Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

Foto-reportagem Noite Etnográfica - CX Aniversário FRC

 

 

Fotos da Noite Etnográfica, inserida nas comemorações do 110º Aniversáro da Filarmónica Recreativa Cortense, realizada na noite do dia 13 de Novembro (Sexta-Feira) e que contou com as magníficas actuações do Rancho Folclórico dos Trigais e dos Bombos da Bouça. Para estes fica o Nosso encarecido e reconhecido "Bem Haja", pelo brilhantismo dado ás comemorações.

 

Blog da Filarmónica Caseguense

Adicionámos, á lista de links, o Blog da Filarmónica Caseguense.

Fica um breve historial desta nossa congénere.

 

 

HISTORIAL
Não se sabe ao certo em que data terá sido fundada a Banda Filarmónica de Casegas.  Presume-se que tenha aparecido por volta de 1879 uma vez que apareceu uma partitura com essa data. Esteve parada por duas vezes, sendo a última entre 1959 e 1974. De então para cá tem desenvolvido actividade regular, procurando melhorar as estruturas e toda a sua organização. Na década de 50 era basicamente composta por mineiros que trabalhavam nas Minas da Panasqueira e que apenas podiam ensaiar em fins de semana.
Presentemente é composta por cerca de 30 elementos, alguns do sexo feminino, o que não acontecia em outros tempos. A média de idades não vai além dos vinte e oito anos, podendo portanto afirmar-se que é uma banda jovem onde figuram alguns estudantes, operários da construção civil e outros. Alguns dos executantes são provenientes das vizinhas freguesias do Paúl, da Covilhã, de Unhais... num perfeito espírito de entendimento, desprovido de quaisquer bairrismos. A Banda é um núcleo de amizade entre gentes vizinhas.
Vive da quotização de alguns sócios, do produto proveniente de festividades em que participa e de pequenos subsídios atribuídos ocasionalmente por algumas entidades. Faz concertos gratuitos quando solicitada, participando em actividades organizadas por autarquias ou colectividades de índole cultural e social. Participou em encontros de Filarmónicas no Concelho da Covilhã, Penamacor, Sabugal, Moita e outros.
Por ela têm passado diversos Regentes Musicais. Neste momento é seu maestro António Manuel André. Com ele a Banda Filarmónica renovou, em qualidade e actualidade, toda a estrutura musical, mantendo um repertório moderno, aproveitando também o entusiasmo da gente jovem que a compõe. Uma das grandes dificuldades da Banda foi sempre a escolha de maestro, uma vez que na região são em número muito reduzido e envelhecidos. Nem sempre foi fácil procurarem-se no Concelho. É um esforço dispendioso, mas que não poderá deixar de ser feito.
O instrumental tem vindo a ser actualizado à medida das disponibilidades da Colectividade, mas o preço elevado não permite ir até onde seria necessário.A Direcção é composta por residentes na localidade, voluntários, que têm desenvolvido um trabalho de muito mérito que a generalidade da população aprecia.

Concerto Contra a Indiferença - Orquestra Metropolitana de Lisboa

 

A Fundação AMI completa, hoje dia 4 de Dezembro, 25 anos de existência.  Ainda que inicialmente se tenha exclusivamente dedicado à Assistência Médica Internacional, ao longo dos anos a sua área de intervenção foi-se tornando cada vez mais abrangente, não só por ter alargado o seu campo de acção a Portugal, hoje com 11 estruturas de apoio social em pleno funcionamento e duas em fase de construção, mas também por actuar em outros campos, todos eles directamente relacionadas com a saúde do Ser Humano (física, social, ambiental).
 
Fundada em 1984 pelo médico, cirurgião geral e urologista,  Fernando Nobre, esta Instituição, exclusivamente portuguesa, tem como preocupação central defender o ser humano contra a intolerância, contra a indiferença, as duas doenças mais graves da humanidade, na medida em que acredita que cada vida humana é única, insubstituível, digna de atenção e cuidado!
 
Numa altura em que a situação da pobreza em Portugal é cada vez mais preocupante, e o número de pessoas que recorre aos nossos equipamentos sociais tem vindo a aumentar dramaticamente,  resolveu assinalar o 25º aniversário da forma que entendeu que melhor poderia simbolizar a união solidária entre seres humanos.
 
Assim, para celebrar a efeméride, decidiu promover um concerto na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, no dia 11 de Dezembro, às 21h30.
 
Concerto Contra a Indiferença é um espectáculo da responsabilidade da Orquestra Metropolitana de Lisboa, que prontamente aceitou o desafio, oferecendo a receita total aos projectos da AMI em Portugal.
 
 

 

Programa:

 

Alexandre da Costa - Violino
Cesário Costa  - Direcção Musical
Eurico Carrapatoso (n. 1962) – A-ver-o-mar, Pequena Sinfonietta Marítima
Pablo de Sarasate (1844-1908) – Árias Ciganas, Op. 20
Camille Saint-Säens (1835-1921) – Introdução e Rondó Caprichoso, Op. 28
Béla Bartók (1881-1945) – Danças Folclóricas Romenas
Joly Braga Santos (1924-1988) – Divertimento n.º 1
Sergei Prokofiev (1891-1953) – Sinfonia Clássica, Op. 25
 
 
O preço dos bilhetes é de 5 a 7 Euros.
Não perca este evento.  Não perca esta oportunidade de contribuir para uma causa digna do seu empenho, celebrando 25 anos de dedicação a fazer a diferença no Mundo!
 
