Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!

.

Telemóvel:

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *

.

Morada:

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã

.

Endereço eletrónico:

filarmonicacortense@iol.pt


Maestro: Fábio Daniel Esteves Pereira

Fábio Daniel Esteves Pereira nasceu a 28 de maio de 1986. É natural de Unhais da Serra mas cedo veio morar para a freguesia de Cortes do Meio.

Iniciou os estudos de formação musical e instrumento em 1997 na Filarmónica Recreativa Cortense como saxofonista com o maestro António Pão-Alvo.

Em 2000, sob a tutela do Pe. José António Loureiro Pinheiro toma parte da direcção artística do grupo Chama de Deus.

Em 2003 foi seleccionado para a Orquestra de Jazz do Centro, um masterclass jazzístico leccionado por Paulo Perfeito.

No âmbito do projecto Covilhã Filarmónico teve diversos estágios com professores de academia e conservatórios locais.

Em 2010 inicia os estudos em direcção de orquestra de sopros no CEDOS (Centro de estudos de direcção de orquestra de sopros) com os professores Luís Clemente em direcção e análise musical, Carlos Amarelinho em orquestração e Paulo Ramos em formação musical e auditiva.

Conclui o curso médio com 16 valores. Durante o curso médio trabalhou com as bandas da Covilhã, Ponte do Rol, Belinho, Cabreiros, Mafra, Banda Sinfônica da Covilhã.

No mesmo período lectivo obteve o primeiro prémio no concurso de direcção do ENOS ( Estágio Nacional de Orquesta de Sopros) Esposende.

Em 2013 iniciou os estudos em direcção de orquestra na academia de direcção da ACO ( Atlantic Coast Orchestra) com os professores Luís Clemente e Colin Metters em direcção de orquestra, José Fayos Jordan e Roberto Fiore em orquestração, Paulo Maciel e Jaime Branco em formação musical e auditiva. No mesmo ano começou a trabalhar na escola de música da Filarmónica Recreativa Cortense.

Dirigiu ensemble da ACO, orquestra sinfonica da ACO, Banda Nova de Manteigas e orquestra de sopros do ENOS Portel, EPABI e Escola Profissional de Seia.

Finalizou o curso superior da academia de direcção da ACO com 17 valores.

Em 2017 tomou posse da direcção artística e musical da Filarmónica Recreativa Cortense e deu início ao processo de equivalência de licenciatura na ABRSM (Associeted Board of the Royal Schools of Music).


Corpos Socias - triénio 2017/2019

Assembleia Geral:

Presidente: Marco Alves;

Vice Presidente: Joana Santos;

Secretário: Aline Miguens;

.

Conselho Fiscal:

Presidente: Bernardino Santos;

Vice Presidente: João Pedro Faisca;

Relator: Gabriel Vila;

.

Direcção:

Presidente: Alexandre Barata;

Vice Presidente: Adriano Esteves;

1º Secretário: Mafalda Santos;

2º Secretário: Flavio Inácio;

Tesoureiro: Francisco Pina;

Vogal: Leticia Vila;

Vogal: Steve Vila;

Vogal: Alexandre Barata;

Vogal: José Silva;



Mapa de actuações:

25-11-2017 - Encontro Filarmónico no Paúl;

.

17-12-2017 - Concerto de Natal na Igreja Paroquial de Cortes do Meio


Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

.

"Há Música no Coreto" regressa a Belmonte

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 21.06.18

 

Foto de Rádio Caria.

A Câmara de Belmonte volta a apostar no projecto “Há Música no Coreto” com três concertos.

Desta vez o projecto promove algumas das vozes que passaram pelo concurso dos “Novos Talentos 2018” promovido no passado mês de Fevereiro pela autarquia de Belmonte.

Coverkill (28 Junho), José Ninguém (26 Julho) e Boa Onda (30 Agosto) são as propostas do projecto “Há Música no Coreto”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quatro dias "muito intensos" no Rock in Rio

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 20.06.18

Roberta Medina garante que a próxima edição do festival Rock in Rio em Lisboa vai voltar a ser muito intensa. A organização apresentou o espaço, já na fase dos últimos preparativos.

É como "parque temático da música e entretenimento" que a vice-presidente executiva do Rock in Rio, Roberta Medina, apresentou a edição deste ano do festival, prometendo quatro dias "muito intensos", a quem nos dois próximos fins-de-semana se deslocar ao Parque da Bela Vista, por estes dias ainda transformado num imenso estaleiro. Aos poucos, porém, tudo começa a ganhar forma, como o DN teve ocasião de comprovar, numa vista guiada ao recinto, que este ano conta com bastantes novidades.

