Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Quatro dias "muito intensos" no Rock in Rio

Roberta Medina garante que a próxima edição do festival Rock in Rio em Lisboa vai voltar a ser muito intensa. A organização apresentou o espaço, já na fase dos últimos preparativos.

É como "parque temático da música e entretenimento" que a vice-presidente executiva do Rock in Rio, Roberta Medina, apresentou a edição deste ano do festival, prometendo quatro dias "muito intensos", a quem nos dois próximos fins-de-semana se deslocar ao Parque da Bela Vista, por estes dias ainda transformado num imenso estaleiro. Aos poucos, porém, tudo começa a ganhar forma, como o DN teve ocasião de comprovar, numa vista guiada ao recinto, que este ano conta com bastantes novidades.

"Quisemos fazer tudo de novo, criando vários espaços de raiz, para conseguir continuar a surpreender o público, tanto a quem vem pela primeira vez como àqueles que nunca falharam uma edição", afirma Pedro Marques, o coordenador de operações do Rock in Rio, enquanto nos mostra o novo Pop District, uma enorme área dedicada à cultura popular, que é uma das grandes novidades deste ano, onde a todo o momento o público pode ser surpreendido por espetáculos de dança com sósias de cantores, atores e personagens de filmes e videojogos.

O Pop District contará com um espaço dedicado ao cinema, onde ocorrerão várias performances e encontros e de atores com o público, com uma arena de gamming - "uma novidade em festivais de música", como realçou Roberta Medina - onde se disputarão várias finais de campeonatos de jogos de vídeo, e com um palco, o Super Bock Digital Stage, com início logo às 12.30 e que promete ser um dos locais mais concorridos do recinto.

A programação deste palco, conforme explicou Roberta Medina, "contará com um pouco de tudo" e será composta por cerca de uma centena de "influenciadores", como foram apresentados por esta responsável, que saltam diretamente da internet para o Rock in Rio. É o caso da bloguer Bumba na Fofinha, do mágico Windoh, do youtuber D4rkframe ou do quarteto Cavalinho da Chuva, composto por Rui Unas, César Mourão, Salvador Martinha e Frederico Pombares.

Ao todo, serão 36 horas de entretenimento puro e duro, durante os quatro dias de festival, promovendo uma interação direta entre o público e os seus "ídolos digitais", muitos deles a deixar os ecrãs para se apresentarem ao vivo pela primeira vez.

Para melhor organizar a circulação do público, a organização do Rock in Rio preparou este ano três rotas temáticas: a rota das selfies, a rota dos brindes (um dos clássicos desde festival) e a rota da gastronomia, que este ano terá uma das suas paragens obrigatórias no novo Time Out Market, composto por 14 bancas de comes e bebes, com a presença garantida de cinco chefes galardoados com estrelas Michelin.

Entre as inúmeras atrações extramusicais do festival, nas quais se mantêm clássicos como o Roda Gigante ou o slide, há ainda que destacar uma réplica, em tamanho real, da TIE Advanced X1, uma das mais famosas naves da saga Guerra das Estrelas, que irá aterrar no Parque da Bela Vista, e um Dino Parque com dez réplicas de dinossauros em tamanho real, onde os mais novos se podem divertir a escavar o esqueleto de um destes animais pré-históricos.

Música para todos os gostos

No meio de tanta animação, é caso para dizer que, o mais difícil é mesmo conseguir arranjar tempo para assistir aos concertos. Serão três os palcos onde o público pode assistir a espetáculos musicais. Uma das principais novidades é o palco instalado na EDP Rock Street, que este ano terá uma programação exclusivamente dedicada à música africana e por onde passarão nomes como o angolano Bonga e os guineenses Tabanka Djaz e Kimi Djabaté (a 23), os cabo-verdianos Ferro Gaita, o luso-cabo-verdiano Karlon e o rapper belga de origem congolesa Baloji (a 24), os angolanos Nástio Mosquito e Jack Nkanga e o músico da Guiné Conacri Moh Kouyaté (a 29) e finalmente a moçambicana Selma Uamusse, o coletivo sul-africano Batuk e o angolano Paulo Flores (a 30).

Com cerca de 450 metros quadrados e 160 módulos de LED, o Music Valley é outro dos novos palcos da Cidade do Rock e contará com 14 horas de música por dia, a cargo de alguns dos maiores nomes da atual música portuguesa, como é o caso de Carolina Deslandes, Moullinex, Da Chick, de HMB, Mishlawi e do coletivo luso-brasileiro Língua Franca (que se irá apresentar com Sara Tavares), dos Capitão Fausto e de Manel Cruz ou de Karetus, Blaya e Carlão. Este palco será também o local das famosas Pool Parties animadas ao som de DJ"s, e de festas que se prolongam noite fora. Depois dos concertos, como a edição especial Rock in Rio da Revenge of the 90"s, marcada para o dia 29, com a presença dos convidados especiais Haddaway, Crazy Town e Ena Pá 2000.

Novo palco principal

Nesta renovada edição do Rock in Rio, também o palco mundo, o principal do festival, se apresenta de cara lavada. "Conseguimos, pela primeira vez, construir um palco cem por cento português", sublinha Pedro Marques. A cenografia é agora formada por painéis côncavos e convexos, de chapa branca (anteriormente o palco era metálico), formando uma rede que "representa a interatividade entre artistas e público". O sistema de som foi também ele reforçado, com oito torres de delay que permitem o som chegar a mais áreas e com melhor qualidade. São 2500 metros quadrados de palco, com 80 metros de comprimento, 27 de altura, 500 mil watts de som e mais de 400 projetores. Quanto à música, começa aqui a ouvir-se às 18.00.

A 23 de junho, o primeiro a subir ao palco é o português Diogo Piçarra, que preparou "um espetáculo especial para esta ocasião, com alguns convidados", como o próprio revelou ao DN. Seguem-se depois as americanas Haim e os ingleses Bastille e Muse, que ostentam o estatuto de cabeças-de-cartaz desta primeira noite.

Para o segundo dia do festival, sábado, 23, o único até à data já esgotado, está reservado o nome mais forte da edição de 2018, o cantor americano Bruno Mars, que nos últimos anos se tem afirmado como mais bem-sucedidos artistas da história da pop, de regresso a Portugal pela terceira vez, depois de dois concertos em nome próprio no Pavilhão Atlântico. Antes, atuam ainda o português Agir, a brasileira Anitta e a americana Demi Lovato.

O segundo fim-de-semana de festival começa, a 29 de junho, com um dia dedicado a sonoridades mais rock e alternativas, com a presença dos britânicos James e The Chemical Brothers, dos portugueses Xutos e Pontapés (que nunca falharam uma edição do Rock in Rio) e dos americanos The Killers.

A despedida desta edição está marcada para 30 de junho e far-se-á ao som da inglesa Katy Perry, que encerra uma noite totalmente no feminino, na qual atuarão ainda a americana Hailee Steinfeld, a brasileira Ivete Sangalo (outra totalista do Rock in Rio) e a também britânica Jessie J.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.