dia 7 de Junho na Biblioteca Municipal da Covilhã, às 18h, onde será divulgado o conceito, o programa, os workshops, os artistas, e o tipo de alimentação deste evento.
Ananda Festival of Bliss é um desafio a uma mudança de estilo de vida - com uma imersão total na arte, mergulhando na ecologia, na natureza, em opções de vida mais saudáveis, no ativismo e na consciencialização social - onde juntos podemos co-criar comunidades mais vivas.
Centenas de pessoas serão capazes de criar boa vibração, através de um leque de actividades: contacto com a natureza, a arte e a criatividade, muita música ao vivo e danças, oficinas temáticas e apresentações artísticas, ecologia e comida vegana, yoga e meditação.
Uma das características do Festival é ser livre de álcool e de drogas, com a alimentação 100% vegana, contribuindo assim para um tipo de ambiente diferenciado, voltado para um público alvo com elevada consciência ambiental e social.
Para facilitar o acesso às pessoas locais estamos a efectuar descontos nos bilhetes dos residentes nos concelhos de Covilhã e Fundão.
http://www.anandafestival.pt/bilhetes/
Teremos um momento musical para a apresentação e aperitivos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festivais SBSR e Sudoeste anunciam palcos dedicado à música portuguesa

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 16.05.18

Resultado de imagem para sbsr 2018

Resultado de imagem para sudoeste 2018

Ermo, Luís Severo e Virtus, Bispo, Blaya e Eva RapDiva são nomes anunciados pelos festivais Super Bock Super Rock (SBSR), em Lisboa, e Sudoeste, na Zambujeira do Mar, para os palcos dedicados exclusivamente à música portuguesa.

Os Ermo, Luís Severo, Vaiapraia e as Rainhas do Baile e Virtus são alguns dos artistas e bandas que irão atuar no palco dedicado à música portuguesa do festival SBSR, que decorre nos dias 19, 20 e 21 de julho, no Parque das Nações, em Lisboa.

O cartaz do palco, com curadoria da rádio SBSR.fm, que foi hoje anunciado, inclui ainda Filipe Sambado & Os Acompanhantes de Luxo, Keep Razors Sharp, Pop Dell'Arte, Mirror People e Sunflowers.

"Já na 24.ª edição, o Festival dá espaço aos novos valores e a talentos reconhecidos da música portuguesa, que vão mostrar ao vivo o que de melhor se está a fazer na nova música em Portugal, dentro de estilos tão diversos como o rock, o 'hip-hop', o punk, a música eletrónica e psicadélica, e ainda os melhores escritores de canções", refere a promotora Música no Coração, num comunicado hoje divulgado.

O festival SBSR tem como cabeças de cartaz The XX (a 19), Travis Scott (a 20) e Julian Casablancas and The Voidz (21). No palco dedicado à música portuguesa atuam, no dia 19, Mirror People, Filipe Sambado & Os Acompanhantes e Vaiapraia, e as Rainhas do Baile, no dia 20, Ermo, Luís Severo e Virtus, e, no dia 21, Pop Dell'Arte, Keep Razors Sharp e Sunflowers. O cartaz do SBSR inclui ainda bandas e artistas do Justice, The Vaccines, Mahalia, Anderson.Paak & The Free Nationals, Slow J, Oddisee, Benjamin Clementine e Sevdaliza.

Quanto ao Sudoeste, que se realiza em agosto, na Zambujeira do Mar, Odemira, conta com artistas como Bispo, Blaya, Pappilon e Eva RapDiva, num palco dedicado aos "novos talentos" da música portuguesa e "promessas da língua lusa".

"O lugar de destaque dos novos talentos da música nacional e das promessas da língua lusa está garantido a cada edição do MEO Sudoeste. O Palco LG, este ano com curadoria da [rádio] Mega Hits, privilegia a novidade, a qualidade da nova música nacional e a diversidade de estilos, do 'hip-hop' à 'pop' e à 'soul'", refere a promotora Música no Coração num comunicado hoje divulgado. O festival decorre de 08 a 11 de agosto, na Herdade da Casa Branca, próximo da Zambujeira do Mar, no concelho de Odemira.