Para mais informações: Tel: 21 836 21 20    margarida.rosa@ami.org.pt    http://www.ami.org.pt    http://ami.blogs.sapo.pt/   

 

Bilhetes à venda:

 

FNAC, Ag. Abreu, Worten, C.C. Dolce Vita, Megarede, El Corte Inglés (Lisboa e Gaia). Na Aula Magna, apenas no dia do espectáculo, a partir das 16h. www.ticketline.sapo.pt. RESERVAS: 707 234 234.
 

 

Santa Bebiana 2009 - 4, 5 e 6 Dez. Paul (Covilhã)

SANTA BEBIANA

Na verdade, pouco se conhece da história da Santa Bebiana nesta vila, resultante de não existir um grande saber popular desta profanidade.
 


 

Infere-se que, é a padroeira do vinho, outrora festejada por pastores e agricultores, durante o mês de Dezembro. Face à escassez de registos quase inexistentes sobre este evento e avaliar pelo que dizem os mais idosos, os pastores andavam com o gado nos vales do Paul e arredores, colocavam os chocalhos na cintura e, com os ganhões, festejavam junto às pipas de vinho. Após a ronda por todos os pipos, faziam uma grande ceia, onde o mais atrevido pregava o sermão para os “irmãos” e rezava-se o Pai Nosso dos Bêbedos.


PROCISSÃO DE SANTA BEBIANA


A procissão de Santa Bebiana percorre as ruas da Vila do Paul até ao Largo da Praça. Os participantes vão munidos de copo e archote dando vivas à Santa. No meio, o andor com Santa Bebiana, o andor com o pipo e, mais atrás, um burro puxa uma carroça com um pipo que dá de beber a quem tiver sede.

via facebook

 

A festa da padroeira do vinho e dos bebedores é uma festa cheia de animação, artesanato e tasquinhas. E outras surpresas…
Tal como na edição anterior, a VELHA GAITEIRA e os TOK’AVAKALHAR associam-se à festa abrindo a sua tasquinha, desta vez num local diferente do ano passado.

A TOK’A DA VELHA estará aberta nos três dias de festa em sinal de devoção à Santa Bebiana.

Esperamos pela vossa visita.

Ministra da Cultura remodela directores regionais


Novos titulares das direcções regionais de Cultura, no âmbito de "uma nova orientação estratégica" do Ministério de Gabriela Canavilhas, no sentido "de lhes imprimir uma nova dinâmica". 

Pedro Pita, da direcção regional do Centro,com sede em Coimbra, é o único que é reconduzido, enquanto Dália Paula já havia sido anunciada para liderar direcção regional do Algarve dia 13, quando foi anunciado que o anterior titular, Gonçalo Couceiro, seria o novo director do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR).
Para a direcção regional de Cultura do Norte foi designada Paula Silva, que exercia as funções de directora dos Serviços dos Bens Culturais daquele organismo.
João Soalheiro, licenciado em Teologia pela Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, será o novo director regional de Lisboa e Vale do Tejo. Soalheiro exercia desde 2007 as funções de director do Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja, tutelado pela Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais, da Conferência Episcopal Portuguesa, e era membro do Conselho Consultivo do IGESPAR.
Para a direcção regional do Alentejo foi nomeada Aurora Carapinha, professora na Universidade de Évora, onde se doutorou em Artes e Técnicas da Paisagem.
Segundo fonte do Ministério, "não está ainda marcada data de posse dos novos responsáveis".
 

In: Hardmúsica

Ficam os nossos votos de um bom trabalho em prol da Cultura, ao recém reconduzido

Prof. Doutor António Pedro Pita, como Director Regional do Centro.

 

1/12/1944 - 1/12/2009 - 65º Aniversário da "Banda da Covilhã". Parabéns!!!

Associação Recreativa Musical Covilhanense (Banda da Covilhã)
 
 

A Associação Recreativa Musical Covilhanense “Banda da Covilhã” foi fundada em 1 de Dezembro de 1944.

Ao longo destes anos participou em vários festivais, conjuntamente com algumas Bandas de grande prestígio musical, percorreu também várias cidades, vilas e aldeias de Portugal, fazendo muitas actuações e levando a conhecer a cidade da Covilhã.

Em 5 de Maio de 1992 esta Associação foi vítima de um violento incêndio que destruiu a sua sede, deixando apenas as cinzas de todo o seu instrumental e de todo o património valoroso existente nesta Associação. Com o aparecimento do dia, um amigo desta Associação dizia: “ A Banda ardeu, mas não morreu”. Então a actual direcção em conjunto com os músicos e amigos da Associação e com as entidades oficiais, nomeadamente a Turiestrela, que de imediato dispensou duas salas do seu edifício para recomeço dos trabalhos, o Governo Civil de Castelo Branco, a Câmara Municipal da Covilhã, Juntas de Freguesia, o Inatel, Secretaria de Estado da Cultura, duas Empresas Fabris, população em geral e ainda muitas associações de Portugal Continental e Ilhas, tornou possível que em 20 de Outubro de 1992 a Banda da Covilhã saísse para a rua entoando o seu novo repertório e agradecendo a toda a comunidade.

Em 1 de Dezembro de 1992, aquando da comemoração do seu aniversário, a Câmara da Covilhã inaugurou a nova sede, cujas instalações foram cedidas por esta entidade.

Presentemente a Banda da Covilhã, vive um momento de renovação. A Escola de Música encontra-se numa fase de reestruturação, após 2 anos de interrupção, o que levou à perda de muitos jovens músicos. A banda em si passa por um projecto diferente – avançando com a génese da Orquestra de Sopros da Beira Interior. Conta com o apoio do Conservatório Regional de Música da Covilhã e da Escola Profissional de Artes da Covilhã - EPABI. Muitos dos seus músicos são alunos destas instituições e colaboram com a Banda. É seu Director Musical – o Prof. José Eduardo Cavaco desde 1 de Julho de 2005.

Pág. 3/3