"Quisemos fazer tudo de novo, criando vários espaços de raiz, para conseguir continuar a surpreender o público, tanto a quem vem pela primeira vez como àqueles que nunca falharam uma edição", afirma Pedro Marques, o coordenador de operações do Rock in Rio, enquanto nos mostra o novo Pop District, uma enorme área dedicada à cultura popular, que é uma das grandes novidades deste ano, onde a todo o momento o público pode ser surpreendido por espetáculos de dança com sósias de cantores, atores e personagens de filmes e videojogos.

O Pop District contará com um espaço dedicado ao cinema, onde ocorrerão várias performances e encontros e de atores com o público, com uma arena de gamming - "uma novidade em festivais de música", como realçou Roberta Medina - onde se disputarão várias finais de campeonatos de jogos de vídeo, e com um palco, o Super Bock Digital Stage, com início logo às 12.30 e que promete ser um dos locais mais concorridos do recinto.

A programação deste palco, conforme explicou Roberta Medina, "contará com um pouco de tudo" e será composta por cerca de uma centena de "influenciadores", como foram apresentados por esta responsável, que saltam diretamente da internet para o Rock in Rio. É o caso da bloguer Bumba na Fofinha, do mágico Windoh, do youtuber D4rkframe ou do quarteto Cavalinho da Chuva, composto por Rui Unas, César Mourão, Salvador Martinha e Frederico Pombares.

Ao todo, serão 36 horas de entretenimento puro e duro, durante os quatro dias de festival, promovendo uma interação direta entre o público e os seus "ídolos digitais", muitos deles a deixar os ecrãs para se apresentarem ao vivo pela primeira vez.

Para melhor organizar a circulação do público, a organização do Rock in Rio preparou este ano três rotas temáticas: a rota das selfies, a rota dos brindes (um dos clássicos desde festival) e a rota da gastronomia, que este ano terá uma das suas paragens obrigatórias no novo Time Out Market, composto por 14 bancas de comes e bebes, com a presença garantida de cinco chefes galardoados com estrelas Michelin.

Entre as inúmeras atrações extramusicais do festival, nas quais se mantêm clássicos como o Roda Gigante ou o slide, há ainda que destacar uma réplica, em tamanho real, da TIE Advanced X1, uma das mais famosas naves da saga Guerra das Estrelas, que irá aterrar no Parque da Bela Vista, e um Dino Parque com dez réplicas de dinossauros em tamanho real, onde os mais novos se podem divertir a escavar o esqueleto de um destes animais pré-históricos.

Música para todos os gostos

No meio de tanta animação, é caso para dizer que, o mais difícil é mesmo conseguir arranjar tempo para assistir aos concertos. Serão três os palcos onde o público pode assistir a espetáculos musicais. Uma das principais novidades é o palco instalado na EDP Rock Street, que este ano terá uma programação exclusivamente dedicada à música africana e por onde passarão nomes como o angolano Bonga e os guineenses Tabanka Djaz e Kimi Djabaté (a 23), os cabo-verdianos Ferro Gaita, o luso-cabo-verdiano Karlon e o rapper belga de origem congolesa Baloji (a 24), os angolanos Nástio Mosquito e Jack Nkanga e o músico da Guiné Conacri Moh Kouyaté (a 29) e finalmente a moçambicana Selma Uamusse, o coletivo sul-africano Batuk e o angolano Paulo Flores (a 30).

Com cerca de 450 metros quadrados e 160 módulos de LED, o Music Valley é outro dos novos palcos da Cidade do Rock e contará com 14 horas de música por dia, a cargo de alguns dos maiores nomes da atual música portuguesa, como é o caso de Carolina Deslandes, Moullinex, Da Chick, de HMB, Mishlawi e do coletivo luso-brasileiro Língua Franca (que se irá apresentar com Sara Tavares), dos Capitão Fausto e de Manel Cruz ou de Karetus, Blaya e Carlão. Este palco será também o local das famosas Pool Parties animadas ao som de DJ"s, e de festas que se prolongam noite fora. Depois dos concertos, como a edição especial Rock in Rio da Revenge of the 90"s, marcada para o dia 29, com a presença dos convidados especiais Haddaway, Crazy Town e Ena Pá 2000.

Novo palco principal

Nesta renovada edição do Rock in Rio, também o palco mundo, o principal do festival, se apresenta de cara lavada. "Conseguimos, pela primeira vez, construir um palco cem por cento português", sublinha Pedro Marques. A cenografia é agora formada por painéis côncavos e convexos, de chapa branca (anteriormente o palco era metálico), formando uma rede que "representa a interatividade entre artistas e público". O sistema de som foi também ele reforçado, com oito torres de delay que permitem o som chegar a mais áreas e com melhor qualidade. São 2500 metros quadrados de palco, com 80 metros de comprimento, 27 de altura, 500 mil watts de som e mais de 400 projetores. Quanto à música, começa aqui a ouvir-se às 18.00.