No dia 08, no palco dedicado aos "novos talentos" da música portuguesa e "promessas da língua lusa", atuam Blaya, Caroletta e os B3L2. Para dia 09, no mesmo palco, estão marcadas as atuações de Eva RapDiva, Papillon e os Rich Fellaz. A 10, atuam Bispo, MAR e DOMI e, a 11, Paulo Sousa, Ivo Lucas e YUZI.

O cartaz da edição deste ano do festival MEO Sudoeste inclui, entre outros, Deejay Telio, Lil Pump, Desiigner, Piruka, Shawn Mendes e Mundo Segundo & Sam The Kid.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As reações de Cláudia Pascoal e Isaura ao último lugar no Festival da Eurovisão

As concorrentes portuguesas não conseguiram conquistar a simpatia do público da Eurovisão

Depois do céu, o inferno. Após a vitória de Salvador Sobral na edição de 2017 do festival da Eurovisão, a participação portuguesa foi, este ano, o completo inverso: último lugar.

Cláudia Pascoal e Isaura não conseguiram mais que 39 pontos, entre votos do júri e do público, com o tema "O Jardim". No entanto, no Instagram, as cantoras não esconderam o seu orgulho pela participação.

Dando os parabéns à concorrente israelita, Netta Barzilai, que venceu o concurso, Cláudia Pascoal escreveu que a Eurovisão foi "uma experiência única e [da qual] nunca nos esqueceremos".

Já Isaura agradeceu pela oportunidade de "representar Portugal", que definiu como "um prazer e um orgulho gigante".

Veja também: A atuação de Cláudia Pascoal na final da Eurovisão

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eurovisão: mais 18 países vão tentar apanhar hoje o barco até à final

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 10.05.18

A segunda semifinal do Festival Eurovisão da Canção está marcada para esta quinta-feira, 10 de maio. Dos 18 países em competição, apenas 10 vão conquistar um lugar na final.

Áustria, Estónia, Chipre, Lituânia, Israel, República Checa, Bulgária, Albânia, Finlândia e Irlanda foram os primeiros países que conquistaram um lugar na final do Festival Eurovisão da Canção, juntando-se aos 'big five' (Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Itália) e a Portugal, o vencedor da edição de 2017. Esta quinta-feira, 10 de maio, mais 18 delegações vão mostrar o que valem para tentar seguir viagem até à última fase do concurso.

Para os fãs, a segunda semifinal não contam com tantas boas canções como a primeira. Mesmo assim, garantem que tudo pode acontecer, apesar de defenderem que vencedor será um dos países que participou na primeira fase de seleção do festival - Chipre, Noruega e Israel são os favoritos.

Recorde aqui a primeira semifinal da Eurovisão.

A semifinal desta quinta-feira abre com a atuação da Noruega, o país que mais vezes ficou em último lugar - 11 vezes, quatro das quais com zero pontos. Mas o país também já conquistou várias vezes o troféu três vezes (1985, 1995 e 2009) - este ano espera repetir o feito e para isso conta com um vencedor, Alexander Rybak.

O cantor nascido em Minsk, na Bielorrússia, deu a última vitória  Noruega no Festival da Eurovisão, com a canção "Fairytale", e é um dos favoritos para ganhar a final de 12 de maio. Tal como em 2009, Rybak também é este ano autor da letra e da música.

Depois de Alexander Rybak, é a vez dos The Humans apresentarem "Goodbye" no palco da Altice Arena. Mas a Romênia espera não dizer já esta quinta-feira adeus à Eurovisão, mas o tema ocupa os últimos lugares nas casas de apostas online.

