Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

3º Concurso de Bandas - 16 bandas sobem ao palco em Belmonte

 

 

Foto de Rádio Caria.

O Auditório da Santa Casa da Misericórdia de Belmonte recebe a partir de hoje e até domingo, a 3ª edição do Concurso de Bandas “À Descoberta de Novos Talentos”.

Um concurso que conta este ano com a participação de 16 bandas inscritas (uma desistiu), um aumento significativo em comparação com a última edição. "Dar oportunidade a novos talentos da música na região" é um dos principais objectivos deste concurso promovido pelo terceiro ano consecutivo pela Câmara de Belmonte.

O vencedor do concurso actuará nas Festas do Concelho de Belmonte 2018 e receberá um prémio monetário no valor de 500 euros. As festas do concelho de Belmonte vão decorrer entre 20 e 26 de Abril. Para já, sabe-se que a banda “Amor Electro” actuará no dia 21.

O programa de actuações da 3ª edição do Concurso de Bandas “À Descoberta de Novos Talentos” é o seguinte:

Sexta-feira 16 Fevereiro – 21h00 –
Os Trovadores da Beira
Kit
White Wolves
Zé Ninguém
Gary Yamamoto e Saci Pererê

Sábado 17 Fevereiro – 21h00 –
Johnny Dead Radio
Coverkill
Fenix Band
ADN
Ponto 4
Ice Beam and the Blizzard

Domingo 18 Fevereiro – 15h00 –
Tânia Dias
Boa Onda
Nuno Marinho
Sal
Vicellé

"Sons à Sexta" com Valter Lobo. 16 FEV, 22h30, A Moagem.

Foto de Sons à Sexta.

Em parceria com a Antena 3, o SONS À SEXTA apresenta as bandas em destaque no atual panorama musical português. Com uma programação diversificada e para todos os gostos, pretende-se a divulgação, o convívio entre o público e a celebração da música!

Próximos em palco:
VALTER LOBO

Valter Lobo é um "cantautor" e advogado nortenho que se deu a conhecer apresentando ao mundo um conjunto de cinco canções que perfizeram o “Inverno Ep” em 2012, trabalho muito bem recebido pelos media e público da nova música portuguesa. Em 2016 apresentou-nos o seu primeiro álbum, uma viagem para o “Mediterrâneo”, onde faz uma reaproximação ao calor humano e ao mar, despido de materialismos e procurando sobreviver com os bens essenci...ais... São nove temas originais compilados num trabalho conceptual e demasiado genuíno.
Deste novo trabalho, a Antena 3 já apostou em três temas: “Fora do Coração”; “Oeste” e “Mediterrâneo” que têm passado com regularidade.
Os concertos são de grande intimidade com o público tal como as canções que, com o português em punho, nos trazem uma sonoridade intensa armada de uma componente lírica muito rica que lhe são próprias e que o sugerem como um artista genuíno e um nome a seguir quando nos referimos aos novos grandes valores da música portuguesa.

Dia 16 de Fevereiro pelas 22h30m o Sons à Sexta promete provar que as notas e letras da música portuguesa estão de boa saúde com Valter Lobo no palco d´A Moagem.

Bilheteira:
A Moagem - Cidade do Engenho e das Artes, Fundão.
+Inf. 96 194 12 81 - 275 773 032

 

Banda da Covilhã apresenta concerto de Carnaval com “A Máscara do Zorro”

Banda da Covilhã apresenta concerto de Carnaval com “A Máscara do Zorro”

A Banda da Covilhã soba direcção musical do maestro Carlos Almeida apresenta mais um concerto desta vez com o título “A Máscara de Zorro”.

O concerto terá lugar, pelas 16:30 de terça-feira de Carnaval, dia 13 de Fevereiro na tenda gigante atrás da câmara com entrada livre.

O programa será preenchido com música ligeira, e com a banda sonora do filme “A Máscara de Zorro”, com todos os intervenientes vestidos de Zorro.

Contará também com a participação especial de uma das classes do pré-ballet da Banda da Covilhã. Ao intervalo terá lugar mais um concurso infantil de máscara, sendo a inscrição no próprio local e com idade máxima de 12 de anos de idade.