A 23 de junho, o primeiro a subir ao palco é o português Diogo Piçarra, que preparou "um espetáculo especial para esta ocasião, com alguns convidados", como o próprio revelou ao DN. Seguem-se depois as americanas Haim e os ingleses Bastille e Muse, que ostentam o estatuto de cabeças-de-cartaz desta primeira noite.

Para o segundo dia do festival, sábado, 23, o único até à data já esgotado, está reservado o nome mais forte da edição de 2018, o cantor americano Bruno Mars, que nos últimos anos se tem afirmado como mais bem-sucedidos artistas da história da pop, de regresso a Portugal pela terceira vez, depois de dois concertos em nome próprio no Pavilhão Atlântico. Antes, atuam ainda o português Agir, a brasileira Anitta e a americana Demi Lovato.

O segundo fim-de-semana de festival começa, a 29 de junho, com um dia dedicado a sonoridades mais rock e alternativas, com a presença dos britânicos James e The Chemical Brothers, dos portugueses Xutos e Pontapés (que nunca falharam uma edição do Rock in Rio) e dos americanos The Killers.

A despedida desta edição está marcada para 30 de junho e far-se-á ao som da inglesa Katy Perry, que encerra uma noite totalmente no feminino, na qual atuarão ainda a americana Hailee Steinfeld, a brasileira Ivete Sangalo (outra totalista do Rock in Rio) e a também britânica Jessie J.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Shakira confessa: "Duvidei que voltasse aos palcos"

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 11.06.18

A colombiana ultrapassou o problema de saúde nas cordas vocais e regressou aos concertos. Chega a Lisboa a 28 de junho

Depois de adiar a digressão El Dorado devido a problemas nas cordas vocais, Shakira finalmente voltou à estrada com um espectáculo onde recorda 20 anos de sucessos.

A cantora colombiana também vai passar por Lisboa, tendo concerto agendado para o Altice Arena a 28 de junho. Recorde-se que o nosso país era para dançar ao som dos êxitos da estrela latina no passado dia 22 de novembro, e que o cancelamento do evento deixou os fãs muito preocupados.

Aliás, ela própria confessou à BBC que ficou apreensiva com a situação.

"O ano passado foi um dos momentos mais difíceis de toda a minha vida", começou, remetendo para o problema das cordas vocais. "Foi mais do que uma hemorragia. Era como uma lesão vascular. Houve momentos em que duvidei de que alguma vez voltaria a estar à frente de uma multidão a cantar as minhas músicas."

Porém, as piores previsões não se concretizaram, e o problema de saúde da colombiana desapareceu... naturalmente.

À questão de como é que isso teria acontecido, a estrela latina é perentória:

"Rezei. Eu tinha-me esquecido de rezar durante um tempo, mas quando passamos por dificuldades, de repente recuperamos a fé. Eu prometi a Deus que se pudesse voltar a cantar, celebraria todas as noites - e é isso que estou a fazer."

O primeiro concerto da tournée El Dourado foi em Hamburgo, na Alemanha. Em palco, Shakira, 41 anos, não parecia ter estado parada, doente. Os êxitos foram cantados com a mesma intensidade e a coreografia mostrou que a artista está em plena forma fisíca. Os fãs aplaudiram e pediram mais.

"O relacionamento que construi com os meus fãs ao longo destes anos é muito mais profundo do que isso. Isso me faz sentir muito valorizada e amada e é por isso que estou a gostar muito deste novo capítulo da minha vida."

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Festival Y – festival de artes performativas tem, este mês, mais uma edição na Covilhã.

No dia 15 de junho, às 21h30, a Quarta Parede apresenta o programa completo do Festival Y#14 – festival de artes performativas, seguindo-se o concerto a solo da cantora e violoncelista Joana Guerra.

A apresentação/ espectáculo terá lugar no café-concerto do Teatro das Beiras.

Joana Guerra [voz, violoncelo e eletrónica]   

15.junho.2018 | 21h30

Covilhã > Teatro das Beiras | Café-Concerto 

Sinopse

Joana Guerra, cantora e violoncelista, com um percurso artístico interessante entre a improvisação e a composição.

Guerra consegue a união iluminada entre a canção e a eletro acústica que estabelece em ‘Cavalos Vapor’ – segundo disco a solo com edição da Revolve de Novembro 2016 – um tratado de encanto.

Canções impressionistas e experimentais, alinhadas pela hipnose do violoncelo, que se revelam em camadas de luz sobre as quais paira uma voz em chamamento onírico.

