Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Madonna mostra porque é a rainha da pop

Encenação poderosa e uma artista em grande forma: cantou e dançou durante duas horas e quinze minutos. Tem 57 anos e parece melhor que nunca.

Um concerto monstruoso em Los Angeles que teve como convidada especial Katy Perry. Estivemos lá

"Uau, cheguei ao topo", exclamou Madonna, vestida à anos 20 com um chapéu preto na cabeça, em cima de uma estrutura redonda com os bailarinos ajoelhados a seus pés. "Deixem-me dizer-vos uma coisa, estar no topo é solitário", confidenciou, perante uma audiência expectante no The Forum, em Los Angeles. "Mas não está a abarrotar!", disse numa gargalhada, partindo para a finalização de Music, que tinha começado com um arranjo de jazz. A Material Girl original mostrou neste concerto monstruoso, que durou duas horas e um quarto, porque é que lá no topo não está a abarrotar de gente: até ver ainda não apareceu ninguém que lhe chegue aos pés.

Aos 57 anos, Madonna continua a ser a rainha da pop e das tours mundiais - esta é a décima - com uma excelência de produção que faz lembrar o Cirque du Soleil. Quem já viu o Ka irá reconhecer o estilo de palco que se separa, eleva e fica quase na vertical, mostrando imagens à superfície. Há três ecrãs gigantes, com vídeos e imagens integradas na produção quase teatral, que são fruto da parceria entre a artista e a empresa de multimédia canadiana Moment Factory (que também trabalha com o Cirque). Depois, o palco estende-se numa passadeira gigante, provavelmente a maior que Madonna alguma vez utilizou, que começa em formato de cruz e termina em coração.

"Vocês provavelmente estão cansados do meu cliché estúpido", disse antes de tocar o tema-título do 13º álbum de estúdio e da tour, Rebel Heart. "Mas tenho a certeza que diz algo a muitos de vocês. A qualquer um que escolheu o caminho menos trilhado, esse momento fantástico de descoberta quando encontramos a nossa tribo", continuou, guitarra acústica nas mãos. "Quando encontramos pessoas que pensam e sentem como nós, quando não nos sentimos sozinhos no mundo. E ainda assim, não julgamos os que são diferentes de nós." Esse é o aspeto mais importante de "ser um coração rebelde." Além de pedir tolerância e agradecer aos fãs pelo apoio nos bons e maus momentos, fez uma brincadeira sobre os dois casamentos falhados (Sean Penn e Guy Ritchie), mas disse que continuava a acreditar no amor.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.