Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Simone de Oliveira canta no Forum Cultural de Idanha-a-Nova.

2015_12_22_Simone_Feist-01-01.jpg

O Forum Cultural de Idanha-a-Nova comemora o seu 8º aniversário com a voz incontornável da canção portuguesa, Simone de Oliveira, amanhã, dia 22 de dezembro, pelas 21h30.

A artista será acompanhada ao piano pelo maestro e pianista Nuno Feist.

Simone de Oliveira tem o maior êxito da sua carreira em “Desfolhada Portuguesa”, que apresentou no Festival da canção em 1969.

Recebeu várias distinções, entre as quais os prémios de Imprensa, Popularidade, Interpretação e ainda o prémio Pozal Domingues.

Foi condecorada com a Grande Ordem do Infante.

O espetáculo é promovido pelo Município de Idanha-a-Nova e tem entrada livre.

Mais informações através do contacto 277 208 029.

245º aniversário do músico e compositor Ludwig van Beethoven.

Ludwig van Beethoven (Bonn, batizado em 17 de dezembro de 1770 — Viena, 26 de março de 1827) foi um compositor alemão, do período de transição entre o Classicismo (século XVIII) e o Romantismo (século XIX). É considerado um dos pilares da música ocidental, pelo incontestável desenvolvimento, tanto da linguagem como do conteúdo musical demonstrado nas suas obras, permanecendo como um dos compositores mais respeitados e mais influentes de todos os tempos. "O resumo de sua obra é a liberdade", observou o crítico alemão Paul Bekker (1882-1937), "a liberdade política, a liberdade artística do indivíduo, sua liberdade de escolha, de credo e a liberdade individual em todos os aspectos da vida". (mais)

Academia de Música e Dança do Fundão tem agenda carregada na quadra natalícia.

A estreia da missa de Natal “Pastoralmesse” de Karl Kempter constitui um dos momentos altos do ciclo de concertos que a Academia de Música e Dança do Fundão (AMDF) realiza entre os dias 17 de dezembro e 10 de janeiro.

O primeiro dos três concertos é no dia 17 de dezembro às 21 horas na igreja matriz do Fundão e reunirá 150 crianças das orquestras de sopros, guitarras, cordas e meios violinos bem como os coros que integram os mais jovens cantores da escola.

Do programa saliente-se a interpretação de músicas tradicionais de Natal e de temas do compositor holandês Jacob de Haan.

No domingo dia 20 de dezembro às 18 horas, também na igreja matriz do Fundão, a AMDF apresenta-se em palco com as estruturas principais de coros e orquestras para estrear “Pastoralmesse” do compositor alemão Karl Kempter.

Do alinhamento do espetáculo faz ainda parte “Fatio per la notte di natale” de Arcangelo Corelli, um concerto de Natal que será interpretado pela orquestra de câmara da AMDF.

Concerto de Natal de Penamacor a ter lugar no próximo sábado, 19 de dezembro, às 21 horas na igreja matriz de Penamacor.

O espetáculo consistirá num reportório variado de canções alusivas à quadra natalícia e reunirá os alunos e professores do polo da AMDF em Penamacor.

Um elenco que será reforçado com a presença de cerca de uma dúzia de professores e alunos da AMDF no Fundão.

Dado o elevado número de solicitações para concertos de Natal, alguns dos espetáculos terão lugar no primeiro fim-de-semana de janeiro.

Assim a AMDF dará concertos em Alcaria a 8 de janeiro, Erada no dia 9 de janeiro e finalmente Unhais-da-Serra a 10 de janeiro de 2016

João Soares congratula-se com Idanha-a-Nova e Óbidos nas cidades da UNESCO

João Soares congratula-se com Idanha-a-Nova e Óbidos nas cidades da UNESCO

O ministro da Cultura, João Soares, congratula-se com a escolha, pela UNESCO, de Idanha-a-Nova e Óbidos, como novos membros das Cidades Criativas da UNESCO, nas áreas da música e da literatura, respetivamente.

"Estas distinções premeiam um notável trabalho das respetivas autarquias e o empenho de organizações da sociedade civil, que deve ser considerado como exemplar, a nível nacional", afirma o comunicado divulgado pelo gabinete do ministro da Cultura.

