Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Idanha-a-Nova já está nas Cidades da Música da UNESCO

Idanha-a-Nova já está nas Cidades da Música da UNESCO

Idanha-a-Nova foi esta 6ª-feira,oficialmente aceite no grupo de Cidades da Música da UNESCO, no âmbito da rede de Cidades Criativas.

O anúncio foi feito em Paris e confirmado pelo presidente da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto.

A Autarquia preparou durante um ano e meio a candidatura, que teve o envolvimento de diversos intervenientes nacionais e internacionais.

Entre as entidades que apoiam esta candidatura encontra-se o Governo português, a Associação Portuguesa de Educação Musical, o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual, a Comissão Portuguesa da UNESCO e várias cidades que já têm o título de Cidade da Música, com destaque para Mannheim, Bolonha, Sevilha e Hamamatsu.

O objetivo desta rede de cidades é promover o desenvolvimento social, económico e cultural destas comunidades, tendo por base as indústrias criativas.

A vila de Óbidos foi também considerada uma das novas "cidades da literatura", no âmbito das cidades criativas da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Armindo Jacinto, disse à agência Lusa que a classificação da vila como Cidade da Música da UNESCO vai trazer "muito desenvolvimento" para o concelho.

"Passamos a ser uma das cidades da música da UNESCO, no âmbito da rede de cidades criativas, o que vai trazer muito desenvolvimento para o concelho", afirmou o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto.

O autarca entende que o investimento que tem sido feito ao nível do setor cultural neste concelho do distrito de Castelo Branco "é também uma aposta na economia e no desenvolvimento" de Idanha-a-Nova.

"Sentimo-nos muito honrados com esta decisão. Este é o reconhecimento da cultura de Idanha-a-Nova e do investimento que temos feito nesta área", adiantou.

Armindo Jacinto disse ainda que este desfecho "vem confirmar que apresentamos uma candidatura com argumentos muito fortes, mesmo sendo Idanha-a-Nova uma vila e não uma cidade", concluiu.

A riqueza patrimonial do concelho, onde a herança cultural associada à música assume rara expressão, fundamentou a candidatura da vila a Cidade da Música, no âmbito da rede de Cidades Criativas da UNESCO, após um vasto trabalho de inventariação, preservação e divulgação da identidade musical e cultural de Idanha-a-Nova, das suas características etnográficas e etnológicas.

O adufe, o maior representante da riqueza e da tradição musical de Idanha-a-Nova, inspirou o símbolo desta candidatura portuguesa a Cidade da Música da UNESCO.

A Câmara de Idanha-a-Nova preparou durante um ano e meio a candidatura, que teve o envolvimento de diversos intervenientes nacionais e internacionais.

Entre as entidades que apoiaram esta candidatura encontra-se o Governo português, a Associação Portuguesa de Educação Musical, o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual, a Comissão Portuguesa da UNESCO e várias cidades que já têm o título de Cidade da Música, com destaque para Mannheim, na Alemanha, Bolonha, em Itália, Sevilha, em Espanha, e Hamamatsu, no Japão.

O objetivo desta rede de cidades é promover o desenvolvimento social, económico e cultural das respetivas comunidades, tendo por base as indústrias criativas.

A UNESCO atribuiu também hoje o estatuto de "Cidade da Literatura" a Óbidos, no distrito de Leiria.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.