Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Filarmónica Recreativa Cortense

Filarmónica Recreativa Cortense

Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

"Sons na Serra - Café Concerto" com Daniel Catarino

DSCF9581.JPG

No passado sábado, subiu ao palco do "Sons na Serra" Daniel Catarino. O cantautor alentejano, natural do Cabeção, presenteou o público presente com os seus originais.

Mais um café concerto que marca o início do novo ciclo de cafés concerto.

Novidades em breve :)

DSCF9575.JPG

 

DSCF9576.JPG

 

DSCF9577.JPG

 

DSCF9578.JPG

 

DSCF9579.JPG

DSCF9582.JPG

 

Filarmónica Recreativa Cortense - 120 anos

banner 120.jpg

Rezam as crónicas que há 120 anos atrás, neste mesmo dia, era fundada a Filarmónica Recreativa Cortense - o maior embaixador de Cortes do Meio.

Na altura formada na sua maioria por populares que não sabiam ler nem escrever, mas aprenderam e sabiam ler uma pauta de música.

Aos fundadores, a nossa Homenagem e admiração pela coragem que tiveram, por conseguirem numa altura cheia de dificuldades e obstáculos, por de pé uma obra cultural, que passados mais de 100 anos, continua a trilhar o seu caminho.

Parabéns a nós, parabéns Filarmónica Recreativa Cortense!

"Sons na Serra - Café Concerto" com Daniel Catarino

WhatsApp Image 2019-10-15 at 16.29.54.jpeg

E no próximo sábado, dia 9 de Novembro regressam os "Sons na Serra - Café Concerto".
Este primeiro café concerto do novo ciclo de concertos, pretende continuar a apostar num ambiente intismista e acolhedor, onde ao mesmo tempo podem ser degustados e apreciados vários petiscos, enquanto se assiste à um concerto de música ao vivo.
Desta vez sobe ao palco Daniel Catarino, um cantautor natural de Cabeção, uma vila do Alto Alentejo.
Presença habitual pelos palcos nacionais com cerca de 60 concertos por ano desde 2011, está neste momento a promover o seu mais recente trabalho de originais "Sangue Quente Sangue Frio", disco que sucede a "Bens Que Vêm Por Mal" (2014), "Songs From The Shed" (2015) e "Panorama de uma Vida Anormal" (2017).
Garantidamente mais um espetaculo a não perder.

Café concerto com Daniel Catarino

WhatsApp Image 2019-10-15 at 16.29.54.jpeg

E o novo ciclo de cafés concerto vão recomeçar já no próximo dia 9 de Novembro.

Desta vez o convidado a subir ao palco do "Sons na Serra" é Daniel Catarino.

Daniel Catarino é um cantautor natural de Cabeção, uma vila do Alto Alentejo que não fica de caminho para lado nenhum.
Enquanto a cassete de Creedence Clearwater Revival rodava em modo infinito na Vanette do pai, foi através da antena parabólica da loja de electrodomésticos da família - e do rádio-despertador na mesa de cabeceira - que acabou por conhecer muita da música que o viria a incitar à composição.
Para além da sua terra natal, viveu em Évora, Dublin, Portimão, Nossa Senhora de Machede, e é agora como habitante do Porto que edita "Sangue Quente Sangue Frio", disco que sucede a "Bens Que Vêm Por Mal" (2014), "Songs From The Shed" (2015) e "Panorama de uma Vida Anormal" (2017), mas que Catarino assume como “um novo primeiro disco”.
Presença habitual pelos palcos nacionais com cerca de 60 concertos por ano desde 2011, acabou por se perder numa digressão pela Alemanha em 2015.
Como viajar sozinho não tem a mesma graça, apresenta-se agora em trio, acompanhado de Manuel Molarinho no baixo (O Manipulador, Baleia Baleia Baleia, Madrasta, Burgueses Famintos) e Xinês na bateria (Awaiting The Vultures, Ao Lado, 1986), bons amigos que trazem mais rock para o seu cançonetismo de rebeldia poética adulta.
Pelo caminho abandonou os pseudónimos com que assinava a sua música (Landfill, Long Desert Cowboy e Oceansea), fundou as bandas Uaninauei, Bicho do Mato, Alentexas, Cajado, O Rijo, Seven Thousand e Ao Lado, bem como a editora e produtora de eventos Capote Música.

