Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!

.

Telemóvel:

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *

.

Morada:

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã

.

Endereço eletrónico:

filarmonicacortense@iol.pt


Maestro: Fábio Daniel Esteves Pereira

Fábio Daniel Esteves Pereira nasceu a 28 de maio de 1986. É natural de Unhais da Serra mas cedo veio morar para a freguesia de Cortes do Meio.

Iniciou os estudos de formação musical e instrumento em 1997 na Filarmónica Recreativa Cortense como saxofonista com o maestro António Pão-Alvo.

Em 2000, sob a tutela do Pe. José António Loureiro Pinheiro toma parte da direcção artística do grupo Chama de Deus.

Em 2003 foi seleccionado para a Orquestra de Jazz do Centro, um masterclass jazzístico leccionado por Paulo Perfeito.

No âmbito do projecto Covilhã Filarmónico teve diversos estágios com professores de academia e conservatórios locais.

Em 2010 inicia os estudos em direcção de orquestra de sopros no CEDOS (Centro de estudos de direcção de orquestra de sopros) com os professores Luís Clemente em direcção e análise musical, Carlos Amarelinho em orquestração e Paulo Ramos em formação musical e auditiva.

Conclui o curso médio com 16 valores. Durante o curso médio trabalhou com as bandas da Covilhã, Ponte do Rol, Belinho, Cabreiros, Mafra, Banda Sinfônica da Covilhã.

No mesmo período lectivo obteve o primeiro prémio no concurso de direcção do ENOS ( Estágio Nacional de Orquesta de Sopros) Esposende.

Em 2013 iniciou os estudos em direcção de orquestra na academia de direcção da ACO ( Atlantic Coast Orchestra) com os professores Luís Clemente e Colin Metters em direcção de orquestra, José Fayos Jordan e Roberto Fiore em orquestração, Paulo Maciel e Jaime Branco em formação musical e auditiva. No mesmo ano começou a trabalhar na escola de música da Filarmónica Recreativa Cortense.

Dirigiu ensemble da ACO, orquestra sinfonica da ACO, Banda Nova de Manteigas e orquestra de sopros do ENOS Portel, EPABI e Escola Profissional de Seia.

Finalizou o curso superior da academia de direcção da ACO com 17 valores.

Em 2017 tomou posse da direcção artística e musical da Filarmónica Recreativa Cortense e deu início ao processo de equivalência de licenciatura na ABRSM (Associeted Board of the Royal Schools of Music).


Corpos Socias - triénio 2017/2019

Assembleia Geral:

Presidente: Marco Alves;

Vice Presidente: Joana Santos;

Secretário: Aline Miguens;

.

Conselho Fiscal:

Presidente: Bernardino Santos;

Vice Presidente: João Pedro Faisca;

Relator: Gabriel Vila;

.

Direcção:

Presidente: Alexandre Barata;

Vice Presidente: Adriano Esteves;

1º Secretário: Mafalda Santos;

2º Secretário: Flavio Inácio;

Tesoureiro: Francisco Pina;

Vogal: Leticia Vila;

Vogal: Steve Vila;

Vogal: Alexandre Barata;

Vogal: José Silva;



Mapa de actuações:

25-11-2017 - Encontro Filarmónico no Paúl;

.

17-12-2017 - Concerto de Natal na Igreja Paroquial de Cortes do Meio


Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

.

Os muitos e diferentes lados dos D.A.M.A.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 23.11.17

Sai esta sexta-feira o novo disco da banda lisboeta, que neste Lado a Lado se reinventa por completo, com um trabalho dividido em duas partes distintas: uma acústica e outra eletrónica

Mais de 40 mil álbuns vendidos, diversos discos de platina, concertos esgotados nas maiores salas do país e presença regular nos maiores festivais, assim se pode resumir em poucas palavras a carreira dos D.A.M.A. Apesar de surgidos em 2006, apenas três anos bastaram para tornar o trio composto por Francisco Pereira, Miguel Coimbra e Miguel Cristovinho num dos maiores fenómenos da pop nacional, como se comprova pelo décimo lugar do disco de estreia Uma Questão de Princípio, editado em 2014, na lista dos álbuns mais vendidos de sempre em Portugal. Logo no ano seguinte, lançaram o segundo registo Dá-me Um Segundo, com os dois trabalhos a ombrearem, lado a lado, durante algum tempo nas tabelas de vendas e dos temas mais ouvidos. Seria portanto fácil manter a fórmula deste sucesso, apostando em canções pop perfeitas, como Às Vezes ou Não Dá que são já a imagem de marca dos D.A.M.A., mas o grupo decidiu agora arriscar, com um "álbum concetual", como os próprios definem o novo trabalho Lado a Lado, que sexta-feira chega aos escaparates. "O sucesso é um conceito muito ilusório. É necessário jogar bem com isso, para a nossa música poder chegar ao maior número de pessoas, mas não podemos ficar reféns do êxito. O nosso objetivo, enquanto artistas, não é ter o maior sucesso possível, mas sim que quem nos ouve goste daquilo que nós somos e este é um álbum muito verdadeiro", diz Francisco Pereira, mais conhecido por Kasha.

De facto, se algo se pode dizer dos D.A.M.A. é que não têm propriamente um estilo próprio, pois na sua música tanto convivem o hip-hop, o rock ou a pop, como os próprios assumem. "Quando estamos a compor funcionamos muito música a música, sem estarmos propriamente a pensar em como irá soar o álbum", revela Miguel Coimbra. Um método de trabalho com bons resultados, até agora, mas que a banda decidiu alterar neste novo disco, composto por dois lados completamente distintos, um primeiro mais acústico e orgânico e um segundo mais eletrónico e dançável. "Foi a forma que encontrámos para melhor definir a atual identidade do grupo, porque ambas as facetas nos representam. Estes dois lados andam lado a lado em nós", confessa Miguel Cristovinho, revelando que "o disco foi todo feito em casa do Miguel [Coimbra]". "Foi muito engraçado porque nós os três, enquanto banda, funcionamos muito como família e este álbum foi também, todo ele, literalmente feito em família". A capa foi desenhada pelo irmão de Miguel Coimbra, que também escreveu alguns temas, nalgumas canções ouvem-se as vozes dos outros irmãos e, pela primeira vez, até alguns dos músicos cantam. Quanto à produção, foi também ela feita pela banda, "em parceria com amigos" como Diogo Clemente e Pedro Serraninho. "Ou seja, chamámos todas as pessoas que estão à nossa volta, a nossa família mais alargada, como costumamos dizer, para nos ajudar. Não foi uma opção, aconteceu assim, talvez fruto do momento que estamos a atravessar na vida, muito mais sereno", explica Miguel Cristovinho.