Uma organização da Banda da Covilhã, inserido no Carnaval da Neve com o apoio do Município da Covilhã, Remax Ideias e União de Freguesias de Covilhã e Canhoso.

Bilhetes para a Final do Festival da Canção, já estão á venda

Bilhetes para a Final do Festival da Canção, já estão á venda

Já estão à venda os bilhetes para a Final do Festival RTP da Canção que se realiza a 04 de Março em Guimarães.

O Festival da Canção 2018 será constituído por duas semifinais a realizar a 18 e 25 de Fevereiro no Estúdio 1 da RTP, em Lisboa, e por uma grande final que terá lugar no Multiusos de Guimarães a 04 de Março.

A RTP referiu que "o enorme entusiasmo com que as mais variadas figuras do mundo da música acolheram a proposta lançada", assim como "a quantidade expressiva de candidaturas submetidas através do concurso aberto a submissões, justificam que, das 20 canções originalmente pensadas, seis mais se tenham juntado ao lote".

Em cada uma das semifinais estarão a concurso 13 canções. Em cada uma serão apuradas sete, pelo que haverá 14 finalistas em Guimarães. os bilhetes para a final estão à venda on-line e nos locais habituais.

São estes os 26 concorrentes ao Festival da Canção 2018:

Convidados pela RTP

  • Aline Frazão
  • Armando Teixeira
  • Benjamim
  • Bruno Cardoso
  • Capicua
  • Diogo Clemente
  • Diogo Piçarra
  • Francisco Rebelo
  • Fernando Tordo
  • Isaura
  • João Afonso
  • Jorge Palma
  • José Cid
  • JP Simões
  • Júlio Resende
  • Mallu Magalhães
  • Miguel Ângelo
  • Francisca Cortesão
  • Nuno Rafael
  • Paulo Flores
  • Paulo Praça
  • Tito Paris

Convidado por Salvador Sobral

  • Janeiro

Escolha do programa “Master Class” da Antena 1

  • Daniela Onis

Escolhas do concurso por submissão através da Antena 1

  • Peter Serrado
  • Rita Dias

Autarquia Covilhanense reforça aposta no Carnaval na Neve

Covilhã: Autarquia Reforça aposta no Carnaval na neve

O Carnaval da Neve 2018 promete tornar este tradicional evento, já com 66 anos, na grande festa anual da Covilhã.

A Câmara Municipal e o Clube Nacional de Montanhismo apostam forte este ano em devolver projeção nacional a este acontecimento, alargando as atividades do Carnaval, normalmente associado à Serra da Estrela e à neve, à cidade da Covilhã. De 1 de fevereiro a 4 de março serão vários os eventos que combinam neve, desporto, cultura com diversão e folia, numa mistura que sempre foi e continua a ser o grande atrativo desta festa para a qual irão contribuir um conjunto vasto de entidades locais.

Do vasto programa destacam-se os 3 bailes, 3 desfiles e 3 concertos, não esquecendo a pista de gelo e o parque de neve na Praça do Município.

O Presidente do Município, Vítor Pereira, mostra-se confiante de que “o Carnaval da Neve deste ano vai recolocar o evento no mapa dos festejos carnavalescos nacionais”. O autarca aponta o facto de este ser um Carnaval “diferenciador, apoiado em 66 anos de tradição, envolvendo a comunidade numa grande festa que terá de ser, cada vez mais, um importante incentivo para a economia e o turismo do concelho”.

“O programa vasto e variado que apresentamos prova que não pretendemos imitar outras manifestações carnavalescas que ocorrem no país, muitas vezes meras réplicas, mais ou menos fiéis, de festas mais apropriadas a outros climas e culturas. O Carnaval da Neve é o nosso Carnaval, da Covilhã e da Serra, com as nossas tradições, com actividades e atrativos diferenciadores para que os covilhanenses e todos aqueles que nos queiram visitar se divirtam ao máximo”.

Samuel Úria - Carga de Ombro. 10 FEV, 21h30, Cine Teatro Avenida.

Foto de Cine-Teatro Avenida.

M/06
Bilhete: 10€

Nascido no decote da nação, entre o Caramulo e a Estrela, Úria leva para os palcos o blues do Delta do Dão. De lenda rural para lenda urbana, tudo está certo: meio homem meio gospel, mãos de fado e pés de roque enrole.

