Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Homenagem a Amália Rodrigues com noite de fados em Castelo Branco. 24 JUL, 21h00.

O 95.º aniversário da fadista e poetisa Amália Rodrigues (1920-1999) é assinalado no dia 24, às 21:00, com uma “noite de fado”, no Museu Francisco Tavares Proença Júnior, em Castelo Branco, informou a Direção Regional de Cultura do Centro.

O elenco é constituído João Siborro, Anabela Beirão e Valéria de Carvalho, que serão acompanhados por Paulo Proença, na guitarra portuguesa, Pedro Veiga, na viola, e Anabela Beirão, no piano.

A família de Amália Rodrigues, que nasceu em 1920, em Lisboa, era originária da Beira Baixa, designadamente do Fundão. Do repertório da fadista constam temas do cancioneiro beirão, como “Senhora do Almortão” e “Quando eu era pequenino”. Alusivo à região da Beira Baixa, Amália gravou também “Covilhã, cidade neve”, de Joaquim Pedro Gonçalves e Nóbrega e Sousa.

Entrada 5 € (lugares são limitados).

Candidatura de Idanha-a-Nova a Cidade da Música entregue à UNESCO

Idanha-a-Nova: Candidatura a Cidade da Música entregue à UNESCO

A candidatura de Idanha-a-Nova à Rede de Cidades Criativas, no âmbito da Música, foi esta semana submetida formalmente à UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura).

Esta é a primeira candidatura portuguesa a Cidade da Música e poderá colocar Portugal no mapa das cidades criativas da UNESCO.

Idanha-a-Nova tem uma identidade intimamente ligada à música, aposta em infraestruturas criativas, investiga profundamente as suas tradições, acolhe um número raro e diversificado de grupos tradicionais e promove, ao longo do ano, uma quantidade impressionante de eventos ligados à música, desde a eletrónica mais moderna aos sons tradicionais ou às composições eruditas.

A acontecer, esta classificação patrimonial por parte da UNESCO significará o reconhecimento internacional do património musical de Idanha-a-Nova e da vivência singular que a música proporciona neste território, enquanto elemento identitário e um dos principais pilares do seu desenvolvimento económico e coesão social.

Esta classificação irá reforçar a estratégia de desenvolvimento do concelho, estimulando a criação de riqueza e emprego e contribuindo para a fixação e captação de população. Afirmará Idanha-a-Nova enquanto destino de excelência no âmbito das indústrias criativas e permitir-lhe-á trocar experiências e conhecimentos com várias cidades nacionais e internacionais.

Estes motivos levaram a Câmara Municipal de Idanha-a-Nova a realizar esta candidatura, que tem no Adufe, símbolo maior da riqueza e da tradição musical do concelho, o “porta-voz” do projeto.

A candidatura foi preparada durante um ano e meio e envolveu a colaboração de diversos stakeholders (locais, nacionais e internacionais) e o apoio da comunidade idanhense.

O processo de candidatura teve o seu momento-chave em fevereiro deste ano, com o Encontro Internacional "As Cidades Criativas e a Música", que reuniu, em Idanha-a-Nova, especialistas de vários pontos do mundo, representantes da UNESCO e das Cidades da Música.

Entre as entidades que apoiam esta candidatura encontram-se o Governo de Portugal, a Associação Portuguesa de Educação Musical, o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual, a Comissão Portuguesa da UNESCO e várias cidades que já têm o título de Cidade da Música, com destaque para as cidades de Mannheim, Bologna, Sevilha e Hammamatsu.

Os resultados desta candidatura serão publicitados a 11 de dezembro pelo diretor-geral da UNESCO, na página da internet desta entidade. 

Super Bock Super Rock "com mais conforto" e sem "exceder a lotação"

Super Bock Super Rock "com mais conforto" e sem "exceder a lotação" 

O festival Super Bock Super Rock está a chegar e o recinto criado no Parque das Nações, em Lisboa, parece mais um estaleiro, com dezenas de trabalhadores a montarem palcos e os espaços de alimentação.

A transição da Herdade do Cabeço da Flauta, Meco, para o Parque das Nações fez perder 10 mil pessoas, mas criou outras condições "com mais conforto", explicou Luis Montez, director do Festival.

