Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

.

Banda da Covilhã - Festival da Cherovia. 21 a 24 SET.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 18.09.17

Foto de Desertuna - Tuna Académica da Universidade da Beira Interior.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rock in Rio, regressa em 2018 com novidades

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 12.09.17

Rock in Rio, regressa em 2018 com novidades

O festival Rock in Rio regressa ao Parque da Bela Vista nos dois últimos fins de semana de Junho.

Segundo a organização haverá novos espaços de diversão que trarão à Cidade do Rock, as principais tendências da actualidade, reforçando assim a aposta do Rock in Rio em Portugal.

“A 8.ª edição do Rock in Rio-Lisboa tem data marcada para os dias 23, 24, 29 e 30 de Junho 2018 e promete transformar, uma vez mais, o Parque da Bela Vista num gigante palco de experiências, com uma programação surpreendente que combina o melhor do entretenimento”. Refere a nota de imprensa.

Além de novas datas, a organização revela que o evento terá, na sua próxima edição, mais horas de diversão diária, com a Cidade do Rock a abrir as suas portas pelas 12:00 e a fechar às 02:00, e novos espaços, com novos conteúdos.

“Não só estamos de regresso a Lisboa para mais uma grande edição do Rock in Rio, como estamos a reforçar a nossa aposta em Portugal, investindo em novos formatos de entretenimento que vão ao encontro daquilo que são as áreas de interesse do nosso público”, afirma Roberta Medina, Vice-Presidente Executiva do Rock in Rio.

Com o objectivo de expandir a sua oferta de diversão dentro do recinto, “o Rock in Rio prepara-se para introduzir, na Cidade do Rock, novas áreas e novos palcos, dedicados a algumas das principais tendências da actualidade”.

“Um espaço que celebra a cultura pop e os seus principais ícones, um palco dedicado aos fenómenos digitais que traz um pouco do mundo online para o offline, uma nova área de gastronomia e uma nova Rock Street que viaja até às origens da música” são algumas das novidades que marcarão a 8.ª edição do Rock in Rio-Lisboa.

Tendo como base a estratégia de marca que tem vindo a ser desenvolvida ao longo dos últimos anos – estratégia essa que premeia a criatividade, a capacidade de sonhar e o empreendedorismo (valores inerentes ao Rock in Rio desde o seu nascimento, em 1985) -, a organização do evento anuncia novos formatos de diversão que prometem trazer à Cidade do Rock experiências únicas com a mesma qualidade que é habitual no Rock in Rio.

“O Rock in Rio é reconhecido por ser um local privilegiado de experimentação. A cada edição vivemos momentos históricos de interação entre o público e os artistas, fazendo daqueles espetáculos absolutamente únicos e de arrepiar. (...) O que leva estas pessoas ao festival é o clima de festa, proporcionado pelo grande ‘parque temático da música’ em que ele se tornou, com inúmeras experiências dentro do mesmo espaço, associadas à qualidade dos serviços e das infraestruturas oferecidas. E é a pensar nisso que estamos a trabalhar para elevar essa mesma experiência e torná-la ainda mais exclusiva e diferenciadora”, refere Roberta Medina.

Além dos dois grandes palcos do festival e da Electrónica, em Junho de 2018, a Cidade do Rock vai apresentar-se com muitas outras novidades.

Pop District é um quarteirão da Cidade do Rock, com uma cenografia inédita, onde o público vai poder celebrar a cultura pop e os seus principais ícones.

“Este será o novo hotspot dos amantes da cultura pop! É um espaço pensado para celebrar ícones que marcaram a vida de várias gerações, através da arte, da música, dos jogos, do cinema, da dança e muito mais!”, afirma a Vice-Presidente do Rock in Rio.

Falar em “tendências” e não pensar em “digital”, nos dias de hoje é quase impossível. Nesse sentido, o Rock in Rio-Lisboa 2018 vai contar com um novo palco, cuja missão é transpor ícones do mundo online para o ambiente offline.

Ao longo dos quatro dias do evento, o Digital Stage vai receber grandes fenómenos do entretenimento online que trocarão, temporariamente, o ecrã dos PC’s, tablets e telemóveis por um contacto directo e próximo com a sua audiência.

A Rock Street é já um sucesso consolidado junto dos visitantes da Cidade do Rock, que a cada edição encontram nesta rua manifestações artísticas e performances ímpares, além de se apresentar como um espaço privilegiado de festa onde o público se sente ainda mais envolvido, podendo interagir com o espetáculo e os próprios artistas.

Depois do sucesso da edição 2016, em que o ritmo brasileiro contagiou o público português, a inspiração para a Rock Street 2018 chega do continente africano –inspiração de todos os ritmos e estilos musicais, incluindo o rock e o pop.

“Mais que um espaço dedicado à cultura africana – tão presente e enraizada em Portugal – esta nova Rock Street serve para celebrar a música de uma forma global. Através da arquitetura, dos espetáculos e performances de rua, vamos mostrar como a música africana influenciou todos os estilos musicais presentes nos outros palcos do festival”, afirma Roberta Medina.

A restauração, na Gourmet Square tem vindo a ser uma aposta do Rock in Rio ao longo das últimas edições.