João Soares "endereça as suas felicitações aos munícipes de Óbidos e de Idanha-a-Nova e a todas as entidades e autarcas envolvidos", remata o comunicado.

Idanha-a-Nova, na Beira Baixa, foi sexta feira oficialmente aceite no grupo de Cidades da Música da UNESCO, no âmbito da rede de Cidades Criativas.

A câmara de Idanha-a-Nova preparou durante um ano e meio a candidatura, que teve o envolvimento de diversos intervenientes nacionais e internacionais.

Entre as entidades que apoiam esta candidatura encontra-se o Governo português, a Associação Portuguesa de Educação Musical, o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual, a Comissão Portuguesa da UNESCO e várias cidades que já têm o título de Cidade da Música, com destaque para Mannheim, na Alemanha, Bolonha, em Itália, Sevilha, em Espanha, e Hamamatsu, no Japão.

Óbidos também entrou hoje no universo das "cidades da literatura" da UNESCO.

A UNESCO Creative Cities Network (UCCN), criada em 2004, escolheu Óbidos, na Estremadura, como uma das Cidades da Literatura, no âmbito da rede mundial "The Crative Cities Network", que agrupa 69 cidades em diferentes áreas, da gastronomia ao artesanato, passando pela literatura.

Óbidos é a 12.ª classificada na lista literária da organização, ao lado de Edimburgo (Escócia), Melbourne (Austrália), Iowa City (EUA), Dublin (Eire) Reiquejavique (Islândia), Norwich (Inglaterra), Cracóvia (Polónia), Heidelberg (Alemanha), Dunedin (Nova Zelândia), Granada (Espanha) e Praga (República Checa).

"The Crative Cities Network - Crafts & Folk Art, Design, Film, Gastronomy, Literature, Music and Media Arts" integrava, até então, 69 cidades com um objetivo comum: "colocar a criatividade e as indústrias culturais no centro dos seus planos de desenvolvimento a nível local e cooperar ativamente a nível internacional", segundo o comunicado da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Ciência, Educação e Cultura), com sede em Paris.

O objetivo desta rede de cidades é promover o desenvolvimento social, económico e cultural destas comunidades, tendo por base as indústrias criativas.

Idanha-a-Nova já está nas Cidades da Música da UNESCO

Idanha-a-Nova já está nas Cidades da Música da UNESCO

Idanha-a-Nova foi esta 6ª-feira,oficialmente aceite no grupo de Cidades da Música da UNESCO, no âmbito da rede de Cidades Criativas.

O anúncio foi feito em Paris e confirmado pelo presidente da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto.

A Autarquia preparou durante um ano e meio a candidatura, que teve o envolvimento de diversos intervenientes nacionais e internacionais.

Entre as entidades que apoiam esta candidatura encontra-se o Governo português, a Associação Portuguesa de Educação Musical, o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual, a Comissão Portuguesa da UNESCO e várias cidades que já têm o título de Cidade da Música, com destaque para Mannheim, Bolonha, Sevilha e Hamamatsu.

O objetivo desta rede de cidades é promover o desenvolvimento social, económico e cultural destas comunidades, tendo por base as indústrias criativas.

A vila de Óbidos foi também considerada uma das novas "cidades da literatura", no âmbito das cidades criativas da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Armindo Jacinto, disse à agência Lusa que a classificação da vila como Cidade da Música da UNESCO vai trazer "muito desenvolvimento" para o concelho.

"Passamos a ser uma das cidades da música da UNESCO, no âmbito da rede de cidades criativas, o que vai trazer muito desenvolvimento para o concelho", afirmou o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto.

O autarca entende que o investimento que tem sido feito ao nível do setor cultural neste concelho do distrito de Castelo Branco "é também uma aposta na economia e no desenvolvimento" de Idanha-a-Nova.

"Sentimo-nos muito honrados com esta decisão. Este é o reconhecimento da cultura de Idanha-a-Nova e do investimento que temos feito nesta área", adiantou.

Armindo Jacinto disse ainda que este desfecho "vem confirmar que apresentamos uma candidatura com argumentos muito fortes, mesmo sendo Idanha-a-Nova uma vila e não uma cidade", concluiu.