O responsável da marca Super Bock, Miguel Araújo, classificou o festival como "camaleónico", partilhando que o marcou a edição de 2008, em Angola, com os Xutos e Pontapés. "Esperamos que estes 20 anos sejam o começo de mais 20", sublinhou.

Esta edição o festival vai ter quatro palcos colocados numa área com 75.000 metros quadrados, recebendo os espectadores com o lema "O rock voltou à cidade".

O palco principal vai ser dentro do Meo Arena, que tem uma capacidade para 18 mil pessoas. A plateia leva 13 mil e os balcões os restantes. Para fazer este controlo de entradas, Luis Montez explicou ao Jornal Hardmusica que "estarão assitentes de sala em cada entrada", sublinhando que "não irá exceder a lotação". "Quem mais depressa chegar, mais possibilidades tem de escolher o lugar", acrescentou.

No primeiro dia, com a actuação de Sting, "certamente que haverá mais público sentado que em pé", disse ao Jornal Hardmusica, quem já anda nisto há mais de 20 anos, Luiz Montez.

Sobre a venda de álcool para maiores de 18 anos, como está agora definido por lei, a organização disponibilizará uma pulseira, mas não é de uso obrigatório. No entanto segundo o director do festival, "só quem tiver pulseira é que poderá comprar bebibas no bares". Também estará na entrada do festival uma equipa da PSP preparada para verificar "todos os que tenham mais que 1.2 de alcool, pois esses não entram", disse ao Jornal Hardmusica Luiz Montez, acrescentando "não queremos cá disturbios".

O responsável explicou que "neste espaço haverá mais conforto, onde as wc estarão equipadas com ar condicionado e a zona da alimentação muito próxima dos palcos".

Um dos divertimentos que o Jornal Hardmusica pôde observar foi o "salto de 10 m" que a Caixa Geral de Depósitos usou no Rock in Rio de 2014.

Luis Montez recordou que para o ano há Rock in Rio e numa directa aos seus concorrentes, disse ao Jornal Hardmusica "para o ano não vai haver público para espaços abertos". Concluindo a sua observação com "não preciso de trazer os U2 para encher".

Para quem ainda não comprou o passe para os três dias, já não o poderá fazer. Pois conforme o director do festival disse ao Jornal Hardmusica Florence + The Machine, "já está esgotado".

A propósito dos vinte anos do festival, no Pavilhão de Portugal inaugurou uma exposição de fotografia com imagens captadas no festival, desde 1995 até 2014, desde o tempo dos rolos de película até à fotografia digital.

Com curadoria de Rita Carmo, fotojornalista da revista Blitz a exposição apresenta imagens de quase vinte fotógrafos e fotojornalistas, entre os quais Carlos Didelet, Camaraman Metálico, José Sena Goulão, Nuno Fontinha, Tiago Petinga, Miguel Manso, Patrícia de Melo Moreira e Marisa Cardoso.

A exposição recorda, por exemplo, concertos de David Bowie, Morphine, The Cure, Da Weasel, Blind Zero, Legendary Tigerman, Moby, Arcade Fire ou The National.

O recinto vai ter "Wi-Fi gratuito em todo os lados até à estação do Oriente", disse Luis Montez ao Jornal Hardmusica.

In: Hardmúsica

INATEL - Concerto de Viola Beiroa. 17 JUL, 21:30, TMC

A Fundação INATEL vai comemorar na cidade da Covilhã os 80 anos com um concerto de Viola Beiroa apresentado pelo CCD ASSOCIAÇÃO RECREATIVA CULTURAL VIOLA BEIROA de Castelo Branco.
O evento terá lugar no Teatro Municipal da Covilhã, no dia 17 de Julho, às 21:30 horas.

Os interessado poderão dirigir-se às lojas na Covilhã e em Castelo Branco para levantar o seu convite.

 

Festival da Orquestra Nacional de Jovens está marcha. 25 JUL a 1 AGO.

 IMG_0448

A 8ª edição do Festival ONj – Orquestra Nacional de Jovens, está em marcha em parceria com a Câmara Municipal da Figueira da Foz e Centro de Artes e Espectáculos (CAE).

