Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Lusodescendente (filho de Cortense) quer criar escola de pilotos de drones em Cortes do Meio.

Covilhã: Lusodescendente quer criar escola de pilotos de drones

 

Os drones permitem fotografar e realizar voos com grande precisão

A Freguesia de Cortes do Meio, no concelho da Covilhã, é hoje palco de um voo técnico com equipamentos drone – pequenos aviões não tripulados –, destinado a testar a eficácia destas máquinas em operações de vigilância florestal. O teste decorre no âmbito das ações de preservação ambiental e minimização de riscos de incêndio e é promovido pelo Baldio da localidade e o gabinete florestal da Câmara da Covilhã, em colaboração com a empresa belga Skycine. A iniciativa que irá decorrer no Centro de Meio Aéreos no Parque Florestal Alto da Cerca vai avaliar uma tecnologia que permite fotografar e realizar voos com grande precisão, “tendo especial importância no sector florestal”, segundo os organizadores. Participa em tempo real em ações de vigilância, contribuindo para minimizar os riscos de incêndio. “Além desta função, este meio aéreo cobre e monitoriza grandes superfícies, fornecendo informação base para a produção de cartografia, de alteração de uso de solo, elaboração de mapas 3D, topografia e análise da vegetação”, ainda segundo a mesma fonte. A Skycine é propriedade de Rudy Mendes, chefe piloto e proprietário da empresa Skycine Production, que opera em França e no Canada e com ligações familiares à localidade de Cortes do Meio. À Agência Lusa, o responsável manifestou a intenção de criar na freguesia uma escola de pilotos de drones. O objetivo passa por formar técnicos que comecem a operar assim que entrar em vigor a diretiva europeia que obriga a que os equipamentos sejam operados por profissionais.“Nessa altura, já poderemos ter tudo preparado para que os drones sejam utilizados por pessoas de cá, caso se opte por esta solução”, disse à Lusa, em declarações difundidas pelo Diário de Notícias. A escolha da localidade covilhanense está relacionada com os incêndios que devastaram parte da Serra da Estrela, no último verão. “Os meus pais são de Cortes do Meio e conheço a terra. No ano passado, os incêndios que se registaram na região fizeram-me pensar que era importante trabalhar aqui", referiu ainda.