É das intérpretes mais transversais no universo lisboeta e com uma presença consistente, não só a solo, mas também no teatro, na dança ou na colaboração intensa com a cena de improvisação livre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Orquestra Gulbenkian vai tocar pela primeira vez atrás das grades

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 07.06.18

Pela primeira vez em 50 anos, a orquestra atua no dia 9 de junho num estabelecimento prisional, em Leiria, no âmbito da primeira apresentação pública da terceira edição do projeto "Ópera na prisão", que estreia Só Zerlina, ou Così Fan Tutte?

Na Tanoaria do Estabelecimento Prisional de Leiria, a orquestra toca, no sábado, com um elenco formado por reclusos e solistas profissionais. Um momento histórico que potencia as virtudes do projeto, sublinha o diretor artístico da Sociedade Artística Musical dos Pousos (SAMP), que coordena "Ópera na Prisão".

"É a primeira vez que a Orquestra Gulbenkian toca dentro de uma prisão, e, ao que sabemos, é a primeira vez que, em todo o mundo, uma orquestra com este nível profissional acompanha uma ópera dentro de uma prisão", afirma Paulo Lameiro, o diretor artístico da SAMP.

"Estamos a falar da mais prestigiada orquestra portuguesa. Ter a acompanhar esta ópera a Orquestra Gulbenkian elevou naturalmente todo o nível artístico da produção, pois solistas e reclusos, técnicos de luz e som, orquestradores e encenador, e todos os muitos profissionais que envolve qualquer produção de ópera, se deixaram contagiar pela responsabilidade desta prestigiada formação artística", explica o diretor artístico, admitindo que viagem da orquestra até Leiria implica "um esforço perfeitamente anómalo" à atividade normal.

Estreado pela SAMP em 2003, o projeto "Ópera na Prisão" funcionou durante três anos. Em 2014 regressou com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, integrado no programa Partis, que visa a integração social através das práticas artísticas.

No quinto ano desta nova fase, o foco de "Ópera na Prisão" incide sobre as famílias dos reclusos. Além dos 40 detidos envolvidos, também 60 familiares trabalham com a SAMP fora do contexto prisional.

Paulo Lameiro realça os resultados: "São visíveis e observáveis. Diria que o mais emblemático de todos é que, para esta vinda da Orquestra da Fundação Gulbenkian ao Estabelecimento Prisional de Leiria, teremos entre a equipa de técnicos profissionais um jovem que na edição anterior era um dos reclusos participantes".

Mas há mais: no público vão estar alguns jovens que também participaram na "Ópera da Prisão" em anos anteriores.

"Estando já em liberdade, quiseram mesmo entrar de novo na prisão que os cativou tantos anos, para aí ver e ouvir o que eles sabem bem: quanto suor custou a todos os participantes", frisa.

Para o diretor artístico, contudo, o efeito mais significativo "não é medível em nenhuma escala usada para classificar o impacto social destes projetos". E recorda o caso de outro recluso que fez parte do elenco da ópera anterior.

"Está hoje em liberdade, tem um emprego, uma mulher e um bebé de três meses, a quem acalma as cólicas da noite - para surpresa e estupefacção da mulher! - cantando-lhe as árias que aprendeu na prisão".

Intitulada "Pavilhão Mozart", a terceira edição contempla também a criação dentro do Estabelecimento Prisional de Leiria de "um centro de artes performativas cujo 'modus operandi' se pretende aberto à comunidade exterior para mostrar os trabalhos aí realizados pelos reclusos".

Segundo Paulo Lameiro, "depois de um longo processo", vão começar, entretanto, as obras numa das oficinas do Estabelecimento Prisional dedicado a jovens, para capacitar o espaço com meios de criação e apresentação artística.

"Vai mesmo nascer o Pavilhão Mozart. Em outubro iniciam-se três trimestres de criação com companhias de dança e teatro, já a funcionar no novo espaço, no qual a comunidade poderá depois ir assistir aos espetáculos que desse trabalho resultarem".

Após a estreia em Leiria, "Só Zerlina, ou Così Fan Tutte?" terá apresentação em Lisboa, no Grande Auditório Gulbenkian, nos dias 12 e 13 de julho, culminando o segundo ano da terceira edição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

António Zambujo e Miguel Araújo: os 28 coliseus chegam a disco.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 06.06.18

 

António Zambujo e Miguel Araújo - o disco duplo chega em junho

Em 2016, António Zambujo e Miguel Araújo protagonizaram uma aventura memorável, dando 28 concertos nos coliseus de Lisboa e Porto.

Agora, os melhores momentos desses espetáculos chegam às lojas, num disco duplo de título “28 Noites Ao Vivo nos Coliseus”.

O álbum é lançado a 8 de junho e inclui 32 temas, estando já disponível para pré-venda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Câmara Municipal de Castelo Branco e o Museu dos Têxteis de Cebolais de Cima organizam, em parceria com o IPCB e o Ensemble de Música Eletrónica, um concerto que se realiza no próximo dia 8, sexta-feira, às 21h30.