Sérvia, San Marino, Dinamarca, Rússia, Moldávia, Holanda, Austrália, Georgia, Polônia, Malta, Hungria, Letónia, Suécia, Montenegro, Eslovénia e a Ucrânia também atuam na segunda semifinal. De acordo com as casas de apostas e os palpites dos fãs na sala de imprensa, a canção da Suécia, representada por Benjamin Ingrosso, é a favorita.

O país de onde são originários os vencedores do concurso que atingiram maior sucesso a nível mundial, os ABBA, chega à 63.ª edição do Festival da Eurovisão da Canção com seis vitórias (1974, 1984, 1991, 1999, 2012 e 2015) e dois últimos lugares (1963 e 1977).

Já a atuação da Dinamarca é uma das mais fortes da segunda semifinal. Com 'barcos' em pano de fundo, os artistas que representam o país estão vestidos como vikings e apostam numa coreografia com garra. No ensaio geral, Rasmussenfoi o grande destaque.

Depois da Dinamarca, será a vez da Rússia subir ao palco da Altice Arena. Julia Samoylova vai apresentar-se em palco em cima de uma montanha, acompanhada por dois bailarinos e um coro de três vozes.

Julia Samoylova é uma cantora e compositora nascida em 1989 que desde a infância usa uma cadeira de rodas. Foi finalista da versão russa do programa X-Factor e em 2017 foi a escolhida para representar a Rússia na Eurovisão.

No entanto, a Ucrânia, que acolhia nesse ano o concurso em Kiev, impediu a cantora de entrar no país, já que esta tinha atuado em junho de 2015 na Crimeia, cerca de um ano após a anexação da península ucraniana pela Rússia.

Os AWS, formados em Budapeste e 2006 e que se descrevem como uma “banda de metal moderna com atitude”, vão representar a Hungria com uma música cantada na língua materna. Fogo, saltos ao ritmo dos acordes e a energia do vocalista marcaram a atuação do grupo. Para alguns fãs, o país ainda pode surpreender e conquistar um lugar de destaque na final.

Depois dos AWS transformarem a Altice Arena num concerto de metal, chegará a vez da Letónia. A representar este ano o país, que se estreou no festival em 2000 e não falhou uma edição desde então, está Laura de Carvalho Rizzotto, de 23 anos, que nasceu no Rio de Janeiro, onde vive, e é bisneta de portugueses, por parte da mãe, e de uma letã, por parte do pai.

Os países são escolhidos com base nas pontuações do júri e nos votos do público - cada país atribui dois conjuntos de 12, 10, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2 e 1 pontos às dez canções preferidas, um da responsabilidade de um júri nacional e outro definido pelo voto dos espectadores.

O palco da edição de 2018 do Festival Eurovisão da Canção também tem chamado a atenção dos seguidores do concurso.  A estrutura montada na Altice Arena inclui um palco com 460 metros quadrados, rodeado por uma ‘passerelle’ de 220 metros quadrados, que está ligada ao palco por duas pontes metálicas com doze metros cada uma.

A ‘abraçar’ o palco estão três círculos suspensos do teto. O mais pequeno, com 60 metros de comprimento e, o maior, com 120.

Além da música, tal como na primeira semifinal do concurso, o espetáculo vai também contar com momento de humor protagonizado por Herman José. Com texto de Nuno Markl, Ana Markl e Luís Miranda, o comediante, de 64 anos, vai ser a estrela do segmento “Planet Portugal”, que será uma espécie de documentário ao estilo do National Geographic.

Para que isto tudo aconteça, está mobilizada uma equipa composta por cerca de 900 pessoas, à qual se juntam 400 voluntários. Pela Altice Arena irão andar ainda mais mil pessoas, das delegações dos 43 países a concurso.

O Festival Eurovisão da Canção é um formato da União Europeia de Radiodifusão (EBU, sigla em inglês), que este ano é organizado em parceria com a RTP, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festival Eurovisão alcançou 182 milhões de espetadores em 2017

O Festival Eurovisão da Canção atraiu em 2017 1,4 milhões de espectadores em Portugal, a maior audiência desde 2008 na visualização da competição que alcançou 182 milhões de pessoas em vários países do mundo.

