Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

FRC de "luto" - Falecimento do Sr. Horácio Marmelo dos Santos.

  

 

A FRC apresenta desde já, as sentidas condolências à família do Sr. Horácio Marmelo dos Santos.

 

Anunciamos a partida deste mundo terreno de um ente querido da FRC, muito conhecido pela Família Filarmónica do Concelho, que durante muitos anos, muito deu a esta colectividade como músico, director e "Amigo".

 

As exéquias fúnebres serão realizadas amanhã dia 25 de Abril pelas 16h00 na Igreja Matriz de Cortes do Meio.

 

Nesta data infeliz, deixamos uma pequena Homenagem (extraída do Jornal " A Clave", Ano I, Nº9, Edição de Dezembro de 2008) a um antigo Elemento e Director da FRC, actual "Amigo da FRC" e assinante do Jornal da FRC - "A Clave".

 

Entrevista a: Horácio Marmelo dos Santos, 60 anos.

 

Quando foi que ingressou na Filarmónica Cortense?

Foi no dia 7 de Agosto de 1977, e desde essa data em diante assumi muitas funções, como por exemplo, fui secretário, tesoureiro, presidente e acima de tudo músico.

 

Quais as recordações que guarda desse tempo?

As recordações são muitas e boas! Estava-mos no ano de 1977 e tudo começou com apenas 12 elementos, que, hoje já não se encontram ao serviço directo da banda. Mas que com toda a certeza, fazem parte da sua historia. Recordo-me por exemplo do Sr. Joaquim Afonso, executante de C. Baixo, do Sr. José Miguens Serra, no Clarinete em Sib, do Sr. Manuel da Silva, executante de trompa, do Sr. António, mais conhecido por António “cocho”, executante de trombone, do “ti” Silvino, nos pratos, do Sr. Jaime Moreno, a quem pessoalmente muito devo por me ter ensinado a tocar caixa, ao Sr. José Marques das Neves, o homem do bombo que já foi entrevistado também por vós, ao Sr. Joaquim Barata, executante de clarinete em Sib e a quem a banda muito deveu, porque era uma pessoa que estava sempre presente e dava muito apoio aos jovens músicos que iniciavam a sua aventura na musica. Recordo também o Sr. António, mais conhecido por António “pau preto” que também tocava bombo, e também o Sr. Joaquim Marques, regente da banda, que é familiar de alguns músicos que estão hoje na banda, e mais alguns de que agora não me recordo muito bem.

 

O que era para si, a Banda das Cortes?

A banda para mim, foi sempre como que uma segunda casa, na altura em que não havia sala de ensaios, cheguei a ceder um espaço em minha casa para se poder ensaiar. Eram outros tempos muito diferentes dos de hoje, as famílias dos músicos empenhavam-se muito em prol da banda, e como tal sou muito agradecido a todas as pessoas que trabalharam connosco. Posso dizer que havia muito mais carolice que hoje em dia, convivíamos muito mais, com jantaradas e bailaricos. No fundo era tudo uma brincadeira muito séria, e a brincar se foi crescendo e mantendo a banda em funcionamento. Trabalhei e trabalhámos muito enquanto direcção, mas desses tempos só tenho boas recordações.

 

Como vê a Banda das Cortes hoje?

Hoje em dia penso que as coisas mudaram um pouco, penso que devia haver um pouco mais de disciplina. Não que os músicos sejam desordeiros, mas sim porque por vezes, há faltas aos ensaios, às festas, e mesmo por vezes é preciso esperar por uns e outros para festas, e mesmo estando por fora, as pessoas apercebem-se disso. Gostaria que a sede que é o nosso grande sonho, e pelo qual tanto lutámos, finalmente fosse concluída. Penso que a Banda está um pouco mal apoiada financeiramente, e que devia de conviver mais com as pessoas de freguesia, ou seja promover mais concertos e já agora, repensar a volta da arruada porque, acho que esta não esta muito bem ajustada a nossa aldeia. Como sei que quer fazer alguns agradecimentos aqui tem a sua oportunidade. Quero agradecer a algumas pessoas do meu tempo em que a banda teve uma má fase, quando a emigração se fez sentir, onde praticamente de um conjunto de 26 elementos, ficaram apenas cerca de 12, em que inclusive tivemos de anular alguns contratos devido a essa onda de emigração que nos reduziu o número de elementos. Como tal tenho que elogiar o Sr. Américo Pereira que ficou à frente dos elementos, o Sr. José Joaquim que também fazia parte dessa direcção que juntamente comigo, Horácio Marmelo, ficou para que a banda não acabasse e desse continuação aos jovens que iam comparecendo no ensaio regido pelo Sr. Américo Pereira. Tenho em especial atenção, todos aqueles que de uma maneira ou outra nos ajudaram, como por exemplo, os irmos Costa Pais, a Penteadora, o Sr. Eng. Francisco Garrett que nos ofereceu toda a fazenda necessária para um fardamento na altura, entre muitas outras empresas que nos foram apoiando como por exemplo a Adega Cooperativa da Covilhã.