A riqueza patrimonial do concelho, onde a herança cultural associada à música assume rara expressão, fundamentou a candidatura da vila a Cidade da Música, no âmbito da rede de Cidades Criativas da UNESCO, após um vasto trabalho de inventariação, preservação e divulgação da identidade musical e cultural de Idanha-a-Nova, das suas características etnográficas e etnológicas.

O adufe, o maior representante da riqueza e da tradição musical de Idanha-a-Nova, inspirou o símbolo desta candidatura portuguesa a Cidade da Música da UNESCO.

A Câmara de Idanha-a-Nova preparou durante um ano e meio a candidatura, que teve o envolvimento de diversos intervenientes nacionais e internacionais.

Entre as entidades que apoiaram esta candidatura encontra-se o Governo português, a Associação Portuguesa de Educação Musical, o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual, a Comissão Portuguesa da UNESCO e várias cidades que já têm o título de Cidade da Música, com destaque para Mannheim, na Alemanha, Bolonha, em Itália, Sevilha, em Espanha, e Hamamatsu, no Japão.

O objetivo desta rede de cidades é promover o desenvolvimento social, económico e cultural das respetivas comunidades, tendo por base as indústrias criativas.

A UNESCO atribuiu também hoje o estatuto de "Cidade da Literatura" a Óbidos, no distrito de Leiria.

 

Álbuns de Lura e Mariza entre os dez melhores do mundo, segundo a Songlines.

Revista de música Songlines elogia os trabalhos das artistas portuguesas

Os álbuns "Herança", de Lura, e "Mundo", de Mariza, estão entre os dez melhores do mundo, segundo a revista de música e entretenimento britânica Songlines, numa lista que também inclui Ilaria Graziano & Francesco Forni e Kimmo Pohjonen.

Sobre "Herança", sexto álbum de estúdio de Lura, a revista realça a "voz rouca" da cantora, que escolheu "maravilhosos e ritmados funanás", como "Sabi di mas" e "Ness tempo di nha bidijissa" e que, com este CD, "se aproxima das suas raízes cabo-verdianas, sem abandonar Lisboa", a cidade onde nasceu.

"Cabo Verde é revisitado e reinventado num ritmo 'jazzy'", afirma a revista, que realça a "excelência" dos músicos que acompanham Lura, entre os quais Pedro Jóia e Naná Vasconcelos.

"Um CD que é um misto de canções originais e recriações de temas melancólicos", afirma o crítico Alex Robinson, especialista em música de origem lusófona, que assina o texto sobre o álbum.

Robison enfatiza o "toque contemporâneo" em clássicos como "Maria di lida" e "Somada", de Kaka Barbosa, realçando a "destreza da boa produção".

O CD, publicado em setembro último, é constituído por 14 canções, nove das quais inéditas, um álbum que Lura disse à Lusa ser "um contar de histórias" que os antepassados lhe deixaram.

"O meu património de Cabo Verde é a história que todos os meus antepassados me contaram, me deixaram como herança e são essas que conto", precisou.

"Mundo", de Mariza, é outro dos dez melhores álbuns do ano, segundo a Songlines, composto por "fados clássicos e magníficas baladas pop", a merecer "um grande aplauso", como adianta a revista.

O jornalista Nigel Williamson, que assina o texto, especialista em música pop e músicas do mundo, afirma que "a primeira-dama do Fado vive atualmente um momento muito feliz", e realça, entre outros temas de "Mundo", "a batida de 'Missangas' e a arrebatadora canção 'Sombra', que garantem a Mariza o estatuto de rainha do fado tradicional".

O crítico refere ainda "as espantosas baladas pop 'Melhor de Mim' e 'Adeus', o etéreo 'Sem Ti' e o maravilhoso e brilhante 'Saudade Solta'".

Williamson faz notar "a maturidade expressiva que dá à voz, que está melhor que nunca", e afirma que, já que Mariza canta, de vez em quando, nos seus concertos, "I will always love you'", de Whitney Houston, "talvez as fusões pop/fado de 'Mundo' não sejam uma surpresa, mas Mariza fê-lo com talento, destreza e autoconfiança, que é simplesmente de tirar o fôlego".