Os três espectáculos ao vivo realizados em Kiev, na Ucrânia, nos dias 09, 11 e 13 de maio de 2017, “alcançaram cerca de 182 milhões de pessoas em 42 mercados”, segundo a União Europeia de Radiodifusão (UER).

Destes, 1,4 milhões viram a grande final em Portugal, país que, para além de ter vencido a competição, “alcançou o seu maior público desde 2008”, chegando aos 32,5% da audiência televisiva nacional.

Os dados globais demonstram uma descida no número total de espectadores do festival, depois de, em 2016, os três espectáculos de Estocolmo, na Suécia, nos dias 10, 12 e 14 de maio, terem atingido 204 milhões de espectadores, em 42 mercados.

Em contrapartida, o número de pessoas que assistiram ‘online’ à competição “mais do que duplicou” em relação ao ano anterior, com “seis milhões de sessões de ‘streaming’ em 233 territórios” no YouTube e “um total de 8,5 milhões de visualizações ‘on-demand’”.

Para além de Portugal, também a Bulgária, segunda classificada na competição, registou o maior número de público desde 2003, com 650 mil espectadores, representando 39,4% da audiência da televisão búlgara.

A Itália, com 3,6 milhões de espectadores, alcançou o maior número de público desde ao regresso ao concurso, em 2011, registando um aumento de 15% em relação a 2016.

Pelo 8.º ano consecutivo, a Alemanha teve a maior média de audiência, com 7,8 milhões de espectadores.

O país anfitrião em 2017, a Ucrânia, alcançou 1,5 milhões de espectadores (a maior audiência desde 2009), o equivalente a 18,8% da audiência televisiva daquela noite.

Já a Islândia, apesar de nos últimos três anos não ter sido apurada para a final, registou, uma vez mais, a maior percentagem de visualização (98%) de todos os 42 países em competição.

A edição de 2017 do festival Eurovisão da Canção revelou-se “muito popular entre os públicos mais jovens”, destacou a UER, sublinhando que em média 42,9% de jovens entre os 15 e os 24 anos assistiram, nos 42 países, à grande final, o que representa uma média “quatro vezes maior do que a média de 11% dos canais de transmissão”.

A quota de visualização foi igualmente cerca de quatro vezes superior à média dos outros canais entre as crianças dos quatro aos 15 anos (34,8%) e entre os jovens adultos dos 25 aos 34 anos (38,3%).

O Festival Eurovisão da Canção tinha registado, em 2016, um aumento de cerca de 16% nas audiências, atingindo 204 milhões de espectadores em 42 mercados, mais cinco milhões do que em 2015.

Baseado no festival de música de São Remo, o primeiro festival Eurovisão da Canção teve lugar no dia 24 de maio de 1956, com a participação da França, a então Alemanha Ocidental, a Itália, a Holanda, o Luxemburgo, a Bélgica e a Suíça.

No ano seguinte juntaram-se o Reino Unido, a Áustria e a Dinamarca e, em 1959, o Mónaco.

Portugal iniciou a sua participação em 1964, tendo estado ausente da fase final em 1970, 2000, 2002, 2013 e 2016. Em 2017 venceu a competição e este ano Lisboa é a cidade anfitriã do Festival Eurovisão da Canção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"O Jardim" já tem vídeo oficial

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 07.05.18

O tema que vai representar Portugal no Festival da Eurovisão, no próximo dia 12 de maio, já tem videoclipe

Já está disponível o videoclipe de "O Jardim", a música que vai representar Portugal no Festival da Eurovisão, no próximo dia 12 de maio, no Altice Arena, em Lisboa.

O vídeo que ilustra a música de Cláudia Pascoal e Isaura foi dirigido e produzido por Liliana Ramires.

No videoclipe participaram cidadãos anónimos, que se inscreveram, através da RTP, para participar nas gravações.