O Lado A abre com Oquelávai, um dos temas mais parecidos com os anteriores dos D.A.M.A., que fala sobre a passagem do tempo, com um olhar nostálgico sobre o passado e serviu para a banda resgatar também uma linha de piano de uma das suas primeiras composições, com cerca de dez anos. "Estávamos a fazer esta música e lembrámo-nos desse piano. Não só encaixava muito bem, como também fazia uma ligação à letra, por remeter para as nossas primeiras canções, que só tocavam na rádio do nosso colégio", diz Francisco. Outra das canções em destaque neste Lado A é Friozinho na Barriga, que além de ter tudo para ser um dos hits radiofónicos dos próximos tempos, continua ainda a tradição de ter um convidado vindo do outro lado do Brasil em cada disco dos D.A.M.A. Neste caso trata-se de Diogo Nogueira, cantor de samba do Rio de Janeiro, este ano nomeado para três Grammys, que sucede assim a Gabi Luthai e a Gabriel O Pensador. "A voz dele é perfeita, porque é um tema que mistura fado, samba e bossa-nova, que já tínhamos escrito há mais de dois anos", salienta Miguel Coimbra. Essa é, aliás, outra das características do grupo: são compositores compulsivos, como sublinha Francisco: "Estamos sempre a fazer música. Só deste álbum ficaram de fora para aí dez temas". Já quase dá para outro, é caso para dizer. "Ou não", corrige o músico, "porque entretanto, quando lançarmos o próximo disco, já fizemos muitas mais". Outra particularidade tem que ver com o facto de, pela primeira vez, haver canções em que apenas canta um dos três, como acontece em Volta e Meia, também do Lado A, segundo a banda "a favorita das miúdas românticas". "Tentámos também não ficarmos preso às métricas e estruturas clássicas, ao agora canto eu, a seguir cantas tu, e isso é fruto do nosso à-vontade enquanto grupo".

É no entanto no Lado B que as maiores diferenças em relação ao passado se sentem, em temas como Pensa Bem, feito em parceria com Profjam ou Miúdas como Tu. De acordo com Miguel Cristovinho terá sido mesmo este último tema que "deu o toque" ao grupo para arriscar no tal Lado B mais digital. "Nunca tínhamos feito uma música sem guitarra e percebemos que isso era possível. Só quando conseguimos sair para fora de pé é que percebemos até onde conseguimos ir."

E aqui chegados, é tempo de perguntar, mais de dez anos depois de terem começado a tocar juntos, na tal rádio do colégio, o que mudou com o sucesso? "Mudou muita coisa, especialmente a forma como nos expressamos artisticamente e isso nota-se neste álbum, mas não mudou o espírito com que encaramos a música. No final do dia somos os mesmos três putos que iam para a cozinha tocar guitarra e fazer música, como ainda ontem o fizemos".

In: DN

Autoria e outros dados (tags, etc)

6º Festival Internacional de Músicas Antigas. 24 NOV a 9 DEZ, Idanha-a-Nova.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 22.11.17

O Fora do Lugar – Festival Internacional de Músicas Antigas realiza-se em Idanha-a-Nova, entre os dias 24 de novembro e 09 de dezembro, e apresenta nomes como Pino De Vittorio ou Danças Ocultas.

A sexta edição do Fora do Lugar volta a Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, com música, histórias, passeios, desenho, viagens, conversa, troca e aprendizagem.

“Há dois anos, o Fora do Lugar foi o palco de uma boa nova. Hoje, é novamente o palco onde celebramos o segundo aniversário enquanto Cidade Criativa da Música pela UNESCO, cruzando conceitos, práticas e territórios que refletem uma vocação integradora, visível à escala global”, explica, em comunicado, o diretor artístico da iniciativa, Filipe Faria, um dos responsáveis do projeto Arte das Musas e do agrupamento Sete Lágrimas.

Resultado da parceria entre a produtora Arte das Musas e o Município de Idanha-a-Nova, o festival conta ainda com o apoio do Ministério da Cultura e da Direção Geral das Artes, assumindo-se como uma proposta do mundo rural virado para o país, para a Península Ibérica e para a Europa.

“Recebemos, em 2017, o mestre italiano Pino De Vittorio, no encerramento, as Danças Ocultas na abertura, o pianista Filipe Raposo a acompanhar, improvisando, um outro grande mestre Charlie Chaplin e os seus ‘Tempos Modernos’, dois projetos da nova geração da Nova Música Antiga europeia – Scaramuccia e Musick’s Recreation – e um projeto especialmente concebido para o Festival, Erin/Iran? uma viagem da Irlanda ao Irão pelos seus intérpretes”, refere Filipe Faria.

A par da programação principal com Danças Ocultas (Portugal), Musick’s Recreation (Alemanha, Colômbia e Austrália), Scaramuccia (Portugal e Espanha), Erin/Iran (Irlanda, Irão, Catalunha e Hungria), Filipe Raposo e Charlie Chaplin (Portugal e Inglaterra) e Pino De Vittorio (Itália), o festival promove ainda um conjunto alargado de atividades paralelas nas áreas da natureza, desenho, programa educativo, ‘masterclasses’, ‘workshops’, gastronomia, entre outros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O “Y – Festival de Artes Performativas” apresentará nas cidades da Covilhã e Castelo Branco, entre 23 de novembro e 02 de fevereiro de 2018, dez espetáculos de música, teatro, dança e performance, anunciou a organização.

“Queremos dar visibilidade às diferentes disciplinas artísticas e fizemo-lo de uma maneira mais ou menos equilibrada, [pelo que teremos] quatro espetáculos de dança, quatro de teatro, um de música e outro que é dividido entre o teatro e a dança”, referiu Rui Sena, da Quarta Parede, associação com sede na Covilhã, distrito de Castelo Branco, que realiza este certame há 13 anos.

Destacando o “grande esforço” que tem sido feito para “manter vivo” este festival, Rui Sena também frisou a importância de este se realizar em cidades do Interior do país.

No que concerne à programação, o “Y – Festival de Artes Performativas” continuará a aliar o cruzamento das diferentes disciplinas artísticas com uma aposta nos novos criadores de arte contemporânea em Portugal e tem ainda a preocupação de integrar estruturas da região.

O festival conta ainda um eixo de programação artística pedagógica, denominado “Y – Públicos”, que integra encontros/reflexões entre espetadores e artistas, num conjunto de iniciativas que procuram afirmar o público como elemento participante, conforme referiu Sílvia Pinto Ferreira, assistente de programação.

Estão ainda previstas oficinas dramatúrgicas e ações de formação destinadas quer ao público em geral, quer para o público estudantil, desde o pré-escolar ao ensino superior.

Uma das ações prevê um encontro entre seniores e jovens, e outra desenvolver-se-á nas escolas do ensino pré-escolar, com especial incidência nas instituições que estão fora do núcleo urbano da cidade.

