Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Time for T - Teatro Clube de Alpedrinha, 24 MAI, 22h. Divulgação.

 photo TimeForT_zps7455f2f7.jpg

Concerto a solo no auditório Teatro Clube de Alpedrinha em antecipação do mini álbum de estreia em Portugal.

Dia 24 de Maio pelas 22h:00m  o luso-britânico Tiago Saga apresenta  a solo, no auditório do Teatro Clube de Alpedrinha, o novo EP da sua banda (Time For T).

Tiago Saga vem de Brighton, Inglaterra com a guitarra e canções bastante frescas. 

Entradas: 3€ (Sócios) / 5€ (ñ Sócios) - Lotação Limitada!

Bilhetes: pré-compra Teatro Clube de Alpedrinha

Contactos Bilheteira: 96 343 08 73/ 967630817/ teatroclubedealpedrinha@gmail.com

 

Ronda dos Quatro Caminhos em concerto único no São Carlos para apresentação de novo disco

 

Num momento raro de reunião da música clássica e tradicional portuguesa, a Ronda dos Quatro Caminho juntar-se-á, no próximo dia 22 de Maio (quinta-feira), pelas 21:00, ao Coro do São Carlos e à Orquestra Sinfónica Portuguesa para a apresentação do seu novo disco, num concerto único que contará ainda com a participação de dois grupos convidados.

Formada em 1983, a Ronda dos Quatro Caminhos (www.rondadosquatrocaminhos.pt) gravou em 2003 o disco Terra de Abrigo, exclusivamente dedicado ao cante alentejano, com a participação da Orquestra Sinfónica de Córdoba e de oito Grupos Corais do Alentejo, numa proposta musical arrojada e inovadora.

Desde então, o projecto foi amplamente replicado com a Sinfonietta de Lisboa e o seu âmbito alargado a outras regiões do país, embora mantendo a forte incidência no Alentejo. Deste percurso e da decisão de gravar um novo disco, incluindo o repertório do Minho, Trás-os-Montes, Beiras, Açores e Galiza, resultou o convite à participação da Orquestra Sinfónica Portuguesa e também do Coro do Teatro Nacional de São Carlos.

O novo disco, já gravado e prestes a ser lançado, intitula-se «Tierra Alantre», expressão mirandesa que significa caminho em frente.

Neste concerto único no Teatro Nacional de São Carlos de apresentação do disco participarão ainda os Cantares de Évora (cantares-evora.blogspot.pt) e o Rancho de Cantadores da Aldeia Nova de São Bento (www.ranchocantadoresaldeiansbento.com).

 

Orquestra do Centro participa na criação da Orquestra Nacional de Cabo Verde.

 

A Orquestra Clássica do Centro (OCC) parte hoje para Cabo Verde, onde participará num espetáculo de apresentação da Orquestra Nacional daquele país africano.

A Orquestra Nacional de Cabo Verde vai ser apresentada na quarta-feira, na Cidade da Praia, «decorrendo antes os trabalhos preparatórios» com apoio da OCC, disse à agência Lusa a presidente da instituição de Coimbra, Emília Cabral Martins.

A Orquestra Clássica do Centro foi convidada pelo ministro da Cultura, Mário Lúcio Sousa, «a desenvolver um projeto de colaboração» para assegurar a atividade futura da nova Orquestra Nacional e integrar o seu primeiro espetáculo.

Academia de Música e Dança do Fundão em concerto na Covilhã. 18 MAI, 16h00, Igreja de Nossa Senhora da Conceição.

 

Rádio Cova da Beira

A Academia de Música e Dança do Fundão realiza domingo, dia 18 de Maio, às 16H, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição ao jardim público, na Covilhã, um concerto comemorativo do Dia Internacional dos Museus.

A convite da câmara municipal da Covilhã, a Academia do Fundão apresenta um espectáculo com a participação do coro e orquestra de guitarras da instituição. São interpretadas obras de Handel, Mozart ou Bach. Da actuação da orquestra de guitarras destaque para o momento dedicado a temas de José Afonso e Madredeus.