"Estou muito contente porque vieram de todas as partes do país. É uma cena que eu pensava que não era possível, o pessoal gostar tanto de mim e da Isaura para fazer este esforço", contou Cláudia Pascoal à estação pública durante as gravações do videoclipe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As semifinais da Eurovisão, do Azerbaijão à Ucrânia

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 27.04.18

Ordem de canções nas semi-finais da Eurovisão foi conhecida esta manhã. Azerbaijão é o primeiro país a atuar, a Ucrânia o último

A ordem pela qual vão cantar os 37 países que atuam na final da Eurovisão foi anunciada hoje pela EBU (Eurovision Broadcast Union).

A primeira semi-final, a 8 de maio, vai ser assim:

1. Azerbaijão
2. Islândia
3. Albânia
4. Bélgica
5. República Checa
6. Lituânia
7. Israel
8. Bielorrússia
9. Estónia
10. Bulgária
11. ARJ da Macedónia
12. Croácia
13. Áustria
14. Grécia
15. Finlândia
16. Arménia
17. Suíça
18. Irlanda
19. Chipre

Na segunda semi-final, a 10 de maio, o alinhamento é este:

1. Noruega
2. Roménia
3. Sérvia
4. San Marino
5. Dinamarca
6. Rússia
7. Moldávia
8. Holanda
9. Austrália
10. Geórgia
11. Polónia
12. Malta
13. Hungria
14. Letónia
15. Suécia
16. Montenegro
17. Eslovénia
18. Ucrânia

Em janeiro tinham sido conhecidos os países que atuariam em que semifinal. O alinhamento não foi dado a conhecer nessa altura, pois não eram ainda conhecidas as 43 canções a concurso.

A ordem de atuação das canções é da responsabilidade da EBU e pretendem servir o espetáculo televisivo.

Cinco países passam de imediato à final, os chamado "Big Five": Alemanha, Espanha, França, Itália e Reino Unido. A estes junta-se Portugal, com lugar cativo por ser o país organizador.

O Altice Arena acolhe todos os espetáculos da Eurovisão.

A grande final disputa-se no dia 12 de maio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

AMDF - Festival “Aqui há Música”. 27 ABR a 27 MAI.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 24.04.18

Festival “Aqui há Música” visita cinco freguesias de Penamacor 

Os músicos da AMDF vão atuar em cinco freguesias de Penamacor, entre 29 de abril e 27 de maio. O Festival “Aqui há música” resulta de uma parceria entre aquela instituição e a Câmara Municipal

Penamacor recebe, entre 29 de abril e 27 de maio, o Festival “Aqui há música”, que visitará cinco freguesias do concelho, com um concerto em cada uma delas.

Esta iniciativa surge no âmbito de uma parceria entre a Câmara Municipal de Penamacor e a Academia de Música e Dança do Fundão (AMDF), que visa não só o ensino da música, mas também a sua difusão no espaço concelhio.

O festival tem início a 29 de abril, pelas 17:00, na Igreja Matriz de Penamacor.

O espetáculo estará a cargo da Orquestra de Cordas e do Coro Misto e Solistas da AMDF, que interpretarão um novo programa com base no Stabat Mater de Giovanni Battista Pergolesi e peças de Johann Sebastian Bach e Antonio Vivaldi.

Já no dia 6 de maio, o Quarteto de Saxofones atua em Vale da Senhora da Póvoa, no salão da Junta de Freguesia, pelas 15:00, e na Meimoa, no Museu Dr. Mário Bento, pelas 17:00.

Por fim, no dia 27 de maio, será a vez da Orquestra de Sopro visitar Águas, atuando no salão da Junta de Freguesia, pelas 15:00, e a Benquerença, com um concerto na Casa do Povo, pelas 17:00.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Covilhã no Festival da Eurovisão

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 19.04.18

https://scontent.fopo1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/30710026_1932994266752805_1142157839799614390_n.jpg?_nc_cat=0&oh=f6e1a03ede07cc695fb4fcb68830c511&oe=5B73F624

O representante da Suécia no Festival Eurovisão da Canção, Benjamin Ingrosso, esteve esta terça-feira, na Covilhã.