Nesta edição, optou-se também por estender a programação entre novembro e fevereiro, de modo a evitar uma oferta concentrada no tempo que, por motivos de agenda ou até mesmo económicos, pudesse dificultar a distribuição dos espetadores pelas diferentes apresentações.

Os espetáculos na Covilhã serão apresentados no auditório do Teatro das Beiras e a programação arranca no dia 23, às 21:30, com “Noiserv”, seguindo-se, no dia 29, à mesma hora, o espetáculo “Canas 44” pela Amarelo Silvestre.

No dia 05 de dezembro, às 14:30, realce para a apresentação de “Viúva Papagaio”, por Graça Ochoa e Alberto Carvalhal, e, no dia 07, às 21:30, a Companhia Paulo Ribeiro apresenta “Um solo para a Sociedade”.

A 16 de janeiro de 2018, às 14:30, Pé de Pano apresenta o espetáculo “Danças a Nascer” e, no dia 18, às 21:30, Hotel Europa sobe ao palco com “Portugal Não é um País Pequeno”.

Para dia 27 de janeiro, às 21:30, está marcado o espetáculo “Adapted to Y&Y”, de João Cardoso & Victor Gomes, e Mafalda Saloio apresenta “Brisa ou Tufão”, no dia 31 de janeiro, às 21:30.

Em Castelo Branco, as apresentações são às 21:30 no Cine-Teatro Avenida e estão marcadas para dia 19 de janeiro e 02 de fevereiro, respetivamente com Rui Horta e o espetáculo “Vespa” e com Mafalda Saloio e o espetáculo “Brisa ou Tufão”.

O orçamento desta 13.ª edição do “Y – Festival de Artes Performativas” é de 55 mil euros e conta com o apoio da Direção Geral das Artes e das Câmaras da Covilhã e de Castelo Branco.

O bilhete para o espetáculo de Noiserv custa 10 euros, com desconto de 50% para menores de 25 e maiores de 65 anos, estudantes e profissionais do espetáculo. Para os restantes espetáculos, o preço é de seis euros, sujeito aos mesmos descontos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Músicos pedem justiça nas plataformas digitais

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 15.11.17

A GDA - Cooperativa dos Direitos dos Artistas reivindica a presença dos artistas nas negociações e maiores receitas

"Este é um assunto em que os artistas não têm pegado individualmente, porque não traz vantagens quando a pessoa se assume junto da opinião pública e do meio. De maneira que não há muita gente a dar a cara por isto. Nós representamos quase seis mil artistas, cerca de quatro mil deles serão músicos, e a sensação que tenho é esta." Luís Sampaio, vice-presidente da GDA - Cooperativa de Gestão dos Direitos dos Artistas, Intérpretes ou Executantes, e músico dos Delfins até à extinção da banda, falava ao DN na véspera da Web Summit, onde a GDA terá um stand e uma causa: "um lugar ao sol na internet".

A GDA junta-se às vozes internacionais que pedem Fair Internet For Performers, causa que já chegou às Nações Unidas e às instituições europeias, e que reivindica a presença dos artistas à mesa das negociações entre produtores (editoras) e plataformas digitais de música como o Spotify ou o iTunes, assim como um pagamento mais justo a partir das receitas feitas com a sua música. Receitas essas que, segundo Luís Sampaio, tal como os números que espelham a difusão da música dos artistas, constituem um território "nebuloso", pouco transparente.

A GDA cita estudos segundo os quais de uma assinatura digital numa plataforma de música que custe 10 euros "em média a indústria recebe mais de 65%, os impostos cerca de 20%, os autores 10%... e os artistas, que a tocam e que a cantam, recebem menos de 5% da receita". "Ou seja, os artistas só poderão ganhar 100 euros se, e quando, as suas músicas forem ouvidas mais de um milhão de vezes em streaming gratuito", lê-se em comunicado. A cooperativa pede uma "remuneração única, inalienável, equitativa e sujeita a gestão coletiva necessária" numa altura em que se multiplicam os utilizadores destas plataformas. O banco de investimento GP Bullhound estima que, a longo prazo, o Spotify possa vir a ter um valor de 100 mil milhões de dólares, sendo que no final do ano ou início de 2018 este já deverá valer 20 mil milhões, segundo o mesmo banco britânico. Em julho, a plataforma tinha 60 milhões de utilizadores.

Afirmando que, neste caso, "os artistas são a parte fraca", Luís Sampaio explica que, nos contratos celebrados entre estes e as editoras, a questão da distribuição por parte das plataformas digitais ou não é contemplada ou, de uma maneira geral, não salvaguarda os interesses dos músicos. Além disso, à mesa das negociações entre editoras e plataformas digitais, "as editoras não representam os artistas", defende a cooperativa portuguesa, a par de outras associações internacionais congéneres. Uma alternativa a esta situação são as editoras independentes, de que há vários exemplos na música portuguesa, desde a La Folie Records, dos The Gift, à Enchufada de Branko (que fazia parte dos Buraka Som Sistema), ou a Príncipe Discos, de que fazem parte o DJ Marfox ou DJ Nigga Fox.

Sobre a necessidade de uma gestão coletiva da remuneração aos artistas em causa, Luís Sampaio justifica: "A negociar sozinhos não temos poder negocial para aplicar um preço que seja favorável, que seja justo."À espera de uma tomada de posição por parte do Estado português, o vice-presidente da GDA conta que a questão "já está em estudo há muito tempo, mas tardam as decisões". "Dizem-nos que estão à espera que haja uma posição central europeia", conclui.digitais

Autoria e outros dados (tags, etc)

Café Concerto com "O Homem da Montanha" - um sucesso

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 14.11.17

Integrado nas comemorações do 118º aniversário da Filarmónica Recreativa Cortense, decorreu na sua sede social, no passado dia 4 de Novembro, um Café Concerto com o conceituado Cantautor Covilhanense Flávio Torres.

Neste seu projeto "O Homem da Montanha", Flávio Torres revisitou versões de standards do blues, folk, rock internacional e nacional, inclusivé músicas mais contemporâneas num formato acústico destemido e original.

FB_IMG_1510308201480.jpg

 Foi uma noite com sala cheia, e com um ambiente formidável.

FB_IMG_1510308151780.jpg

FB_IMG_1510308154823.jpg

FB_IMG_1510308158153.jpg

FB_IMG_1510308160980.jpg

 

FB_IMG_1510308148756.jpg

Algumas imagens da transformação de que foi alvo o salão da sede da Filarmónica Cortense, para se tornar num espaço intimista e acolhedor.

FB_IMG_1510308163860.jpg

FB_IMG_1510308180816.jpg

FB_IMG_1510308167139.jpg

Podemos dizer que foi uma aposta ganha, e para 2018 estamos já a preparar um calendário inovador e arrojado.