Este concerto está integrado num ciclo de concertos que o grupo está a realizar intitulado “Matéria Prima”.

O EME é uma formação constituída por alunos e docentes da licenciatura em Música Eletrónica e Produção Musical da Escola Superior de Artes Aplicadas, do Instituto Politécnico de Castelo Branco, que tem por objetivo a exploração de novas linguagens de criação musical com meios eletrónicos e eletroacústicos, recorrendo a vários tipos de recursos, em grande parte construídos ou programados pelos próprios alunos.

Este ciclo de concertos apresentam um conjunto de peças dedicadas à exploração composicional e sonora a partir da observação e estudo de diferentes materiais, bem como da sua utilização e desconstrução.
A direção artística/produção está a cargo de Rui Dias, a direção musical a cargo de Diogo Alvim, Rui Dias e José Alberto Gomes e a direção técnica a cargo de Luís Marques.

Já os compositores/performers são António Branco, Francisco Matos, Gonçalo Carneiro, Gonçalo Ferreira, Henrique Couto, Hugo Santos, João Soares, Luís Cardoso, Rita Moreira, Paulo Oliveira, Bruno Maceda; Carlos Monte; João Costa; José Assunção; Louis Wilkinson; Miguel Carvalho, Telmo Mendes, Júlia Miranda (contrabaixo), Vasco Fazendeiro (percussão).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Zemlinsky Quartet. 30 MAI, 21h30, CCC de Castelo Branco

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 28.05.18

Zemlinsky Quartet é um dos quartetos de corda de referência da escola da Europa Central, combinando extraordinárias qualidades tímbricas com refinadas qualidades técnicas e musicais. Desde que venceram o Grande Prémio no Bordeaux International String Quartet Competition, em 2010, nunca mais pararam a sua carreira internacional, com enorme reconhecimento da crítica e do público.

Entrada: €5,00

Autoria e outros dados (tags, etc)

Duo Rubrum. 27 MAI, 18h00, Museu de Arte Sacra.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 26.05.18

O Museu de Arte Sacra e o Conservatório de Música da Covilhã convidam-no(a) a assistir ao concerto do Duo Rubrum, composto pela  cantora Carolina Andrade e pelo guitarrista covilhanense Romeu Curto, ex-aluno do Conservatório de Música da Covilhã, que apresentam um repertório essencialmente ibérico, e farão a estreia de uma obra do compositor português Miguel Vasconcelos, no próximo dia 27 de Maio, pelas 18H00, no Museu de Arte Sacra.

Foto de Conservatório de Música Covilhã.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Conservatório de Música da Covilhã - Concerto de Obras Originais. 25 MAI.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 25.05.18

Foto de Conservatório de Música Covilhã.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festivais SBSR e Sudoeste anunciam palcos dedicado à música portuguesa

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 16.05.18

Resultado de imagem para sbsr 2018

Resultado de imagem para sudoeste 2018

Ermo, Luís Severo e Virtus, Bispo, Blaya e Eva RapDiva são nomes anunciados pelos festivais Super Bock Super Rock (SBSR), em Lisboa, e Sudoeste, na Zambujeira do Mar, para os palcos dedicados exclusivamente à música portuguesa.

Os Ermo, Luís Severo, Vaiapraia e as Rainhas do Baile e Virtus são alguns dos artistas e bandas que irão atuar no palco dedicado à música portuguesa do festival SBSR, que decorre nos dias 19, 20 e 21 de julho, no Parque das Nações, em Lisboa.

O cartaz do palco, com curadoria da rádio SBSR.fm, que foi hoje anunciado, inclui ainda Filipe Sambado & Os Acompanhantes de Luxo, Keep Razors Sharp, Pop Dell'Arte, Mirror People e Sunflowers.

"Já na 24.ª edição, o Festival dá espaço aos novos valores e a talentos reconhecidos da música portuguesa, que vão mostrar ao vivo o que de melhor se está a fazer na nova música em Portugal, dentro de estilos tão diversos como o rock, o 'hip-hop', o punk, a música eletrónica e psicadélica, e ainda os melhores escritores de canções", refere a promotora Música no Coração, num comunicado hoje divulgado.

O festival SBSR tem como cabeças de cartaz The XX (a 19), Travis Scott (a 20) e Julian Casablancas and The Voidz (21). No palco dedicado à música portuguesa atuam, no dia 19, Mirror People, Filipe Sambado & Os Acompanhantes e Vaiapraia, e as Rainhas do Baile, no dia 20, Ermo, Luís Severo e Virtus, e, no dia 21, Pop Dell'Arte, Keep Razors Sharp e Sunflowers. O cartaz do SBSR inclui ainda bandas e artistas do Justice, The Vaccines, Mahalia, Anderson.Paak & The Free Nationals, Slow J, Oddisee, Benjamin Clementine e Sevdaliza.