   

PROGRAMA

For the Beauty of the Earth     John Rutter

Why we Sing        Greg Gilpin

Sing for Joy        Georg Händel

Angel's Carol        John Rutter

The Skater’s Waltz       Émile Waldteufel

Sing Alleluia (In Music we Belong)     Janet Klevberg Day

Coro - Dir. João Correia

Piano - João Paulo Cunha

Sonata em Rém      Pe. António Soler 

Air        Johann Sebastian Bach

Salento      René Aubry

Eine Kleine Nachtmusik      Wolfgang Amadeus Mozart

 

Orquestra de Guitarras - Dir. Pedro Rufino

Coro e Orquestra de Guitarras

Sì Dolce é il Tormento      Claudio Monteverdi

Canção do Mar     Ferrer Trindade

Canção de Embalar     José Afonso

Haja o que houver      Madredeus

Manhã de Carnaval     Luiz Bonfá

Rosa Amarela      Heitor Villa-Lobos

Coro - Dir. João Correia

Orquestra de Guitarras - Dir. Pedro Rufino

Solistas: Paula Margarida (Violino), Patrícia Carvalho (Viola d’arco) Diana Santos (Soprano), Eduardo Marques (Trompete)

In: RCB

“MAIOMUSIcall”- 5ª edição.

O Conservatório Regional de Música da Covilhã (CRMC) apresenta ao longo dos meses de maio e junho a 5ª edição do projecto “MAIOMUSIcall” que integra um conjunto de actividades culturais cujo os principais interpretes são os alunos e professores da instituição.

O projeto pretende “imprimir uma dinâmica cultural com uma matriz de espectáculos diferenciada, direcionada a diferentes públicos, mas que não deixará de ser apelativa para a generalidade daqueles que têm o gosto pelas artes”, segundo a instituição covilhanense.

O espetáculos são cerca de duas dezenas e o primeiro teve lugar no domingo, dia 11, no auditório dos Unidos do Tortosendo. Seguem-se, domingo, dia 18, às 21h30, no Auditório Madalena Perdigão, o Concerto de Laureados do CRMC e na sexta, dia 23, no Espaço A / Plataforma d’Artes, o Recital de Antigos Alunos do CRMC, à mesma hora. Até final do mês, “MAIOMUSIcall” passa pelo Teatro Municipal da Covilhã (dia 30, com o Concerto de Professores do CRMC) e Freguesia da Boidobra (dia 31), com a Orquestra de Violinos do CRMC.

 

Novo álbum dos OqueStrada já se pode ouvir


O novo álbum dos OqueStrada, «Atlantic Beat - Mad´In Portugal», já se pode ouvir.
Para tal, basta seguir o link de Spotify. A edição está agendada para a próxima segunda-feira.
Os concertos de apresentação estão marcados para 22 de Maio na Casa da Música e 28 no Tivoli. «Atlantic Beat - Mad´In Portugal» sucede a «Tasca Beat» de 2009.

 

2º Concurso Nacional de Clarinete e Saxofone “Sons de Cabral”. Belmonte 11 a 13 JUL.

 

A Escola de Música do Centro de Cultura Pedro Álvares Cabral apresenta o 2º Concurso Nacional de Clarinete e Saxofone “Sons de Cabral”, que se realiza entre os dias 11 e 13 de Julho e terá lugar na Vila de Belmonte nas instalações da Escola de Música do CCPAC e no auditório do Museu Judaico de Belmonte.

O Concurso é aberto a todos os alunos com matrícula numa Escola, Academia ou Conservatório de música, tal como Universidade Nacional. São admitidos todos os que se enquadrarem nas seguintes categorias dos instrumentos: Clarinete e Saxofone.

O concurso está dividido em cinco categorias, todas elas na vertente solista. 1ª Categoria até aos 10 anos de idade (inclusive), à data do termo do concurso; 2ª Categoria de 11 anos de idade até aos 13 anos de idade (inclusive), à data do termo do concurso; 3ª Categoria de 14 anos de idade aos 16 anos de idade (inclusive), à data do termo do concurso; 4ª Categoria de 17 anos de idade aos 19 anos de idade (inclusive), à data do termo do concurso; 5ª Categoria de 20 anos de idade aos 26 anos de idade (inclusive), à data do termo do concurso.

O Júri será composto por:

Clarinete: - Luís Gomes, (Presidente do Júri)

- Amélia Gonçalves,

- Márcia Maurília Fernandes

Saxofone: - José Massarrão, (Presidente do Júri)

- Ricardo Craveiro,

- Dulcineia Guerra

Prémios

1ª Categoria:

1º prémio: Uma Partitura de Clarinete / Saxofone (Paleta dos Sons)

2º prémio: Conjunto de acessórios Music Gift (Paleta dos Sons)

3º prémio: Acessório Musical (Egitana Musical)

2ª Categoria:

1º prémio: 80 Euros

2º prémio: 50 Euros

3º prémio: 40 Euros

3ª Categoria:

1º prémio: 100 Euros

2º prémio: 75 Euros

3º prémio: 50 Euros

4ª Categoria:

1º prémio: 225 Euros

2º prémio: 100 Euros

3º prémio: 80 Euros

5ª Categoria:

1º prémio: 350 Euros

2º prémio: 225 Euros

3º prémio: 100 Euros

 

"Sons do Tempo" - Nova associação cultural na Covilhã.