Tal como o "Homem da Montanha" indicou, o Café Concerto "tem pernas para andar"...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Martin Harley. 10 NOV, 21h30, CCCCB.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 09.11.17

"Martin Harley é um dos valores do blues acústico que passou a fronteira de novo talento para artista de reputação mundial.
Exímio guitarrista, cantor e compositor de música acústica,
Martin Harley brinda-nos com um conjunto de canções que podiam bem fazer parte do universo das nossas vidas."

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sons à Sexta apresenta WHITE HAUS. 10 NOV, 22h30, Fundão.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 07.11.17

Uma vez por mês, o auditório d' A Moagem - Centro do Engenho e das Artes é palco da música portuguesa.

Em parceria com a Antena 3, o SONS À SEXTA apresenta as bandas mais tocadas e em destaque no atual panorama musical português. Com uma programação diversificada e para todos os gostos, pretende-se a divulgação, o convívio entre o público e a celebração da música!

Aceite o convite para uma paragem com um concerto...

Foto de Sons à Sexta.

 WHITE HAUS

João Vieira é dj, músico e produtor. Iniciou a sua carreira em Londres nos finais dos anos 90, onde trabalhou como DJ, músico e promotor de clubes. Em Portugal, editou 4 álbuns com X-Wife, banda que fundou e da qual é vocalista, guitarrista e co-produtor. Com o alter-ego White Haus, deu início à aventura da composição e produção electrónica. O resultado deste processo foi a edição de um ep em 2013, o álbum de estreia "The White haus Album" em 2014 e "Modern Dancing" editado em finais de 2016. "Modern Dancing" revela uma abordagem renovada das sonoridades electro-pop, funk, disco sound que já estavam no disco de estreia e agora ressurgem actualizadas e com carácter festivo, claramente orientado para as pistas de dança tirando partido de apelativas linhas de sintetizadores e baixo.

Dia 10 de Novembro pelas 22h30m o Sons à Sexta promete provar que a música electrónica portuguesa está de boa saúde com White Haus no palco d´A Moagem.

Pag: facebook.com/sonsasexta

Evento: facebook.com/events/1878771252439271

Video Promo: youtube.com/watch?v=6wp8p2lbglI

Bilheteira:

A Moagem - Centro do Engenho e das Artes

+Inf.  275 773 032 - 96 194 12 81

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto de Cultura Vibra_Castelo Branco.

António Oliveira nasceu no Porto; possui o diploma “Master of Music” pela Hartt School da University of Hartford na classe do Prof. Luiz de Moura Castro.

É professor de piano no Conservatório de Música do Porto. Tem realizado recitais a solo e de música de câmara em algumas das salas mais importantes do país e em Espanha, França, Alemanha, Finlândia, Canadá e Estados Unidos da América. Gravou para a RTP e RDP Antena2.

Mantém uma estreita colaboração com o clarinetista António Rosa, com quem gravou dois CD’s de Música Portuguesa do Séc.XXI.

Fez a estreia mundial do 1º Concerto para Piano e Orquestra do compositor Telmo Marques.

Em Julho de 2016, lançou “Chopin & Liszt”, o seu primeiro registo a solo.
Apresentou-se a solo com a Orquestra Clássica da Madeira, com a Orquestra do Norte, com a Fundação Orquestra Estúdio e com a Orquestra Sinfónica da ESART sob a direcção dos Maestros Rui Massena, Sandor Gyudi e Miguel Graça Moura.

Entrada Gratuita

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cultura Vibra - Patxi Andión. 2 NOV, 21h30, Cine Teatro Avenida

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 02.11.17

É longa e funda a relação do célebre cantor espanhol Patxi Andión com o nosso país. Remonta a 1969 e passa pelo Zip Zip e pelo enorme José Carlos Ary dos Santos que traduziu algumas das suas canções e as entregou à voz de Tonicha.

Nestas visitas a Portugal, Patxi aprendeu a nossa língua, facto de que se orgulha, e conheceu José Afonso, o “amigo Zeca”, como a ele se refere hoje. Nas canções de protesto de Zeca conheceu melhor o país que se ergueu contra a ditadura. Patxi travou conhecimento com José Afonso nos estúdios da Tóbis onde se gravava o histórico Zip Zip e no mesmo dia foi expulso do país pela PIDE que lhe condenava as amizades e certamente as palavras que traduziam as suas ideias de liberdade.

Diz Patxi que estes concertos não pretendem ser uma homenagem, antes um reconhecimento: “há muito da vida e da obra de Zeca que vive em mim”, garante Patxi Andión. Uma das maiores vozes de Espanha a cantar a obra de um dos maiores génios da canção portuguesa: não é possível pedir mais em ano tão especial.

Entrada: €12,00 - €10,00 Primeiros 100 Bilhetes Vendidos

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sara Tavares voltou e canta feliz como um puto atrás da bola

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 30.10.17

Para trás ficou a miúda que queria ter nascido na América, e que cantou mornas para se justificar. Sara Tavares nunca soou tanto a si própria. Fitxadu aparece depois de oito anos sem um disco, quando a vontade de cantar regressou, e com uma doença que lhe poderia ter tirado a voz pelo meio. Então juntou-se a Paulo Flores ou Toty Sa"Med para fazer música como "Eusébios e Pelés".

Quase deixámos de poder ouvir Sara Tavares. "Não queria fazer música, estava desmotivada, fiquei muito cansada com as tournées, não tinha vida. Sonhei muito com isto, fiz isto, e agora via-me do outro lado, a olhar para cá. Pensava que podia compor para outros, produzir, também vivi no campo, dois anos. Dar a cara tira muita energia, dares de ti, da tua vida verdadeira: sai-te mesmo da pele." Além disso, um tumor benigno que lhe apareceu (e depois reapareceu) no cérebro poderia ter-lhe roubado a voz. "Pensei que podia ser massagista, agricultora, tenho outros talentos. Houve uma parte quando estive doente em que havia a eventualidade de poder deixar de usar a fala. Podia sempre escrever, desenvolver a parte de compor."

Sara Tavares tem agora 39 anos. O país conheceu-a era ela uma miúda de 15 anos que vivia em Almada e queria ser como a Whitney Houston: "bonita, generosa, e rica". Foi a cantar uma música de Whitney que venceu o programa televisivo Chuva de Estrelas. Ri-se quando lhe lembramos esses adjetivos e fala da América, "única terra em que via os negros a serem bem-sucedidos. Olhava para aqui e só via o Eusébio, não havia outros negros na televisão." Sara, como quase toda a gente, demorou a chegar à sua pele. Agora que chegou, canta tudo isso num elétrico, feliz, urbano, e dançável Fitxadu, pelo qual esperámos oito anos. E quando, na Casa Independente, apareceu a dançar num concerto para amigos com Onda de Som, que abre o disco, dizia-se nervosa, pois havia quase um ano que não subia ao palco.

