Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Síntese - Ciclo de Música Contemporânea da Guarda

O Teatro Municipal da Guarda em parceria com o Síntese - Grupo de Música Contemportânea organizam pelo sétimo ano consecutivo o Síntese - Ciclo de Música Contemporânea da Guarda. O ciclo arranca a 20 de Setembro com o grupo Performa Ensemble, num concerto que contará com a estreia absoluta de uma nova obra da compositora Sara Carvalho e ainda obras de António Pinho Vargas, Luís Carvalho, Francisco Monteiro, Sérgio Azevedo, Fernando Lapa e João Gonçalo Neves. Segue-se a 4 de Outubro a estreia absoluta de duas obras pelo grupo Síntese: … “in modo concertante”, de Sérgio Azevedo, uma obra concertante para violoncelo e grupo de câmara, dedicada à memória de Bernardo Sassetti, e “Narrativas”, de Duarte Silva, para quarteto de cordas. O ciclo termina a 19 de Outubro com outra estreia absoluta “Música de João Pedro Delgado – Canções e Instrumentos Solistas, obras para voz, piano, saxofone, violino, viola e violoncelo".
 

"Orquestras convidadas" para a Capital Europeia da Cultura


No âmbito do ciclo “Orquestras Convidadas”, a Capital Europeia da Cultura irá receber nos dias 07, 23 e 29 de Setembro, três orquestras sinfónicas vindas do Algarve, de Macau e do Porto. Os concertos irão ter lugar no Centro Cultural Vila Flor, a partir das 22:00

A orquestra do Agarve é a primeira a subir ao palco, já no próximo dia 07, sendo dirigida pelo maestro Pedro Neves. Todd Sheldrick será uma das presenças como trompa solista. Irão interpretar composições de Haydn (Sinfonia nº 6), de Mozart (Concerto nº 4) e de Schubert (6ªSinfonia).

Dia 23, a Orquestra de Macau, sob a direcção de Lü Jia, irá interpretar temas de Luís de Freitas Branco, Bruch e Bruckner, contando com as participações do pianista Adriano Jordão e do violinista Ning Feng.

Para encerrar este ciclo a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música apresenta um programa com composições de Haydn, Beethoven e Strauss.

Christoph König será o maestro, e Khatia Buniatishvili acompanha a orquestra ao piano.

 

Os bilhetes para assistir aos concertos encontram-se à venda nos lugares habituais e custam dez euros.

 

Luís Clemente venceu o Concurso Internacional de Direção de Orquestra Sinfónica em Budapeste

"O maestro Luís Clemente ganhou o 1.º prémio atribuído pelo maestro e solistas, no concurso internacional de direção de orquestra sinfónica em Budapeste. O concurso baseia-se no trabalho prático de direcção e interpretação, e existe desde 1998", lê-se no comunicado enviado, pela Banda Sinfónica da Covilhã, à Lusa.

O concurso, que contou com a participação de dez maestros de países, como a Itália, Coreia do Sul, Japão, Alemanha, Polónia, Tailândia e Estados Unidos, além de Portugal, foi coordenado pelo maestro Michael Dittrich, da Orquestra Sinfónica de Viena, e da Orquestra Sinfónica do Danúbio.

No mesmo comunicado pode ler-se que "A competição tem como base a prestação de cada maestro nos ensaios que decorrem durante duas semanas. O repertório deste ano foi a Sinfonia N.º 4 de Tchaikovsky, a Sinfonia N.º 4, de Mahler, e o Concerto para Violino de Tchaikovsky".

Esta vitória de Luís Clemente valeu-lhe um convite para dirigir a Orquestra Sinfónica da Hungria, na próxima temporada.

Luís Clemente frequenta, actualmente, o doutoramento em Direcção de Orquestra, na Universidade de Aveiro, é responsável pelo Centro de Estágio de Direcção de Orquestra de Sopros, e maestro da Banda Sinfónica da Covilhã, da qual assume, no próximo dia 10 de outubro, a direcção musical.

 

Morreu o compositor Emmanuel Nunes

Imagem do compositor retirada do youtube (foto )
 
Emmanuel Nunes (Lisboa, 31 de Agosto de 1941 – Paris, 2 de Setembro de 2012) o mais consagrado compositor contemporâneo português, morreu, este domingo, aos 71 anos de idade, num hospital em Paris. O compositor, radicado na capital francesa, venceu o Prémio Pessoa em 2000 e o prémio Composição da Unesco em 1999.
A obra de Emmanuel Nunes, repartida entre ópera, coro, música de câmara, é referenciada pelo partido que tira de conceitos como melodia e tonalidade e entre as suas obras principais contam-se «Litanies du Feu et de la Mer» e «Voyage du Corps».
O compositor era uma das mais relevantes figuras da música contemporânea europeia. Dividindo a sua vida entre Lisboa e Paris, Nunes começou por estudar harmonia e contraponto na Academia de Amadores de Música de Lisboa, e depois Filologia Germânica na Universidade de Lisboa.
Nunes estudou composição sob a orientação de Fernando Lopes-Graça até 1964, quando se exilou em Paris, por oposição ao Estado Novo. «Não havia mais nada que alguém me pudesse ensinar. E por isso saí do meu país. O meu estatuto político também me deixava inseguro e por isso passaram vários anos até regressar», disse, em entrevistas, o compositor português que em 1971 recebeu o Prémio de Estética Musical do Conservatório de Música de Paris.
Ao longo das décadas de 80 e 90, a obra de Nunes foi passando a constar de agrupamentos importantes de música contemporânea como o Ensemble Modern ou o Ensemble Intercontemporain e apresentada em salas e festivais de todo o mundo, como o de Paris, Edimburgo, Bruxelas ou Zurique. Atualmente, grande parte da sua obra tem sido objeto de atenção pelo Remix Ensemble, da Casa da Música.
O director artístico da Casa da Música defendeu que o Governo deveria fazer o possível para que os restos mortais do compositor Emmanuel Nunes, que morreu este domingo, em Paris, fiquem no Panteão Nacional.

Pág. 3/3