Quanto ao Sudoeste, que se realiza em agosto, na Zambujeira do Mar, Odemira, conta com artistas como Bispo, Blaya, Pappilon e Eva RapDiva, num palco dedicado aos "novos talentos" da música portuguesa e "promessas da língua lusa".

"O lugar de destaque dos novos talentos da música nacional e das promessas da língua lusa está garantido a cada edição do MEO Sudoeste. O Palco LG, este ano com curadoria da [rádio] Mega Hits, privilegia a novidade, a qualidade da nova música nacional e a diversidade de estilos, do 'hip-hop' à 'pop' e à 'soul'", refere a promotora Música no Coração num comunicado hoje divulgado. O festival decorre de 08 a 11 de agosto, na Herdade da Casa Branca, próximo da Zambujeira do Mar, no concelho de Odemira.

No dia 08, no palco dedicado aos "novos talentos" da música portuguesa e "promessas da língua lusa", atuam Blaya, Caroletta e os B3L2. Para dia 09, no mesmo palco, estão marcadas as atuações de Eva RapDiva, Papillon e os Rich Fellaz. A 10, atuam Bispo, MAR e DOMI e, a 11, Paulo Sousa, Ivo Lucas e YUZI.

O cartaz da edição deste ano do festival MEO Sudoeste inclui, entre outros, Deejay Telio, Lil Pump, Desiigner, Piruka, Shawn Mendes e Mundo Segundo & Sam The Kid.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Manoel de Oliveira - Uma Homenagem Musical

Inserido no MaioMusicall 2018, o Conservatório de Música da Covilhã apresenta Bruno Belthoise é um pianista de talentos múltiplos, que gosta da representação nas suas diversas formas. Apaixonado com a cultura Portuguesa, tem dado a conhecer a música de compositores portugueses através de recitais e numerosas primeiras gravações mundiais que acompanham a sua carreira de intérprete criativo.
Este concerto, Homenagem a Manoel de Oliveira, que viveu entre 1908 e 2015 e atravessou inúmeras correntes estéticas, visa recordar o grande cineasta através de uma perspetiva histórica e simbólica. As obras portuguesas e francesas deste recital estão assim inseridas em torno do seu filme Douro Faina Fluvial (1931) num contexto que celebra e revela, através da música, os aspetos da sua personalidade multiforme e a riqueza singular da sua obra.

"o meu desejo de acompanhar Douro Faina Fluvial vem do fascínio que senti pela modernidade e pelo incrível ritmo do seu primeiro filme. Quero fazer redescobrir em vivo esta obra prima do cineasta português." Bruno Belthoise

Serão interpretadas obras de LUIZ COSTA, CLAUDE DEBUSSY, BRUNO BELTHOISE, ALEXANDRE REY COLAÇO, FRANCIS POULENC e ARMANDO JOSÉ FERNANDES.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Beautify Junkyards no Teatro Clube de Alpedrinha. 5 MAI, 22:30.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 03.05.18

Foto de Teatro Clube de Alpedrinha.

O concerto de apresentação do mais recente álbum dos Beautify Junkyards acontece a 5 de Maio, pelas 22h30, no Teatro Clube de Alpedrinha. 

A banda lisboeta editou o seu terceiro álbum "The Invisible World of Beautify Junkyards", em inícios de Março deste ano, sucessor do primeiro álbum homónimo (2012) e do exótico e experimental The Beast Shouted Love(2015). 
Neste novo trabalho a maioria das músicas tiveram como raiz longas sessões de improviso, apostando em texturas mais atmosféricas. A influência da acid folk britânica e da tropicália brasileira estão diluídas com elementos da electrónica. Existe alguma indefinição no mundo invisível dos Beautify Junkyards. Não é estritamente perceptível se a banda quer ser folk ou electrónica (ou um misto de ambos) se quer cantar na sua língua materna ou no inglês da editora pela qual edita o seu novo álbum, a prestigiada editora britânica Ghost Box.
"The Invisible World of Beautify Junkyards" merece audição atenta, mais que não seja para apreciar a enorme beleza das pequenas contradições intencionais que encerra, um misto de maturidade e infantilidade, como se a mente deste coletivo se perdesse no mundo imaginário que ele mesmo criou.

Bilhetes: pré-venda Teatro Clube de Alpedrinha

Entradas: 5€ Sócios / 6€ Ñ-Sócios - Lotação Limitada!
Após o concerto, Dj Soulected pela noite dentro…
+info: teatroclubealpedrinha@gmail.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hoje será assim...

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 28.04.18

Foto de Bandafilarmonica Paul.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A pianista Elizabeth Sombart, que irá tocar a convite de Andrea Bocelli no Santuário de Fátima, no dia 13 de maio, irá dar um concerto solidário dias antes na prisão-escola de Leiria.