A Associação Cultural Glorious Experience, recentemente criada, vem dar continuidade ao maior estágio de Orquestra Jovem em Portugal.

Sob a Direcção Artística do fundador do Festival, Cristiano Silva, a 8ª edição será pela segunda vez apelidada de GOLD EDITION, tendo como convidado GOLD o músico Sérgio Carolino (TUBA) que nos dias 27 e 28 de Julho dará uma Masterclass colectiva para os instrumentistas de sopros e para a orientação da classe de TUBA das Orquestras de Sopros e Sinfónica ONJ.

Este ano, pela primeira vez na história do Festival, a organização propõe a produção de 6 concertos resultantes das parcerias com as Câmaras da Figueira da Foz, Castelo Branco e São João da Madeira.

Mais de 300 participantes são esperados e estão já confirmadas a Tuna Académica TS (Gaia), Coro Juvenil do Conservatório Regional de Ponta Delgada (S. Miguel-Açores), Grupo de Dança IMAGO TIJL (Neerpelt-Bélgica), Quarteto 3 Irmãos Pedro e Paulo, Sérgio Lucas, Luís Pinto, Mercury Falls Band.

Com um corpo docente de 20 professores e 4 maestros, a organização, logística e auxiliares prometem um festival inovador, recheado de inúmeras novidades!

É de destacar a presença dos Maestros Convidados: José Eduardo Gomes para a direcção da Obra Sinfónica – Scheherazade de R. Korsakov, Jorge Alves – Adiemus de Karl Jenkins, José Ignácio Petit (Espanha) – para a direcção da Orquestra de Sopros e Cristiano Silva para a direcção do Concerto de Encerramento com a Festival Symphony.

Spotify revela quais serão as músicas deste Verão

Spotify revela quais serão as músicas deste Verão

O Spotify revelou esta quarta-feira as suas escolhas para as melhores canções daquelas que já estão definidas para estar na banda sonora deste Verão, cuja liderança pertence a três músicas que se posicionam como os prováveis êxitos da época estival: «I Know There’s Gonna Be (Good Times)», de Jamie xx ft. Young Thug and Popcaan, «Can’t Feel My Face dos The Weeknd» e «This Summer’s Gonna Hurt Like A MotherF****r», dos Maroon 5.
Para criar esta lista, o Spotify reuniu vários especialistas das suas equipas de relações com discográficas e de análise de dados, para observar factores como os níveis de atividade de escuta e de desempenho na tabela viral do Spotify.

O Spotify também teve em consideração a natureza «boa onda» de cada canção, uma vez que as músicas de Verão costumam ser optimistas e têm uma letra positiva.
Os destaques incluem uma lista de artistas variada que incluem “pesos-pesados” de hits da música como Zedd, Avicii, Major Lazer, e Jack Ü. Os actuais «números 1» das tabelas como Nicki Minaj, OMI, Walk The Moon, Pitbull, Fetty Wap e Jason Derulo também entram na lista, e ainda a nova canção de Carley Rae Jepsen e dos novos artistas a ter em conta Alessia Cara, Leon Bridges, Grace, and Jess Glynne.
Shanon Cook, especialista residente em tendências musicais do Spotify, comenta: «O Verão tem tudo a ver com boas vibrações, bons momentos e excelente música. Esta lista servirá como a derradeira banda sonora do verão, para ser usada tanto em festas como em viagens até àquele churrasco ao final do dia. E para aqueles momentos em que estás a relaxar na piscina, aconselhamos-te a ter em consideração alguns novos artistas da cena, como Alessia e Leon; as canções deles estão a aquecer!»
 
Músicas do Spotify para o Verão 2015: Top 10
1. I Know There’s Gonna be (Good Times) - Jamie xx, Ft. Young Thug and Popcaan
2. Can’t Feel My Face - The Weeknd
3. This Summer’s Gonna Hurt Like A MotherF****r - Maroon 5
4. The Night Is Still Young - Nicki Minaj
5. Lean On - Major Lazer (ft. MØ and DJ Snake)
6. Cheerleader (Felix Jaehn remix) – OMI
7. Talking Body - Tove Lo
8. Good Thing - Sage the Gemini ft. Nick Jonas
9. Beautiful Now - Zedd ft. Jon Bellion
10. Here - Alessia Cara