Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

CURIOSIDADES - FREGUESIA DE MATA - LOCAL ONDE ESTAREMOS A ACTUAR NA 2ª FEIRA DE PÁSCOA

Presidente
Joaquim Manuel Antunes Faustino

Junta de Freguesia
Rua da Fonte - 6005-250 Mata
Telefone - 272 467196

 
  Região habitada desde tempos muito remotos. Esta antiga freguesia era curato da apresentação dos fregueses, no termo de C. Branco. Orago – Santa Margarida. Até finais do séc. XV, inicio dos século XVI estava dependente da freguesia de Escalos de Cima. Em 1757 tinha 45 fogos. Em 1960 – 1132 habitantes e 365 fogos.

 

   
 
 

Toponímia: Designação ligada ao povoamento florestal da área.

Património Cultural :

Igreja Matriz, Capela de S. Pedro e cruzeiro

Gastronomia: Serrabulho ou laburdo, arroz de tripas, enchido, cabrito no forno, borrachões, bolos de azeite, broas de mel, bolos de ovos e cavacas

Doçaria: Filhós Fritas, Biscoitos de Azeite, Broas de Mel, Bicas, etc...

Festas e Romarias: S. Domingos (4 de Agosto) e Nossa Senhora das Neves (5 de Agosto)

Orago – Santa Margarida.

 

O cobrão é o nome que o povo dá a uma doença de pele caracterizada pelo aparecimento de pequenas vesículas que surgem, segundoa a crença, devido à circunstância das roupas interiores, quando se encontram a secar, terem estado em contacto com qualquer bicho peçonhento: cobra, osga, lagarto ou lagartixa, bichos esses que nelas deixaram, como se diz em Cebolais de Cima, o seu rastejo. É o veneno contido nesse rasto que, em contacto com a pele, desencadeia a doença.

Para curar o doente repetia-se esta fórmula:

 

Eu te rezo cobrão,
Com palha de alho
E gume de navalha
E gume de malho,
Para que não cresças,
Não enverdeças
Não ajuntes o rabo com a cabeça

(A.A.C.)

A curandeira reza em seguida um padre-nosso e uma Avé-Maria, oferece as orações a S. Silvestre, acrescentando: "em louvou de S. Silvestre/para que este cobrão seque".
Depois reza outro Padre nosso e outra Avé-Maria e oferece-os em "louvor das pessoas divinas da Santíssima Trindade, que se elas quiserem, pode curar este cobrão para que este corpo viva em liberdade".
Reza-se por fim outro Padre nosso e outra Avé-Maria e oferece-os em "louvor das chagas de Cristo Nosso Senhor", dizendo: "Jesus Cristo, cura este cobrão tem curado, como se curaram as tuas cinco chagas em Belém. Fico por conta de Deus. Amén."
Todo este formulário se repete durante três dias e mata-se o cobrão também por três vezes batendo com um malho num pau.
Neste fórmula as últimas palavras" não ajuntes o rabo com a cabeça" evidenciam o tumor da crença que a pessoa morrerá se o cobrão fechar um anel em volta da parte do corpo atingida pelo mal. O gesto enfeitiçante ou de possessão para desligar a pessoa da doença é aqui feito pelo bater três vezes com um malho num pau. A eficácia dos ritos verbais depende da sua repetitividade . Nesta fórmula, o número de vezes que as palavras devem ser repetidas, bem como o gesto enfeitiçante para que a sua eficácia se manifeste é de três – número de perfeição segundo alguns autores, símbolo sexual para Freud, número ligado às três pessoas da Santíssima Trindade, para outros autores.