Em Fitxadu compôs, cantou e tocou com Paulo Flores, Toty Sa"Med , Loony Johnson, os ex-Buraka Som Sistema Kalaf Epalanga, João Pires, ou Conductor, ou o rapper Virgílio Varela; momentos em que, escreve no booklet do álbum, "andamos ali a correr como putos atrás da bola, e somos todos Eusébios e Pelés". Perguntamos-lhe o que é isso, e ela refere "aquelas fotografias das revistas de música" em que vemos Bob Marley ou Mick Jagger em plena sintonia com o seu público. E continua: "É aquela zona da alegria, do êxtase. Teres o som a passar por ti e passares a bola para outro, é um prazer indescritível."

O que a fez regressar? "Sempre que vejo uma pessoa a passar num carro e a curtir a música." E, claro, depois existem as músicas, que, conta ela na sua voz muito calma, vão aparecendo. Sara agarra no telemóvel e mostra a aplicação Dictaphone. Passa por uma lista enorme onde vemos passar Coisas Bunitas, que faz parte do álbum. Paramos em janeiro de 2016 e Sara põe a tocar uma canção que fez com os rappers Beware Jack e Double (Virgílio Varela) e que não terminaram.

A música de uma Lisboa africana

Em tempos ela disse-se portuguesa, depois cabo-verdiana, e ainda afro-portuguesa; hoje, quando é preciso dizer de onde vem, Sara diz-se "lisboeta, com muito orgulho". Filha de cabo-verdianos, só conheceu o país depois de ter vencido o Chuva de Estrelas, e só então começaria a falar o crioulo (que já entendia) em que canta ao longo de quase todo o Fitxadu. "Acho que a pessoa ganha mais consciência da sua identidade nascendo num sítio como Lisboa do que às vezes nascendo no Mindelo, Luanda, ou Bissau, porque está tão adquirido ali." Não é por acaso que este seu álbum, muito mais do que Xinti (2009), é um reflexo dessa Lisboa que vai do seu centro até Galinheiras, Cova da Moura, ou Barreiro. "Tem muito dessa Lisboa, e eu quero conhecer mais. Há muitos quartinhos ali a pulsar música."

Quando lhe perguntamos como vai evitar cair de novo numa espiral de tournées que lhe o tirem o tempo para viver, Sara explica que o panorama da chamada world music mudou: "Já não é uma descoberta. Agora estamos a viver um revival da música eletrónica, urbana. Acho que estamos mais em sintonia uns com os outros, porque eu senti-me discriminada quando estava a fazer o circuito da world music. Via-me sempre a dar palestras sobre a história da lusofonia, às vezes a cantar mornas, não porque me apetecia. Às vezes só me faltava ir fazer a cachupa e o bacalhau para servir no fim dos concertos."

Para trás ficou a miúda que queria ter nascido na América, e aquela que cantava mornas para se justificar. Sara Tavares nunca soou tanto a si própria. Na música que dá nome ao álbum, Fitxadu, canta em crioulo algo como "as coisas boas do mundo não têm corte, estão fechadas aqui no meu peito". "É uma coisa forte: abraço fitxadu. Aquela amizade que eu tenho por ti guarda fitxada." Diz-vos ela.

In: dn.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

Salvador Sobral ligado a coração artificial

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 26.10.17

Internado há cerca de um mês no Hospital de Santa Cruz, em Carnaxide, Salvador Sobral enfrenta agora a espera por um transplante cardíaco com a ajuda de um coração artificial.

O vencedor da eurovisão, Salvador Sobral, está numa luta pela vida. Depois de ter feito uma pausa na carreira para “entregar o corpo à ciência“, as notícias davam conta de que o músico estaria internado nos Cuidados Intensivos à espera de um coração.

Agora, segundo o Correio da Manhã, o músico estará ligado a um coração artificial, numa solução considerada temporária, até que se encontre um dador compatível.

O coração artificial trata-se de um aparelho colocado do lado de fora do organismo que tem a função de aspirar e injetar o sangue, assegurando a normal circulação sanguínea. Esta foi a solução encontrada pelos médicos enquanto não é descoberto um coração compatível. A prática não é muito recorrente em Portugal, mas é a mais viável, recorda o jornal.

Por não ser uma solução utilizada em Portugal, o aparelho terá vindo dos EUA e os custos rondam os 110 mil euros.

Manuel Carrageta, presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia, explicou que “um coração artificial permite ao coração biológico recuperar e até ganhar força na maior parte dos casos”.

Segundo aquele responsável, “o paciente pode sobreviver muito tempo ligado a um coração artificial”, mas esta “é sempre encarada como uma solução temporária“.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Madonna quer trabalhar com músicos portugueses

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 11.10.17

Em entrevista à revista Veja, a cantora elogia o vinho nacional mas confessa dificuldade em aprender português

Madonna está encantada com a quantidade de excelentes músicos que tem ouvido em Portugal e não vê a hora de trabalhar com eles em espetáculos com um tom mais intimista do que o habitual na sua carreira. É a própria cantora quem o afirma em entrevista à edição desta semana da revista brasileira Veja, onde conta ainda que a sua pronúncia portuguesa continua "terrível" e que o vinho local "é maravilhoso".

"É extraordinária a quantidade de ótimos músicos que oiço em Portugal, espero trabalhar com esses músicos em espetáculos mais intimistas, vai ser uma fase interessante da minha carreira, inteirar-me da cultura local é parte do motivo pelo qual estou aqui", disse Madonna.

Numa conversa em que garante que será "rebelde até ao fim", revela o seu fascínio por símbolos católicos, como a crucificação de Cristo, a dor de Maria ao ver o filho na cruz, a Santa Ceia ou a confissão, critica Donald Trump e quem vota para colocar empresários de sucesso à frente dos países para enfrentar a crise económica, Madonna elogia ainda o vinho português - "é maravilhoso".

Mas reconhece dificuldades em adaptar-se à língua: "O meu português continua terrível, tenho amigos que me corrigem a pronúncia, sou mais familiarizada com o português do Brasil, o de Portugal parece-me mais difícil, mas me viro falando um pouco de espanhol".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nobel vai para um músico frustrado: Kazuo Ishiguro

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 09.10.17

Depois de Dylan, o escritor nipo-inglês satisfaz a nova fixação da Academia Sueca: a música. Ishiguro escreveu letras e queria ser músico. Ficou pelo caminho e publicou oito livros.

Depois de Bob Dylan tudo poderia acontecer ontem no anúncio do mais recente vencedor do Prémio Nobel da Literatura. Pelo menos, venceu um "escritor", Kazuo Ishiguro, mesmo que como alguns logo disseram seja um autor cada vez mais fascinado pelo fantástico na sua obra, como é o caso do último romance (e de outro de 2005) em que efabula sobre uma Inglaterra distópica. Que não é japonês como o nome dá a entender, mas inglês por viver desde tenra idade na ilha devido aos seus pais terem ido habitar para a Inglaterra e, posteriormente, ter optado por esta nacionalidade.