Rádio Cova da Beira

Na Covilhã acaba de nascer uma nova associação cultural. Chama-se Sons do Tempo e nasce a partir de  um grupo de música tradicional, com o mesmo nome, que existe há cerca de um ano.

“Uma das ideias foi também projectar o grupo no sentido de atrair os mais jovens e por isso demos novas sonoriadades à música tradicional, por exemplo temos um saxofone, o que não é muito habitual”, explica António Leitão, presidente da assembleia geral da Associação criada no passado dia 3 de Abril, com o objectivo de “ensinar, preservar e divulgar a música tradicional portuguesa com vista à sua promoção sociocultural”. Para isso, é intenção da associação promover de dois em dois anos, nas escolas do concelho da Covilhã, uma semana dedicada à música tradicional “é uma semana, começa com conferências para a comunidade escolar sobre temas ligados à música tradicional, exposição de instrumentos tradicionais e ao mesmo tempo espectáculos”.

A primeira semana da música tradicional nas escolas deverá acontecer em Maio do próximo ano, mas já em Setembro, é intenção da associação começar a formação em instrumentos tradicionais para jovens a partir dos 9 anos “vamos ver se conseguimos arranjar instalações, porque as que temos dá para nós, mas queríamos desenvolver um projecto de uma amplitude maior que era abrir uma escola de instrumentos tradicionais que posteriormente farão parte de uma tuna juvenil”. 

Outra das iniciativas que a Associação pretende levar por diante designa-se “Um natal para todos”. A ideia é oferecer, na semana do natal, cinco concertos a instituições de solidariedade “já vamos começar este ano, em Dezembro, dirigi-lo aos bombeiros por causa de toda esta questão que houve de incêndios e despesas dos bombeiros e portanto as primeiras cinco corporações que aparecerem serão contempladas com estes concertos, completamente gratuitos”. 

A Associação Cultural de Música Tradicional Sons do Tempo vai ser apresentada no próximo mês de Junho no teatro municipal, conjuntamente com o seu primeiro trabalho discográfico que está neste momento a gravar: são 13 temas de música tradicional portuguesa de norte a sul do país e ilhas a que o grupo emprestou nova roupagem e sonoridade.

In: RCB

Lloyd Cole em Castelo Branco. Cine-Teatro Avenida, 11 MAI, 21h00.

Lloyd Cole é um artista gigante, mesmo. A sua carreira estende- se ao longo de décadas e o factor mais constante tem sido a integridade da sua visão artística e uma capacidade tremenda de não comprometimento da qualidade do seu material. Tem sido assim desde o início e quem tem ganho com isso têm sido as canções. É exactamente com a companhia desses 30 anos de canções que Lloyd Cole vem a Portugal, uma vez mais, para um encontro íntimo com o seu público, no momento em que apresenta novo trabalho que leva o título de Standards e que é inspirado pela vitalidade de Tempest, a mais recente criação de Bob Dylan. O álbum foi gravado com a ajuda da secção rítmica que marcou a primeira fase da sua carreira a solo - Fred Maher na bateria e Matthew Sweet no baixo - e teve ainda a colaboração de gente como Joan as Police Woman e até de Will Cole, filho de Lloyd, no baixo. No entanto, para este novo concerto em Portugal, Lloyd Cole escolheu vir sozinho, trazendo as suas canções até junto do seu público de uma forma mais despojada. O cantor garante ainda que apesar de parecer um formato em desuso, Standards ainda se assume com um álbum e não apenas como um conjunto de canções desgarradas. Há um som que liga todo o disco, mais eléctrico, e uma atitude que marca todas as canções.
Por isso mesmo é seguro dizer que este não é um cantor qualquer. Lloyd Cole tem pintado as suas canções com uma inteligência profunda, com referências literárias e cinematográficas que indiciam tratar-se de um criador de excepção. Tem sido assim desde os Commotions até às suas mais recentes criações, como Broken Record ou, já deste ano, Selected Studies Vol. 1, feito na companhia do grande nome da música alemã Roedelius. Dois discos que precedem o novo e invariavelmente excelente material de Standards. Juntamente com estas novas criações, Lloyd Cole traz as suas guitarras e também canções de sempre como “Are You Ready To Be Heartbroken”, para um espectáculo em que partilhará com o seu público num momento de particular intimismo, com as palavras a ganharem força tanto dentro como fora das canções, que Cole é um homem que gosta de comunicar. A não perder!
Entrada: €15,00
Duração: 2 partes de 45 min.
Classificação: Maiores de 3 anos