Com uma proveniência marcada pelo punk, pelo rock’n’roll e pela estética low-fi, Samuel Úria tem ganho notoriedade desde 2008, altura em que, entre edições caseiras e concertos em que apenas se acompanhava pela guitarra acústica, se nos deu a conhecer. Singular na língua materna, singular nas melodias e singular na relação com o público, aos poucos se gerou o culto e assomou a expectativa, consagrando Samuel Úria como o mais interessante cantautor do século XXI português.

E e...is que já passou uma década desde “O Caminho Ferroviário Estreito”, o primeiro registo oficial (ou deveremos dizer o primeiro CD-R?) de Samuel Úria, à data disponibilizado pela emergente FlorCaveira mas que só a edição do EP “Em Bruto” (ou deveremos dizer EP-R?), em 2008, revelou ao grande público. Se em “O Caminho Ferroviário Estreito”, o nomadismo de Samuel Úria, consequência da sua actividade itinerante de professor de educação visual se fazia sentir, já em “Em Bruto“ despontavam canções como “Barbarella e Barba Rala” ou “Teimoso”.

“Nem Lhe Tocava” surgiu em 2009, uma vez mais com a FlorCaveira, recuperando algumas das gravações de “Em Bruto” e confirmando as expectativas fundadamente criadas em torno das primeiras gravações de Samuel Úria - Jacinto Lucas Pires escrevia ”(…) este “Nem Lhe Tocava” (que título do caraças, meu) é objecto perigoso, perigosíssimo. E, para os convencionais, só um recado: ouçam sem preconceitos, sem pressas, com a calma possível, no meio do mundo, e depois vejam que tal. Em verdade vos digo, Samuel Úria é tão bom que devia ser proibido. (…)”



O caminho confirmava-se - a Time Out Lisboa chamou-lhe “a mais impressionante estreia dos últimos 10 anos”, o Ípsilon afirmou que o “abençoado” Samuel “acerta sempre”, o Expresso reconheceu a “língua em estado de graça” e a Blitz viu no músico de Tondela o “tiro certeiro na fuga à normalidade”.

Ainda nesse ano, a 10 de Junho, escreveu e gravou, num só dia, um disco inteiro em sua casa. A composição e registo das músicas foi filmada e transmitida em directo pela internet, enquanto os espectadores forneciam sugestões via email. O resultado foi o disco "A Descondecoração de Samuel Úria", lançado um ano depois (clarifique-se, em CD-R).

Por entre as suas apresentações ao vivo e edições, Samuel Úria teve ainda oportunidade de colaborar em alguns projectos colectivos, traduzida numa forte presença na dinamização na actividade da FlorCaveira ou, ainda, na participação no punk-rock vintage das “Velhas Glórias” ou nas filarmonias de “Os Ninivitas”. Suspeita-se também que o projecto “Maria Clementina” não lhe será alheio…

Inicialmente anunciado para 2012, Samuel Úria publicou em 2013 “O Grande Medo do Pequeno Mundo”, uma verdadeira “jewel-case” (leia-se “caixa de jóias”) em que o talento do “trovador de patilhas”, como é frequentemente intitulado, convive com um conjunto de participações de nomes aparentemente tão distantes como Manel Cruz, Márcia, António Zambujo ou Miguel Araújo, entre outros, que a música e as palavras de Samuel Úria aproximaram.

Sobre, “O Grande Medo do Pequeno Mundo”, Pedro Mexia inicia o texto de apresentação do álbum desta forma “Este é um disco sobre «a voz». Não sobre Frank «the voice» Sinatra, embora o galante mafioso também compareça, transformado em forma verbal; trata-se antes de uma defesa do falar, do dizer, do cantar. A música é um «som cantado», lembra Samuel Úria, mas é mais que isso: é um testemunho.” E conclui “No amor, como noutras vozes que nos dão voz, o sustento é forte quando o intento é puro. E o mundo é pequeno, e o medo é grande, e, ainda assim seguramo-los, como um colchão aos trapezistas”. E não será este o destino de Samuel Úria? Testemunhar através da sua voz a vida, tal e qual um trapezista das palavras?