Quem é Kazuo Ishiguro? A secretária permanente da Academia sueca descreveu-o como sendo uma nebulosa que anda por aí no universo literário: "Se misturarmos Jane Austen e Franz Kafka, encontramos Ishiguro de uma forma resumida. Será preciso acrescentar a esta mistura um pouco de Marcel Proust, e sem se misturar muito, temos a sua escrita. Que é ao mesmo tempo um escritor de grande integridade e que desenvolveu um estilo muito próprio". Minutos antes, Sara Danius tinha justificado a escolha de Ishiguro assim: "Alguém, que em romances de uma grande força emocional, não esconde o abismo entre o sentido do ilusório e a sua ligação para o mundo".

O site do Nobel deu imediatamente início a um inquérito em que se opta por já leu ou não Kazuo Ishiguro? Os gráficos eram explícitos na relativa ignorância do autor, pois em duas mil respostas nas duas horas seguintes só 39% referia que conhecia a obra do ex-nipónico e agora inglês. Mas há muitos leitores que gostam da sua obra e acompanham o seu percurso, é o caso de Salman Rushdie, seu amigo e um dos que mais uma vez perdeu a corrida do Nobel, que logo twitou: "Muitos parabéns ao meu velho amigo Ish, cujo trabalho eu amo e admiro desde que li A Pale View of Hills (As Colinas de Nagasáqui). E ele toca guitarra e compõe canções, também! Roll over Bob Dylan".

Poder-se ia dizer que estava revelada a principal razão da escolha do júri liderado por Sara Danius, que no ano passado impôs o músico norte-americano aos seus colegas, o facto de haver música em força no escritor. O que é assumido pelo próprio pois ainda há uns tempos escreveu um artigo no jornal The Guardian, ilustrado por uma fotografia dele a tocar guitarra, em que contava como a canção de Ruby"s Arms de Tom Waits serviu de inspiração para escrever a versão final do seu romance mais conhecido e premiado, Os Despojos do Dia.

Vale a pena passar os olhos por essa confissão recente, pois Kazuo Ishiguro refere no texto que "as pessoas acham que o escritor deve trabalhar muitas horas", mas ele contrapõe que mais de "quatro horas de escrita contínua diminui o rendimento". Ora, isto dá imediatamente algum suporte às primeiras opiniões que torceram o nariz a esta escolha da Academia Sueca, afinal até as preferências dos apostadores nas agências colocavam no Top 10 escritores com outra dimensão, principalmente com mais obra e muito mais horas de dedicação à escrita. É que Ishiguro não escreveu até ao momento sequer uma dezena de livros, rivalizando esta produção com um número maior de contos e de guiões. Ou não seja o seu livro mais famoso uma espécie de Downton Abbey do passado, onde Emma Thompson e Anthony Hopkins transcendem o texto com as suas interpretações do "aclamado" Os Despojos do Dia.

Biblio e biografia

A própria biografia fornecida pela Academia confirma esse breve percurso, valorizando o facto de que "além dos seus oito livros tem escrito vários guiões para cinema e televisão". Não deixa de potenciar a sua vertente de escritor de fantástico, como é o caso do romance que se passa numa Inglaterra distópica ao dizer sobre ele: "Ishiguro introduz uma corrente fria subterrânea de ficção científica na sua escrita, bem como várias influências musicais." Está mais uma vez explicada a preferência na nova Academia Sueca em relação ao Nobel: há sonoridade musical na sua carreira literária.

A sua obra está traduzida em cerca de três dezenas de países e o jornal The Times colocou-o em 2008 como o 32º autor mais importante entre os 50 escritores britânicos desde 1945. Ishiguro foi nomeado para quatro prémios Man Booker, que venceu na edição de 1989 com o romance Os Despojos do Dia . Um dos vários romances que usam o passado como cenário antes de se dedicar a uma espécie de ficção científica, livros que destacam de preferência os falhanços das pessoas e que, dizem, nunca chegam a lado nenhum porque as personagens enovelam-se entre o passado por resolver e o presente angustiado, escolhendo como final uma "resignação melancólica".

Um comportamento que tem muito de um modo de ser japonês, mesmo que Ishiguro numa entrevista com o Nobel de 1994 desse país, Kenzaburo Oe, tivesse afirmado que os cenários dos seus dois romances iniciais -o do Japão - eram pura imaginação: "Em Inglaterra, onde cresci, mantive sempre uma imagem muito forte do meu país de origem, com o qual sempre tive um ligação emocional".

Ishiguro nasceu em Nagasaki mas viveu quase sempre na Inglaterra. Tornou-se cidadão inglês em 1982 e antes de se dedicar à escrita, queria ser músico - compôs para Stacey Kent -, mas não foi aceite por nenhuma editora a quem enviou as suas composições. A sua formação académica foi nas universidades inglesas de Kent e East Anglia, licenciando-se em Inglês e Filosofia em 1978. Participou no curso de escrita criativa dos escritores Malcolm Bradbury e Angela Carter, que terminou em 1980.

Nas suas próprias palavras quis ser "um escritor que deseja escrever novelas internacionais".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mariana Sousa da ESART distinguida com o Prémio Círculo Richard Wagner

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 29.09.17

Mariana Sousa da ESART distinguida com o Prémio Círculo Richard Wagner 

Mariana Pereira de Sousa, aluna do Mestrado em Música e licenciada em Canto na Escola Superior de Artes Aplicadas do IPCB, foi este ano distinguida pelo Círculo Richard Wagner Portugal e pelo Instituto Goethe Portugal com o Prémio Círculo Richard Wagner.

A presidente do Círculo Richard Wagner Portugal, Maria Teresa Cochito, em parceria com a diretora do Instituto Goethe Portugal, Claudia Hahn-Raabe, atribuíram a bolsa internacional que se destina a jovens talentosos e que visa apoiar o desenvolvimento e o aperfeiçoamento da língua alemã.

Esta experiência decorreu no Instituto Goethe de Berlim de 28 de agosto a 23 de setembro.

Natural do Porto, Mariana Sousa iniciou-se no canto na Academia de Música de Paços de Brandão, na classe da professora Mafalda Leite.

Em 2012 ingressou na Escola Superior de Artes Aplicadas do IPCB, na classe das professoras Elisabete Matos e Dora Rodrigues, terminando a licenciatura com 19 valores e recebendo o Prémio de Mérito – Educação Magazine, pela média mais elevada. De momento encontra-se a terminar o mestrado na ESART – IPCB.

Cantou a solo com a Orquestra ESART, dirigida pelo maestro João Paulo Santos.

Foi solista em obras como “Stabat Mater”, Pergolesi; “Glória” e “Nisi Dominus”, Vivaldi. Interpretou as seguintes personagens: Cherubino, Sesto, Romeo, Desdemona.