A "cidade-neve" foi seleccionada para ser um dos locais de gravação do postal de apresentação do artista, a ser exibido no Festival que este ano se realiza em Portugal.

O concorrente sueco e a sua comitiva foram recebidos na Câmara da Covilhã, seguindo-se uma visita a locais emblemáticos da cidade da Covilhã onde foram registadas as imagens que serão transmitidas no Festival Eurovisão da Canção.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!

.

Telemóvel:

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *

.

Morada:

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã

.

Endereço eletrónico:

filarmonicacortense@iol.pt


Maestro: Fábio Daniel Esteves Pereira

Fábio Daniel Esteves Pereira nasceu a 28 de maio de 1986. É natural de Unhais da Serra mas cedo veio morar para a freguesia de Cortes do Meio.

Iniciou os estudos de formação musical e instrumento em 1997 na Filarmónica Recreativa Cortense como saxofonista com o maestro António Pão-Alvo.

Em 2000, sob a tutela do Pe. José António Loureiro Pinheiro toma parte da direcção artística do grupo Chama de Deus.

Em 2003 foi seleccionado para a Orquestra de Jazz do Centro, um masterclass jazzístico leccionado por Paulo Perfeito.

No âmbito do projecto Covilhã Filarmónico teve diversos estágios com professores de academia e conservatórios locais.

Em 2010 inicia os estudos em direcção de orquestra de sopros no CEDOS (Centro de estudos de direcção de orquestra de sopros) com os professores Luís Clemente em direcção e análise musical, Carlos Amarelinho em orquestração e Paulo Ramos em formação musical e auditiva.

Conclui o curso médio com 16 valores. Durante o curso médio trabalhou com as bandas da Covilhã, Ponte do Rol, Belinho, Cabreiros, Mafra, Banda Sinfônica da Covilhã.

No mesmo período lectivo obteve o primeiro prémio no concurso de direcção do ENOS ( Estágio Nacional de Orquesta de Sopros) Esposende.

Em 2013 iniciou os estudos em direcção de orquestra na academia de direcção da ACO ( Atlantic Coast Orchestra) com os professores Luís Clemente e Colin Metters em direcção de orquestra, José Fayos Jordan e Roberto Fiore em orquestração, Paulo Maciel e Jaime Branco em formação musical e auditiva. No mesmo ano começou a trabalhar na escola de música da Filarmónica Recreativa Cortense.

Dirigiu ensemble da ACO, orquestra sinfonica da ACO, Banda Nova de Manteigas e orquestra de sopros do ENOS Portel, EPABI e Escola Profissional de Seia.

Finalizou o curso superior da academia de direcção da ACO com 17 valores.

Em 2017 tomou posse da direcção artística e musical da Filarmónica Recreativa Cortense e deu início ao processo de equivalência de licenciatura na ABRSM (Associeted Board of the Royal Schools of Music).


Corpos Socias - triénio 2017/2019

Assembleia Geral:

Presidente: Marco Alves;

Vice Presidente: Joana Santos;

Secretário: Aline Miguens;

.

Conselho Fiscal:

Presidente: Bernardino Santos;

Vice Presidente: João Pedro Faisca;

Relator: Gabriel Vila;

.

Direcção:

Presidente: Alexandre Barata;

Vice Presidente: Adriano Esteves;

1º Secretário: Mafalda Santos;

2º Secretário: Flavio Inácio;

Tesoureiro: Francisco Pina;

Vogal: Leticia Vila;

Vogal: Steve Vila;

Vogal: Alexandre Barata;

Vogal: José Silva;



Mapa de actuações:

25-11-2017 - Encontro Filarmónico no Paúl;

.

17-12-2017 - Concerto de Natal na Igreja Paroquial de Cortes do Meio