Mariza disse, em outubro, que o CD "Mundo" é "um convite" para o público conhecer melhor o seu universo, o seu mundo, aquilo que é, e como evoluiu e se transformou.

"Este CD surge como um convite às pessoas para visitarem o meu mundo, no que me tornei agora, passados 15 anos [do primeiro CD], até este álbum, o que sou, naquilo que me transformei, como eu vejo agora a música, aquilo que sinto e o que é para mim", disse a fadista.

"Mundo" inclui dois temas do repertório de Amália Rodrigues - "Anda o sol na minha rua" e "Maldição" -, é produzido pelo músico espanhol Javier Limo"n, que produziu anteriormente o álbum "Terra" (2008) da cantora, e marca o regresso de Mariza a estúdio, cinco anos depois de "Fado tradicional".

Além de Mariza e Lura, a lista da Sonlines, dos dez melhores álbuns do mundo, em 2015, é ainda composta pelos trabalhos do duo italiano Ilaria Graziano & Francesco Forni ("From Bedlam to Lenane"), do finlandês Kimmo Pohjonen ("Sensitive Skin"), dos turcos Kardes Turkuler ("Kerwane") e do chinês Yuan Deng ("The Mountain and the River").

Completam a lista os discos "Viva Diaspora", do DJ alemão Shantel, "Urram", da britânica Karen Matheson, a coletânea "Vicennial: 20 Years of The Hot 8 Brass Band", do coletivo de Nova Orleães, e a recolha "Lost in Mali", que reúne canções de artistas "nunca ouvidos fora das fronteiras" do seu país.

ANAFAIA apresentam novo álbum em concerto. 12 DEZ, 22h, Fundão.

Fundão: ANAFAIA apresentam novo álbum em concerto

Os Anafaia vão realizar um concerto, no próximo sábado, dia 12 de dezembro, às 22.00h, no Pavilhão Multiusos do Fundão, para apresentar o novo trabalho discográfico.
Neste concerto o grupo interpreta todos os temas do novo álbum acompanhado por vários músicos convidados, em especial o cantor Sebastião Antunes dos Quadrilha, que faz questão de estar presente uma vez que participou neste novo trabalho dos Anafaia.
Os Anafaia nasceram em 2010 na Cova da Beira, no Fundão. Na altura com a designação Com’Tradições que, mais tarde, originou os Anafaia. Dois projetos que derivam do Homem do Saco – Associação de Artes Tradicionais. “ANAFAIA” (Do ár. an-nafaia) – primeiros fios do bicho-da-seda, antes da formação do casulo - o princípio de tudo. Tanto quanto o primeiro fio é o princípio da teia que leva ao casulo, também a música tradicional, os cantares e os sentires das gentes, são a raiz da cultura de um povo. A recolha e a recriação de temas das beiras estão no cerne do trabalho desenvolvido pelo grupo do Fundão. As vidas do povo da terra e a composição de músicas originais inspiradas no mundo rural da Beira Interior, embora com laivos de alguma contemporaneidade estão presentes nas músicas que nos apresentam. Depois do primeiro álbum do grupo onde se destacaram os dois primeiros originais do grupo “O Carvalhal é Nosso”, em homenagem às “Gentes da Rama do Castanheiro” da aldeia do Souto da Casa, e “Pastor da Transumância”, original apresentado no Chocalhos, em 2011, dedicado aos pastores transumantes, apresenta agora o novo álbum onde o single "Pastora da Serra” será a apresentação do novo disco com a etiqueta Music In My Soul.

Neste novo trabalho houve a necessidade de criar alguns temas originais relacionados com a região ajudando a promover e divulgar a cultura local. O trabalho inclui cinco temas originais, "Pastora da Serra", "Vindima", "Colheita da Cereja", "Anafaia" e "Serra da Gardunha", sendo as restantes recolhas efetuadas na região como o "Terreiro e a Menina do Bailho" (Aldeia Nova do Cabo), "Zamburra não toca" (Zebreira), "Loureiro" (Idanha-a-Nova), "Serrana" (Alcongosta) e uma nova versão do "Pastor da Transumância" cantada pelo Sebastião Antunes dos Quadrilha.