Frequentou Masterclasses com José Oliveira Lopes, Isabel Alcobia, Elisabete Matos e Norma Enns.

Mariana participou ainda no projeto “Luisa Todi – Jovens Clássicos”, em 2015 e ganhou o 1.º prémio no Concurso Internacional Cidade do Fundão, nos anos 2013 e 2016.

Em dezembro de 2016 cantou “A Portuguesa”, para o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, por ocasião da sua visita ao Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foto de Os Quatro e Meia.

Em Maio de 2013, cinco amigos com gosto pela música juntavam-se para uma pequena atuação num Sarau de Gala no TAGV, em Coimbra. Estava assim realizada a primeira reunião d’Os Quatro e Meia.
Atualmente com seis elementos – João Cristóvão Rodrigues (violino e bandolim), Mário Ferreira (acordeão e voz), Pedro Figueiredo (Percussão), Ricardo Liz Almeida (guitarra e voz), Rui Marques (contrabaixo) e Tiago Nogueira (guitarra e voz), Os Quatro e Meia procuram, de uma forma descontraída e bem-disposta, conferir novos olhares e sonoridades na composição de canções feitas na língua de Camões. Como afirmam os próprios, “todos os dias são dias bons, simplesmente, uns dão mais trabalho para o ser do que outros”. Com base nesta ideologia, a banda apropriou-se de uma expressão recorrente do nosso quotidiano, “P’ra Frente é Que É Lisboa”, para criar a sua primeira composição, e assim batizar o seu single de apresentação e a digressão, com início em Setembro deste ano.

Com passagem já confirmada pela Casa da Música, no Porto, a digressão irá percorrer o país, dando a conhecer algumas das músicas que estão a ser concluídas em estúdio e que farão parte do disco de apresentação da banda, assim como os originais que os têm acompanhado ao vivo desde a sua formação, e as versões de grandes músicas portuguesas, com um cunho bastante pessoal e que tanto caracterizam Os Quatro e Meia.

Entrada: €10,00

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

“Sons à Sexta” apresentam Mirror People. 29 SET. Fundão

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 25.09.17

Foto de Sons à Sexta. 

O Sons à Sexta promete provar que a música electrónica portuguesa está de boa saúde com Mirror People no palco d´A Moagem, no Fundão, dia 29 de Setembro às 22h30m.

Uma vez por mês, o auditório d’ A Moagem – Centro do Engenho e das Artes é palco da música portuguesa.

Em parceria com a Antena 3, o SONS À SEXTA apresenta as bandas mais tocadas e em destaque no atual panorama musical português.

Com uma programação diversificada e para todos os gostos, pretende-se a divulgação, o convívio entre o público e a celebração da música!

Rui Maia é um músico e compositor com várias camadas. Vai do indie rock à eletrónica e o lugar de teclista dos X-Wife é apenas uma das faces do artista. Até porque a solo a máscara é outra.
Foi com a assinatura Mirror People que Rui Maia se lançou mais a fundo na música de dança.
Com “Bring The Light”, o mais recente trabalho dos Mirror People, Rui Maia invoca a influência dos filmes de Stephen King, a new wave dos Human League e Soft Cell, os primórdios do hip hop, a pop sintética mais recente dos Hot Chip ou o som de Minneapolis de Prince como referências sonoras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

“Fado Solidário” - SCMF. 23 OUT, 21h30, Fundão.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 20.09.17

Fado Solidário

A Santa Casa da Misericórdia do Fundão (SCMF) realiza no dia 23 de setembro às 21.30 horas, na Quinta Pedagógica do Fundão,uma noite de fado com a artista Raquel Peters.
O espetáculo iniciar-se-á com a apresentação da orquestra da Academia de Música e Dança do Fundão (AMDF). Seguir-se-á a atuação da jovem fadista Raquel Peters.
O espetáculo “Fado Solidário” visa angariar apoios para a renovação do mobiliário no lar da Misericórdia.
Os interessados em assistir à noite de Fado Solidário deverão adquirir o bilhete ao “preço simbólico de 7,5 euros” na secretaria da SCMF, na AMDF e no Posto de Turismo do Fundão.
O espetáculo promovido em parceria com Santa Casa da Misericórdia de Albufeira tem a colaboração do Município do Fundão e da União de Freguesias do Fundão, Valverde, Donas, Aldeia de Joanes e Aldeia Nova do Cabo.

# Raquel Peters é uma fadista portuguesa natural de Albufeira, tem várias participações em espetáculos e discos. Do percurso da jovem fadista destaque-se o primeiro prémio na Grande Noite do Fado de Lisboa (2005), organizada pela Casa da Imprensa ou a participação no disco “Divas do Fado Novo” ao lado de nomes como Ana Moura, Kátia Guerreiro e Cristina Branco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Salvador Sobral faz pausa na música para “entregar o corpo à ciência”

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 08.09.17

 

O vencedor do último festival Eurovisão da canção anunciou que vai fazer uma pausa na música devido à sua “saúde frágil” e diz ter chegado a altura de “entregar o corpo à ciência”.

Um vídeo publicado no YouTube por Salvador Sobral poderia fazer prever o lançamento de um novo êxito musical que poria todos os portugueses a amar pelos dois outra vez.

“Hello, até já” é assim que se chama o vídeo e nele o músico explica que, em vez de lançar uma música, vai fazer uma pausa na carreira. “Já não é segredo para ninguém que a minha saúde é frágil”, começa por dizer.

Salvador, conta, vai entregar o corpo à ciência” e, por isso, fazer uma pausa na música “e nos concertos em geral”.

Além de agradecer aos fãs por todo o apoio, o irmão de Luísa Sobral promete voltar “em breve”, apesar de “não saber quão em breve”, e pede que respeitem a sua privacidade e a da sua família, não deixando de fazer uma crítica aos “meios de comunicação social que dizem que tenho três meses de vida”.

O último concerto de Salvador Sobral, antes de abandonar, por agora, os palcos é hoje, sexta-feira, às 21h30, na FIC – a Feira Internacional de Cultura -, nos Jardins do Casino Estoril e o cantor avança que “vai ser bonito e especial. É uma despedida temporária“.

No final do vídeo, para não fazer a desfeita aos fãs que gostam mesmo é de o ouvir cantar, Salvador despede-se ao piano com um excerto da “melhor banda do mundo”, como o próprio classifica – Os Beatles – e assim justifica o título do vídeo “Hello, até já”, já que a música interpretada se chama “Hello, Goodbye”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pedro Abrunhosa e Teresa Salgueiro no TMG

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 06.09.17

Concertos de Pedro Abrunhosa e de Teresa Salgueiro, além do Festival Internacional One Man Band, destacam-se na programação do Teatro Municipal da Guarda (TMG) para os meses de setembro, outubro, novembro e dezembro.