No âmbito da sua fundação Réssonance, a francesa Elizabeth Sombart toca concertos solidários em locais de sofrimento, como hospitais, lares, prisões, campo de refugiados ou zonas de conflito. Nesse sentido, aproveitando a sua vinda ao Santuário de Fátima, a convite de Andrea Bocelli, a pianista irá dar um concerto no Estabelecimento Prisional de Leiria, conhecido por prisão-escola, no dia 11 de maio, pelas 15:00.

"Será como uma aula. A pianista fará uma viagem à música desde Bach até Choupin. Ela tocará uma peça de cada compositor. Será um concerto pedagógico", explicou à agência Lusa o responsável pela programação dos concertos na Suíça, Mário Duro.

Um dia antes, a 10 de maio, Elizabeth Sombart irá dar um concerto no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, às 21:00, cuja receita irá reverter a favor dos escuteiros da região de Leiria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

AMDF - Festival “Aqui há Música”. 27 ABR a 27 MAI.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 24.04.18

Festival “Aqui há Música” visita cinco freguesias de Penamacor 

Os músicos da AMDF vão atuar em cinco freguesias de Penamacor, entre 29 de abril e 27 de maio. O Festival “Aqui há música” resulta de uma parceria entre aquela instituição e a Câmara Municipal

Penamacor recebe, entre 29 de abril e 27 de maio, o Festival “Aqui há música”, que visitará cinco freguesias do concelho, com um concerto em cada uma delas.

Esta iniciativa surge no âmbito de uma parceria entre a Câmara Municipal de Penamacor e a Academia de Música e Dança do Fundão (AMDF), que visa não só o ensino da música, mas também a sua difusão no espaço concelhio.

O festival tem início a 29 de abril, pelas 17:00, na Igreja Matriz de Penamacor.

O espetáculo estará a cargo da Orquestra de Cordas e do Coro Misto e Solistas da AMDF, que interpretarão um novo programa com base no Stabat Mater de Giovanni Battista Pergolesi e peças de Johann Sebastian Bach e Antonio Vivaldi.

Já no dia 6 de maio, o Quarteto de Saxofones atua em Vale da Senhora da Póvoa, no salão da Junta de Freguesia, pelas 15:00, e na Meimoa, no Museu Dr. Mário Bento, pelas 17:00.

Por fim, no dia 27 de maio, será a vez da Orquestra de Sopro visitar Águas, atuando no salão da Junta de Freguesia, pelas 15:00, e a Benquerença, com um concerto na Casa do Povo, pelas 17:00.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rui Veloso em Guarda. 25 ABR, 21h30, TMG

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 20.04.18

Foto de Rui Veloso Oficial.

Ao longo dos anos é sempre um desafio corresponder às expectativas que o público tem de um músico com o reconhecimento do Rui Veloso. A ideia de fazer uma tour exclusivamente nacional é um sonho que acompanha o Rui Veloso há muito tempo.
2018 será a concretização dessa ideia.
O artista apresenta-se no Teatro Municipal da Guarda acompanhado dos seus músicos para um concerto acústico e intimista em que os temas, tão conhecidos de todos, vestem uma nova roupagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Banda da Armada em Vila Velha de Ródão. 21 ABR.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 18.04.18

 

 

A Banda da Armada da Marinha Portuguesa vai dar um concerto na Casa de Artes e Cultura do Tejo, em Vila Velha de Ródão, no dia 21 de abril, pelas 17h00.

Composta atualmente por 113 músicos, muitos dos quais com formação superior e com uma média etária de 33 anos, a Banda da Armada realiza, por ano, mais de 90 concertos sinfónicos no país e no estrangeiro, tendo as suas atuações ao vivo grande visibilidade a nível nacional e internacional.

O concerto que se realiza na Casa de Artes e Cultura do Tejo tem início às 17h00 e as entradas são gratuitas, sendo necessária reserva prévia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto de Sons à Sexta.

Em parceria com a Antena 3, o SONS À SEXTA apresenta bandas em destaque no atual panorama musical português. Com uma programação diversificada e para todos os gostos, pretende-se a divulgação, o convívio entre o público e a celebração da música!
Na edição de Abril, o Sons à Sexta associa-se à promotora Bullet Seed na iniciativa - Circuito Semente em digressão com as bandas: The Lazy Faithful, CAN CUN e os Galo Cant'Às Duas.
Este circuito ao longo de 6 dias em 6 cidades divulgarà o que de melhor se tem feito a nível da música em Portugal, criando um circuito para o crescente número de público criando novas rotinas de consumo cultural em públicos mais afastados, nunca esquecendo os grandes centros urbanos.