Em 2016, a organização do evento reforçou a oferta nesta área com a introdução de um novo conceito a cozinha de autor. Para 2018, o Rock in Rio vai mais além e prepara uma nova praça de alimentação que permitirá maior conforto aos seus visitantes, disponibilizando cerca de 500 lugares sentados e cerca de 10 food corners, em espaço exclusivo e de acesso controlado.

Algumas das novidades anunciadas para a 8.ª edição do Rock in Rio-Lisboa poderão ser conhecidas nos próximos dias 15, 16, 17, 21, 22, 23 e 24 de Setembro, na edição do Rio de Janeiro, que poderá ser seguido por todo o mundo através das redes sociais e do site oficial do Rock in Rio-Lisboa. Em Portugal, poderá ainda ser acompanhado na SIC, através de uma cobertura inédita.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pedro Abrunhosa e Teresa Salgueiro no TMG

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 06.09.17

Concertos de Pedro Abrunhosa e de Teresa Salgueiro, além do Festival Internacional One Man Band, destacam-se na programação do Teatro Municipal da Guarda (TMG) para os meses de setembro, outubro, novembro e dezembro.

O Festival Internacional One Man Band, que coloca em palco músicos que tocam vários instrumentos, vai decorrer nos dias 22 e 23 de setembro, a partir das 22:00, no café concerto do TMG.

No dia 22, uma sexta-feira, atuam Thee Rag N Bone (Escócia), Casuar (Portugal) e Edith Crash (França/Estados Unidos da América) e no dia seguinte, um sábado, Belly Hole Freak (Itália), O Gajo (Portugal) e Dollar Bill (Inglaterra).

Na música, destaque para concertos do sueco Jay-Jay Johanson (dia 13 de outubro), Teresa Salgueiro (28 outubro) e Pedro Abrunhosa & Comité Caviar (27 novembro).

Ainda na música, o público da cidade tem oportunidade de assistir a concertos de Talabarte (14 setembro), 10 000 Russos (15), Louisa Lyne & Yiddishe Kapelye (07 outubro), Trouble Trash (20), Cabeça de Peixe (26), Click (27), Norton (03 novembro), Odaiko & Vanesa Muela (17), Sean Riley & The Slowriders (02 dezembro), entre outros.

O TMG recebe também o espetáculo de contos e música intitulado "Contos e trovões, rezas e galináceos", da Calafrio - Associação Cultural (09 setembro).

No teatro, realce para as peças "Rua da Alegria" pelo Teatro das Beiras (21 outubro), "Jardim Zoológico de Vidro" pelos Artistas Unidos (04 novembro), "Poetas & Etcetera" pelo Aquilo Teatro (09 e 10 de novembro) e "O homem que não tinha inimigos e outras fábulas fantásticas" pelo Teatro do Calafrio (13 a 16 de dezembro).

A galeria de arte do Teatro da Guarda recebe as exposições "Escura", de Adriana Molder, entre 07 de outubro e 26 de novembro, e de fotografia "Transversalidades", organizada pelo Centro de Estudos Ibéricos (02 de dezembro a 28 de janeiro).

O programador do TMG, Victor Afonso, disse que a programação para os últimos quatro meses do ano inclui 62 sessões, com artistas de oito nacionalidades.

O responsável anunciou também que aquele equipamento vai ter em breve uma nova página na internet e uma nova bilheteira 'online'.

Victor Afonso disse ainda que nos últimos quatro anos (entre 2013 e julho de 2017) a programação do TMG incluiu 794 atividades e teve um total de 102.574 espetadores.

"Parece-me um balanço positivo", assumiu.

O vereador da Cultura da Câmara Municipal da Guarda, Victor Amaral, disse que a programação do TMG para os últimos meses do ano continua a ser "global" e "cada vez mais plural e abrangente", indo ao encontro "de todos os públicos".

Quanto ao balanço dos últimos quatro anos de atividade, referiu que "atesta a aposta política" que o atual executivo fez no equipamento cultural que considera "âncora" e uma referência nacional e internacional.

In: DN

Autoria e outros dados (tags, etc)

Salvador Sobral cancela concertos devido a questões de saúde

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 31.08.17

O músico português cancelou três concertos "para controlo da sua condição de saúde"

Salvador Sobral cancelou três concertos devido a indicação médica. O músico português emitiu um comunicado no Facebook, em que explicava que terá de parar a sua atividade por alguns dias "para controlo da sua condição de saúde".

O cantor só deverá regressar aos palcos no dia 8 de setembro, no Festival Internacional de Cultura de Cascais.

Desta forma, ficam sem efeito os concertos agendados para o Festival F, em Faro, nos dias 31 de agosto e 01 de setembro, além do concerto em Anadia, no dia 02 de setembro, para o qual será anunciada uma nova data brevemente.

No comunicado o músico agradece ainda a compreensão do público e dos parceiros dos respetivos espetáculos.