O Festival Internacional One Man Band, que coloca em palco músicos que tocam vários instrumentos, vai decorrer nos dias 22 e 23 de setembro, a partir das 22:00, no café concerto do TMG.

No dia 22, uma sexta-feira, atuam Thee Rag N Bone (Escócia), Casuar (Portugal) e Edith Crash (França/Estados Unidos da América) e no dia seguinte, um sábado, Belly Hole Freak (Itália), O Gajo (Portugal) e Dollar Bill (Inglaterra).

Na música, destaque para concertos do sueco Jay-Jay Johanson (dia 13 de outubro), Teresa Salgueiro (28 outubro) e Pedro Abrunhosa & Comité Caviar (27 novembro).

Ainda na música, o público da cidade tem oportunidade de assistir a concertos de Talabarte (14 setembro), 10 000 Russos (15), Louisa Lyne & Yiddishe Kapelye (07 outubro), Trouble Trash (20), Cabeça de Peixe (26), Click (27), Norton (03 novembro), Odaiko & Vanesa Muela (17), Sean Riley & The Slowriders (02 dezembro), entre outros.

O TMG recebe também o espetáculo de contos e música intitulado "Contos e trovões, rezas e galináceos", da Calafrio - Associação Cultural (09 setembro).

No teatro, realce para as peças "Rua da Alegria" pelo Teatro das Beiras (21 outubro), "Jardim Zoológico de Vidro" pelos Artistas Unidos (04 novembro), "Poetas & Etcetera" pelo Aquilo Teatro (09 e 10 de novembro) e "O homem que não tinha inimigos e outras fábulas fantásticas" pelo Teatro do Calafrio (13 a 16 de dezembro).

A galeria de arte do Teatro da Guarda recebe as exposições "Escura", de Adriana Molder, entre 07 de outubro e 26 de novembro, e de fotografia "Transversalidades", organizada pelo Centro de Estudos Ibéricos (02 de dezembro a 28 de janeiro).

O programador do TMG, Victor Afonso, disse que a programação para os últimos quatro meses do ano inclui 62 sessões, com artistas de oito nacionalidades.

O responsável anunciou também que aquele equipamento vai ter em breve uma nova página na internet e uma nova bilheteira 'online'.

Victor Afonso disse ainda que nos últimos quatro anos (entre 2013 e julho de 2017) a programação do TMG incluiu 794 atividades e teve um total de 102.574 espetadores.

"Parece-me um balanço positivo", assumiu.

O vereador da Cultura da Câmara Municipal da Guarda, Victor Amaral, disse que a programação do TMG para os últimos meses do ano continua a ser "global" e "cada vez mais plural e abrangente", indo ao encontro "de todos os públicos".

Quanto ao balanço dos últimos quatro anos de atividade, referiu que "atesta a aposta política" que o atual executivo fez no equipamento cultural que considera "âncora" e uma referência nacional e internacional.

In: DN

Autoria e outros dados (tags, etc)

Madonna confirma que está a viver em Lisboa

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 04.09.17

É oficial: Madonna está mesmo a viver em Lisboa. Apesar de já não haver muitas dúvidas da presença da superestrela na capital, a cantora confirmou este sábado através da publicação de uma fotografia no Instagram que está a viver em Portugal.

«Antes era um caso perdido, mas agora vivo em Lisboa», escreveu a cantora norte-americana na legenda da fotografia de uma cozinha onde estão pendurados cestos de palha.

Ainda não se sabe qual a nova morada da cantora, mas tem sido avançado pela imprensa que estará hospedada temporariamente num hotel em Alcântara antes de se mudar para uma quinta comprada em Sintra.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!

.

Telemóvel:

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *

.

Morada:

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã

.

Endereço eletrónico:

filarmonicacortense@iol.pt


Maestro: Fábio Daniel Esteves Pereira

Fábio Daniel Esteves Pereira nasceu a 28 de maio de 1986. É natural de Unhais da Serra mas cedo veio morar para a freguesia de Cortes do Meio.

Iniciou os estudos de formação musical e instrumento em 1997 na Filarmónica Recreativa Cortense como saxofonista com o maestro António Pão-Alvo.

Em 2000, sob a tutela do Pe. José António Loureiro Pinheiro toma parte da direcção artística do grupo Chama de Deus.

Em 2003 foi seleccionado para a Orquestra de Jazz do Centro, um masterclass jazzístico leccionado por Paulo Perfeito.

No âmbito do projecto Covilhã Filarmónico teve diversos estágios com professores de academia e conservatórios locais.

Em 2010 inicia os estudos em direcção de orquestra de sopros no CEDOS (Centro de estudos de direcção de orquestra de sopros) com os professores Luís Clemente em direcção e análise musical, Carlos Amarelinho em orquestração e Paulo Ramos em formação musical e auditiva.

Conclui o curso médio com 16 valores. Durante o curso médio trabalhou com as bandas da Covilhã, Ponte do Rol, Belinho, Cabreiros, Mafra, Banda Sinfônica da Covilhã.

No mesmo período lectivo obteve o primeiro prémio no concurso de direcção do ENOS ( Estágio Nacional de Orquesta de Sopros) Esposende.

Em 2013 iniciou os estudos em direcção de orquestra na academia de direcção da ACO ( Atlantic Coast Orchestra) com os professores Luís Clemente e Colin Metters em direcção de orquestra, José Fayos Jordan e Roberto Fiore em orquestração, Paulo Maciel e Jaime Branco em formação musical e auditiva. No mesmo ano começou a trabalhar na escola de música da Filarmónica Recreativa Cortense.

Dirigiu ensemble da ACO, orquestra sinfonica da ACO, Banda Nova de Manteigas e orquestra de sopros do ENOS Portel, EPABI e Escola Profissional de Seia.

Finalizou o curso superior da academia de direcção da ACO com 17 valores.

Em 2017 tomou posse da direcção artística e musical da Filarmónica Recreativa Cortense e deu início ao processo de equivalência de licenciatura na ABRSM (Associeted Board of the Royal Schools of Music).


Corpos Socias - triénio 2017/2019

Assembleia Geral:

Presidente: Marco Alves;

Vice Presidente: Joana Santos;

Secretário: Aline Miguens;

.

Conselho Fiscal:

Presidente: Bernardino Santos;

Vice Presidente: João Pedro Faisca;

Relator: Gabriel Vila;

.

Direcção:

Presidente: Alexandre Barata;

Vice Presidente: Adriano Esteves;

1º Secretário: Mafalda Santos;

2º Secretário: Flavio Inácio;

Tesoureiro: Francisco Pina;

Vogal: Leticia Vila;

Vogal: Steve Vila;

Vogal: Alexandre Barata;

Vogal: José Silva;



Mapa de actuações:

25-11-2017 - Encontro Filarmónico no Paúl;

.

17-12-2017 - Concerto de Natal na Igreja Paroquial de Cortes do Meio