Para este circuito a ideia foi contar com um valor firme no panorama musical português, os The Lazy Faithful que recentemente regressaram de uma tourné europeia e recentemente lançaram o single "Baby Don't You Know" e dois valores emergentes, mas igualmente de elevada qualidade que são os CAN CUN e Galo Cant'Às Duas. Estes três projetos são uma boa amostra de uma nova era de ouro da música portuguesa que se encontra em período de expansão na sua qualidade, quantidade e diversidade.

Outro dos pontos fortes do Circuito Semente é que irá para além da música. Jà que serão realizados workshops, onde os artistas abordarão o processo criativo na construção de textos e de mùsicas, aproximando não só as bandas dos fãs mas também incrementando o interesse e a criação de nova música portuguesa.

Bilheteira:
A Moagem - Cidade do Engenho e das Artes, Fundão.
+Inf. 96 194 12 81 - 275 773 032

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festas do Concelho de Belmonte. 20 a 26 ABR.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 13.04.18

Foto de Rádio Caria.

De 20 a 26 de Abril celebram-se em Belmonte as Festas do Concelho, onde a música será o prato forte. Santamaria, Amor Electro, João Seabra e Sons do Minho são alguns dos artistas convidados.

O programa foi apresentado numa conferência de imprensa em que ficaram também a ser conhecidos o programa da Semana do Brasil (16 a 20 de Abril) e do 29º Colóquio da Lusofonia (27 a 30 Março) que, pelo segundo ano consecutivo, vai decorrer em Belmonte.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!

.

Telemóvel:

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *

.

Morada:

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã

.

Endereço eletrónico:

filarmonicacortense@iol.pt


Maestro: Fábio Daniel Esteves Pereira

Fábio Daniel Esteves Pereira nasceu a 28 de maio de 1986. É natural de Unhais da Serra mas cedo veio morar para a freguesia de Cortes do Meio.

Iniciou os estudos de formação musical e instrumento em 1997 na Filarmónica Recreativa Cortense como saxofonista com o maestro António Pão-Alvo.

Em 2000, sob a tutela do Pe. José António Loureiro Pinheiro toma parte da direcção artística do grupo Chama de Deus.

Em 2003 foi seleccionado para a Orquestra de Jazz do Centro, um masterclass jazzístico leccionado por Paulo Perfeito.

No âmbito do projecto Covilhã Filarmónico teve diversos estágios com professores de academia e conservatórios locais.

Em 2010 inicia os estudos em direcção de orquestra de sopros no CEDOS (Centro de estudos de direcção de orquestra de sopros) com os professores Luís Clemente em direcção e análise musical, Carlos Amarelinho em orquestração e Paulo Ramos em formação musical e auditiva.

Conclui o curso médio com 16 valores. Durante o curso médio trabalhou com as bandas da Covilhã, Ponte do Rol, Belinho, Cabreiros, Mafra, Banda Sinfônica da Covilhã.

No mesmo período lectivo obteve o primeiro prémio no concurso de direcção do ENOS ( Estágio Nacional de Orquesta de Sopros) Esposende.

Em 2013 iniciou os estudos em direcção de orquestra na academia de direcção da ACO ( Atlantic Coast Orchestra) com os professores Luís Clemente e Colin Metters em direcção de orquestra, José Fayos Jordan e Roberto Fiore em orquestração, Paulo Maciel e Jaime Branco em formação musical e auditiva. No mesmo ano começou a trabalhar na escola de música da Filarmónica Recreativa Cortense.

Dirigiu ensemble da ACO, orquestra sinfonica da ACO, Banda Nova de Manteigas e orquestra de sopros do ENOS Portel, EPABI e Escola Profissional de Seia.

Finalizou o curso superior da academia de direcção da ACO com 17 valores.

Em 2017 tomou posse da direcção artística e musical da Filarmónica Recreativa Cortense e deu início ao processo de equivalência de licenciatura na ABRSM (Associeted Board of the Royal Schools of Music).


Corpos Socias - triénio 2017/2019

Assembleia Geral:

Presidente: Marco Alves;

Vice Presidente: Joana Santos;

Secretário: Aline Miguens;

.

Conselho Fiscal:

Presidente: Bernardino Santos;

Vice Presidente: João Pedro Faisca;

Relator: Gabriel Vila;

.

Direcção:

Presidente: Alexandre Barata;

Vice Presidente: Adriano Esteves;

1º Secretário: Mafalda Santos;

2º Secretário: Flavio Inácio;

Tesoureiro: Francisco Pina;

Vogal: Leticia Vila;

Vogal: Steve Vila;

Vogal: Alexandre Barata;

Vogal: José Silva;



Mapa de actuações:

25-11-2017 - Encontro Filarmónico no Paúl;

.

17-12-2017 - Concerto de Natal na Igreja Paroquial de Cortes do Meio