 

Quais os seus desejos para a Banda?

As maiores felicidades do mundo, e que corra sempre tudo bem a estes filarmónicos, e aos seus familiares. Da minha parte, um feliz Natal a todos os leitores.

Adriano Esteves

4º Moda e Música - Banda da Covilhã. Amanhã, Domingo, 25 de ABRIL, 21:30, Teatro-Cine da Covilhã. Entrada Livre.

Há alguns anos atrás seria impensável associar uma banda de música tradicional e o mundo da moda. Nunca como nos dias de hoje se apela à moda, mas também à música, que tem acompanhado os novos ventos, qualificando cada vez mais os seus recurso humanos, i.e. os seus músicos e quem os dirige. A Banda da Covilhã não quis ficar indiferente a uma realidade de uma cidade, como a Covilhã, com ampla tradição no mundo têxtil e tudo o que gira em torno dele, nomeadamente a moda. A criação do curso e do mestrado em Design de Moda na Universidade da Beira Interior, representam mais uma âncora de afirmação da cidade neste contexto. Já com 3 edições realizadas, o Moda e Música assume características particulares em várias vertentes: a primeira associada à música, que é a possibilidade de transformar uma banda tradicional numa verdadeira orquestra de música ligeira/big band; a segunda - a dinamização de casas comerciais da Covilhã; a terceira - a promoção e a divulgação dos recursos existentes ao nível do ensino através de uma parceria com a UBI; e por último a apresentação de estilistas conceituados ou novos criadores. Não podemos ficar indiferentes ao êxito alcançado nas anteriores edições, em que praticamente o Teatro Cine da Covilhã teve lotação esgotada. Mais uma vez, a edição deste ano surge integrada nas comemorações do 25 de ABRIL, com o patrocínio da Câmara Municipal da Covilhã. Terá lugar no domingo – dia 25 de Abril pelas 21:30 no Teatro-Cine da Covilhã com entrada livre, mediante o levantamento de bilhetes. Quanto ao programa: Música pela Banda da Covilhã sob a Direcção Artística de Eduardo Cavaco e Elmano Pereira. Na Moda, apresentação de coordenados das casas GUAPA, Tila Moda, Cristina Serra; Alunos de Design de Moda da UBI e Paulo Runa. Várias surpresas integrarão ainda o programa. Organização: Banda da Covilhã. Parceria – Universidade da Beira Interior. Produção: Paulo Runa. Patrocínio: Câmara Municipal da Covilhã. Apoios – FlorArt, Foto Cidade, Underline … Your Ideas. Breve apresentação dos cursos em Design de Moda e do contexto da participação em eventos: Existe actualmente uma imensa actividade de inovação e desenvolvimento de materiais e tecnologias têxteis, que tem criado novas funções para o vestuário e tem trazido novos valores para a moda. A Universidade da Beira Interior (UBI) reage a esta realidade propondo uma formação multidisciplinar em design de moda que visa responder às necessidades das empresas do sector e dos designers do futuro. Para esta formação, a UBI dispõe de estruturas de apoio que cobrem todo o processo tecnológico têxtil e de confecção, permitindo aos alunos manipularem os materiais nas suas diversas formas e explorarem livremente as tecnologias. Os alunos são estimulados a experimentar, desde a concepção até à materialização dos projectos. A UBI procura também estabelecer práticas de desenvolvimento de projectos em relação com o mundo da prática, onde se encontra a génese da cultura do Design. Esta relação com o mundo exterior inclui, entre outras actividades, parcerias com a indústria e participação em eventos. Levante já o seu bilhete.

 

A FRC agradece o Convite.