Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

27-01-1859 - 160 anos da Freguesia de Cortes do Meio

E hoje cumprem-se 160 anos da Freguesia de Cortes do Meio.

A Filarmónica associa-se às comemorações desta data, e pelas 11:30 interpretará o Hino Nacional no hastear da Bandeira.

160 anos.jpg

 

"Sob a inicial tutela da freguesia do Tortosendo, em 1837 “interesses pessoais não identificados” quiseram vê-la sob o domínio de Unhais da Serra. Efectivamente, após esta data e à revelia da população em geral, Cortes passou a considerar-se uma anexa de Unhais. No entanto, o Administrador do Concelho percebeu o descontentamento em integrar tal freguesia e, por conseguinte, leva, a 4 de Dezembro de 1845, esse caso a Concelho de Distrito de forma a conseguir o retorno à situação anteriormente verificada. Aprovada a decisão de integrar a paróquia de Tortosendo e aliviados os ânimos, viveram todos os Cortenses até 27 de Janeiro de 1859, data em que, contra o parecer da Câmara, o Concelho de Distrito, autorizou, por alvará, a criação da freguesia das Cortes.

 

Desta forma, são 160 os anos em que Cortes do Meio passou a ser uma Freguesia.

 

A freguesia integra, hoje, quatro aldeias, para além da que lhe dá nome, estes lugares são as anexas de Bouça, Cortes de Baixo, Ourondinho e Penhas da Saúde, aldeias que faziam parte de outras paróquias.

 

O orago de Cortes do Meio é S. Roque, ainda que a festa religiosa mais esperada durante o ano seja a festa de Nossa Senhora do Carmo, cuja capela foi edificada em 1958. Da etnografia local fica o abastecimento de leite, cabritos, carvão e carqueja à cidade da Covilhã. Os pobres vendedores ambulantes subiam descalços a íngreme encosta da Estrela de modo a conseguir o sustento para as suas famílias. Eram tempos difíceis, em que a riqueza era um bem que poucos usufruíam.

 

Hoje em dia, as condições de vida dos residentes em Cortes do Meio estão longe daquela triste realidade. Apesar de ainda se viver da pastorícia e da agricultura, são muitos os habitantes que complementam estas actividades com empregos que garantam a manutenção das suas vidas, ocupações livres de vicissitudes climáticas, mas sujeitas a outros tipos de inconvenientes."

 

In "http://www.freguesiacortesdomeio.pt/"