O caminho, só aparentemente estreito, é percorrido e “O Grande Medo do Pequeno Mundo” leva Samuel Úria à generalidade dos palcos nacionais, seja aos dos pequenos auditórios ou dos grandes festivais. As colaborações em palco sucedem-se – Márcia, António Zambujo, Miguel Araújo, Clã, Cindy Kat, HMB, Tiago Bettencourt ou Marta Hugon são alguns do que fazem questão de partilhar com Samuel.

Para 2016, “Carga de Ombro”. Um disco de que é ainda difícil destacar temas tal é a homogeneidade conseguida num disco em si bastante diversificado - “O álbum é um absoluto primor de escrita, juntando depois à música uma capacidade de condensar uma evidente pulsão melómana atenta e feita da soma de muitos gostos e interesses num corpo consistente.” (Nuno Galopim)

Para a nova aventura Samuel Úria chamou Miguel Ferreira. Com ele produziu “Carga de Ombro” e no qual contou com participações especiais de Selma Uamusse, Francisca Cortesão, Martim e David Fonseca.

Como conclui Márcia no texto que escreveu a propósito do novo disco: “Modesto, generoso e altruísta, é claro que ele acha que o Ego dele tem de diminuir. Mas nós que o vemos, sabemos que não é de Ego que se agigantou Samuel Úria, mas sim de um incomensurável talento que dá gosto testemunhar de disco para disco.”

No final de 2016, as habituais listas de “melhores do ano”, colocaram “Carga de Ombro” nos lugares cimeiros do que melhor e mais interessante se vai produzindo. As crónicas que passa a assinar às quartas para o SAPO tornam-se leitura obrigatória. Já em 2017, o vídeo de animação para o tema “É Preciso Que Eu Diminua” realizado por Pedro Serrazina ganha o prémio da Monstra. Da “estrada”, de destacar a produção apresentada em Maio passado no Teatro Tivoli em que, perante uma sala lotada, Samuel levou a palco amigos como Ana Moura, Manuela Azevedo, Golden Slumbers ou Manel Cruz.

Escutemo-lo!

 

1º Curso de Construção de Instrumentos da ESART

Castelo Branco: 1º Curso de Construção de Instrumentos da ESART

A Associação de Estudantes da Escola Superior de Artes Aplicadas, juntamente com a Associação Viola Beiroa e em parceria com a Escola Superior de Artes Aplicadas, estão a desenvolver nas instalações do Instituto Politécnico de Castelo Branco um curso de Construção de Instrumentos.

O objetivo deste curso passa não só pela produção, mas também pela investigação e experimentação dos materiais usados e da construção harmónica de cada instrumento, podendo ser uma mais valia para todos os alunos dos cursos de Música (variante instrumento), da Escola Superior de Artes Aplicadas.

Os instrumentos vão da guitarra clássica à guitarra portuguesa, passando pelo baixo acústico, bandola e violas beiroas, e estão a ser construídos de raiz pelos alunos do curso.

A orientação está a cargo do mestre Eduardo Loio que ensina estas técnicas de construção com a coorientação do Professor Miguel Carvalhinho.

Alguns dos instrumentos estão já em fase final de construção. O curso decorre sextas-feiras das 16h00 às 00H00 e sábados das 9H00 às 19H00.

ACBI com viagem marcada para a Coreia do Norte

 Foto de Associação Cultural da Beira Interior.

O presidente da Associação Cultural da Beira Interior, Luís Cipriano, reuniu com o delegado especial da Coreia do Norte e do Comité de Relações Culturais com Países Estrangeiros para iniciar a preparação do intercâmbio entre a associação com sede na Covilhã e a Coreia do Norte.

Assim está a ser preparada a ida do Coro Misto da Beira Interior a Pyongyang durante uma semana com a realização de três concertos com os programas “Fado” e “Música Popular Portuguesa” assim como a vinda de um Coro Infantil norte coreano a Portugal para a realização de uma tournée nas autarquias parceiras da Associação Cultural da Beira Interior.

Luís Cipriano foi convidado pelo governo de Pyongyang para no próximo Abril estar presente no Festival da Amizade a decorrer naquela cidade aproveitando a sua estadia para acertar pormenores em relação a este intercâmbio. A Associação Cultural da Beira Interior estuda também a possibilidade de realizar um concerto em Pequim (China) cidade onde fará escala antes de seguir para a Coreia do Norte.