Sons na Serra - Café Concerto com Daniel Catarino

WhatsApp Image 2019-10-15 at 16.29.48.jpeg

Daniel Catarino é um cantautor natural de Cabeção, uma vila do Alto Alentejo que não fica de caminho para lado nenhum.
Enquanto a cassete de Creedence Clearwater Revival rodava em modo infinito na Vanette do pai, foi através da antena parabólica da loja de electrodomésticos da família - e do rádio-despertador na mesa de cabeceira - que acabou por conhecer muita da música que o viria a incitar à composição.
Para além da sua terra natal, viveu em Évora, Dublin, Portimão, Nossa Senhora de Machede, e é agora como habitante do Porto que edita "Sangue Quente Sangue Frio", disco que sucede a "Bens Que Vêm Por Mal" (2014), "Songs From The Shed" (2015) e "Panorama de uma Vida Anormal" (2017), mas que Catarino assume como “um novo primeiro disco”.
Presença habitual pelos palcos nacionais com cerca de 60 concertos por ano desde 2011, acabou por se perder numa digressão pela Alemanha em 2015. Como viajar sozinho não tem a mesma graça, apresenta-se agora em trio, acompanhado de Manuel Molarinho no baixo (O Manipulador, Baleia Baleia Baleia, Madrasta, Burgueses Famintos) e Xinês na bateria (Awaiting The Vultures, Ao Lado, 1986), bons amigos que trazem mais rock para o seu cançonetismo de rebeldia poética adulta.
Pelo caminho abandonou os pseudónimos com que assinava a sua música (Landfill, Long Desert Cowboy e Oceansea), fundou as bandas Uaninauei, Bicho do Mato, Alentexas, Cajado, O Rijo, Seven Thousand e Ao Lado, bem como a editora e produtora de eventos Capote Música.

Trabalhos de remoção do material publicitário "Pastores 2019"

received_1477885095711283.jpeg

À semelhança dos anos anteriores, ontem foi dia de retirar o material publicitário utilizado na promoção do evento, nomeadamente os pendões e as tarjas distribuidas pela região.

Apesar do material ter a indicação de "material reciclável", não ficariamos plenamente descansados se não procedessemos desta forma. Fomos nós que colocamos, somos nós que retiramos.

Pastores 2019

Pastores 2019.jpg

De coração cheio...

É assim que estamos após mais uma edição de “Pastores”, a quarta…

Quem diria que seria possível um evento com toda esta grandiosidade, que une todo um povo em torno de um objetivo único… Homenagear a História e Tradição de um Povo!

Com a experiência das edições realizadas, sentimo-nos cada vez mais preparados para continuar a melhorar os pontos que ainda há a melhorar, sem nunca perder o foco no que realmente queremos, uma festa “genuinamente genuína” onde se Honra a História e onde se promove o que temos de melhor.

Um agradecimento a todos quantos trabalharam para que esta quarta edição fosse um sucesso, em especial a quem teve os seus abrigos durante o evento e a quem participou no maior desfile de chocalhos jamais realizado em Cortes do Meio.

Por fim um agradecimento aos milhares que nos visitaram, a quem deixamos a garantia… Para o ano será ainda melhor…

Pastores 2020 – 2, 3 e 4 de outubro de 2020!

Reunião com todos os intervenientes da edição 2019 de "Pastores"

Como é habitual, após cada edição, a organização reúne com todos os intervenientes, de forma a perceber o que correu bem e menos bem, e desta forma começar a preparar e a trabalhar já na 5ª edição, que será nos dias 2, 3 e 4 de Outubro de 2020.

IMG_20191008_212713.jpg

Um enorme agradecimento a todos os que confiam no nosso trabalho, e ano após ano, animam cada recanto da aldeia com o seu abrigo. Sem vocês nada disto seria possível!

IMG_20191008_212739.jpg

Por fim deixar a nota que toda a organização trabalha neste evento de forma completamente gratuita, abdicando muitas vezes de dias de férias, para que todas as condições estejam reunidas para quem tem o seu abrigo, e para as milhares de pessoas que nos visitam.