Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Castelo Branco com “Noites Azuladas no Cargaleiro” este fim-de-semana

   

Castelo Branco recebe sábado as “Noites Azuladas no Cargaleiro” com NOA e Marta Hugon. Na véspera, dia 29, e ainda no âmbito desta iniciativa, será a vez de Miguel Amado Group e Joana Machado.

Com música, assiste-se ao regresso das “Noites Azuladas no Cargaleiro”, uma iniciativa que permite assistir a quatro concertos de Jazz com entrada gratuita, na zona histórica da cidade.

Este ano as Noites Azuladas serão sob o signo da voz, com duas das melhores cantoras de Jazz da atualidade, Joana Machado e Marta Hugon. Completam a programação o Miguel Amado Group e NOA, duas excecionais formações, constituídos por alguns dos melhores instrumentistas.  Os espetáculos serão esta sexta-feira e este sábado, no Anfiteatro do Museu Cargaleiro – Praça Académica, sempre às 21.45 horas e 22.45 horas. A entrada é gratuita.

NOITES AZULADAS no CARGALEIRO – Sexta-feira

A Câmara Municipal de Castelo Branco volta a organizar as Noites Azuladas no Cargaleiro, uma iniciativa que permite assistir a 4 concertos de Jazz com entrada gratuita, na zona histórica da cidade.

Este ano as Noites Azuladas serão sob o signo da voz, com duas das melhores cantoras de Jazz da actualidade, Joana Machado e Marta Hugon. Completam a programação o Miguel Amado Group e NOA, duas excepcionais formações, constituídos por alguns dos melhores instrumentistas.

MIGUEL AMADO GROUP “THE LONG REST” é o quarto disco em nome próprio do baixista, contrabaixista e compositor Miguel Amado, depois de “Mensagens de Fumo” (2004), “This is Home” (2010) e “Story to be Told” (2013). É um disco onde conta com a participação de companheiros habituais como Vicky (bateria) e Ruben Alves (piano). O quinteto base é completado por Desidério Lázaro (saxofones) e Ricardo Pinheiro (guitarra).

Haverá várias participações especiais de outros músicos, entre as quais Lúcia Moniz e Paulo Ramos, o que permite enriquecer o espectro a nível de arranjos e dinâmica, sendo de destacar a colaboração de Lúcia Moniz. Dentro da área do jazz e música improvisada Miguel Amado já colaborou, em palco ou em estúdio em projectos como, Kolme, Spill, Ficções, Underpressure, Septeto do Hot Clube, LUME, Brutus, entre vários outros.

Em outras áreas musicais as suas colaborações incluem nomes como Fausto, João Gil, Janita Salomé, André Sardet, Lúcia Moniz ou Nuno Guerreiro, entre muitos outros. Desenvolve também actividade como docente. Leccionou na escola de Jazz do Hot Clube de Portugal, na licenciatura de Jazz da Universidade Lusíada, no mestrado em Jazz da Universidade de Aveiro.

Presentemente é professor na escola de musica Musicentro. MIGUEL AMADO – Baixo, composição DESIDÉRIO LÁZARO – Saxofones RICARDO PINHEIRO – Guitarra ÓSCAR GRAÇA – Teclados CARLOS MIGUEL – Bateria JOANA MACHADO "Joana Machado está de regresso. "Baby Let's Get Close" é o novo single de uma das mais originais e sofisticadas cantoras e compositoras que Portugal viu nascer na última década.

Com quatro álbuns editados - e quando se prepara para lançar um novo trabalho ainda este ano - Joana Machado desvenda uma canção onde continua a fazer do jazz o playground perfeito para nele jogar todas as suas influências, que vão da soul ao rock n'roll, levando-a a continuar a construir uma sonoridade única, difícil de catalogar.

E é nesse território em que os géneros se aproximam que Joana Machado pretende definitivamente dar azo ao seu talento e versatilidade.” Cláudia Duarte

NOITES AZULADAS no CARGALEIRO – Sábado NOA

NOA é um trio formado por Nuno Costa na guitarra, Óscar Graça nos teclados e André Sousa Machado na bateria. Juntam-se num projecto que explora diferentes dimensões e ambientes musicais, privilegiando a interacção.

Com o jazz e a música improvisada como pano de fundo, o seu repertório inclui temas originais e arranjos de canções do universo musical popular nacional e internacional. Fruto da sua experiência e cumplicidade, são ainda comuns nos concertos, momentos de improvisação livre onde é evidenciada a partilha e um dialecto comum entre os músicos.

Com uma sonoridade elegante, personalidade musical bem vincada e melodias bem delineadas, este projecto procura assim estabelecer uma estética de fusão entre a contemporaneidade da música cosmopolita e a tradição da música improvisada com origem no jazz.’

MARTA HUGON Marta Hugon – Bittersweet Este é o concerto de apresentação do novo disco de originais de Marta Hugon. Bittersweet é um disco de emoções, sólido na interpretação, na composição e nos arranjos, onde pressentimos desde o início a dualidade que marca o repertório e que lhe deu nome.

É na individualidade da escrita das canções – em parceria com Filipe Melo - e na elegância e riqueza dos seus detalhes que nos vamos deixando seduzir. Acompanhada por músicos de créditos reconhecidos, Marta Hugon leva-nos num passeio estilístico de charme mas cheio de substância, onde espreitam por vezes as origens jazzísticas da cantora.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.