Recorde-se que Salvador Sobral, vencedor do Festival da Eurovisão, assumiu sofrer de graves problemas de coração.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Brasileira resgata música dos conventos do Porto

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 28.08.17

Há quinze anos que a cantora lírica Rosana Orsini segue os passos de compositores dos séculos XVII/XVIII para melhor interpretar as suas partituras. Uma viagem que a trouxe para Portugal, em 2007.

Filha de um engenheiro civil que nem ouvia música, Rosana Orsini começou a ter aulas de piano aos 4 anos, em Vitória, no Brasil, onde nasceu. "Fazia parte de uma boa educação no Brasil, naquela época, que os filhos estudassem algo de música", explica. Mas para ela foi mais forte do que isso. "Dizem que a música é uma vocação como a religiosa, é um chamado a que a gente não consegue fugir."

"Quando quis seguir [os estudos em música], o meu pai entrou em desespero. Demorou um pouquinho, mas depois ele acabou por perceber e aceitar bem." Licenciou-se em música na Universidade de Minas Gerais, no Brasil, de onde saiu com 22 anos, para ir fazer um mestrado em canto lírico em Nova Iorque, na Manhattan School of Music. Aí juntou dois dos seus grandes interesses: música e história. "Durante o mestrado, comecei a apaixonar-me por determinados compositores do século XVIII e queria conhecer os seus percursos. Dentro da minha conceção, só ia conseguir cantar bem determinado compositor se conhecesse o lugar onde ele nasceu, a casa dele, a rua onde andava, a igreja e o teatro onde trabalhava." Foi por isso que em 2004 rumou à Áustria, a Salzburgo, onde frequentou a Mozarteum Summer Academy para percorrer os caminhos de Mozart (1756-1791) e no ano seguinte a Londres, para fazer uma pós-graduação na Royal Academy of Music, seguindo os passos de Händel (1685-1759) e Purcell (1659-1695).

Foi por essa altura também que descobriu uma série de teatros históricos de Minas Gerais, no Brasil do século XVIII. "Isso me fascinava. Como é que numa colónia e numa região de mineração, onde a ideia era mesmo tirar o ouro e trazer para Portugal, foram fundados esses teatros, quem cantava lá, quem assistia?" Para dar resposta a tantas questões, Rosana Orsini decidiu fazer um doutoramento sobre teatros de ópera na América portuguesa. "Comecei na Sorbonne, em Paris, e quando lá estava apercebi-me de que precisava da fonte. Não podia estar a falar da América portuguesa sem conhecer Portugal." Adivinha-se o passo seguinte.

"Em 2007 consegui uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian para estudar um ano em Lisboa." Antes, e para conhecer a cidade, planeou uns dias de férias. "Viemos uma semana e me apaixonei. Vim passar férias e nunca mais sai daqui." O plural surge porque nesta data já partilha o interesse com o marido, o organista italiano Marco Brescia. Ainda antes de terminar o doutoramento, em 2011 conhece a sua "grande paixão" quando o maestro brasileiro Ricardo Bernardes a convidou para fazer um concerto. "Deu-me uma partitura absolutamente maravilhosa, muito difícil de cantar, de António da Silva Leite. Perguntei-lhe quem era e se tinha mais músicas." E tinha. Rosana descobriu mais de cem obras do compositor na Biblioteca Nacional, muitas delas escritas para conventos como o de Santa Clara, no Porto, já extinto. Em 2012, mudou-se para a cidade Invicta onde investigou obras desse compositor e outros seus contemporâneos, que escreveram obras por encomenda dos conventos do Porto. O álbum Angels and Mermaids, gravado em 2016, com partituras que pertenciam ao Mosteiro de São Bento de Avé-Maria (atual Estação de São Bento) e do Convento de Santa Clara, resulta dessa investigação.

"Quando me convidam para tocar fora, ofereço dois ou três reportórios, mas coloco sempre o português em primeiro porque acho que tenho um tesouro nas mãos. É um tesouro que quero mostrar ao mundo." A 9 de setembro será partilhado com os espectadores do Festival Espazos Sonoros, em Pontevedra, e a 20 de outubro com o público português, no Ciclo de Concertos de Órgão, no Mosteiro de Santo Tirso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Penha Garcia recebe 1º Festival de Cavaquinhos. 26 AGO.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 22.08.17

Idanha-a-Nova: Penha Garcia recebe 1º Festival de Cavaquinhos dia 26

Penha Garcia recebe no próximo sábado, dia 26, o 1º Festival de Cavaquinhos. A abertura está marcada para as 21h00, no recinto ao lado da Junta de Freguesia.

4 grupos de cavaquinhos sobem ao palco: Penha Garcia, Alcáçovas, Coimbra Giroflé e Porto, antecedidos pelo Grupo ‘Amigos da Concertina’ de Castelo Branco.

A organização é d’Os Cavaquinhos de Penha Garcia e conta com o apoio da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova e da Junta de Freguesia de Penha Garcia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cultura em rede das Beiras e Serra da Estrela

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 16.08.17

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela está a implementar um pacote de programação designada “Cultura em rede das Beiras e Serra da Estrela” através de uma candidatura aprovada no montante de um milhão e 300 mil euros.

O referido programa contempla animação dos centros históricos dos 15 concelhos da Comunidade intermunicipal, num formato de festival, nas áreas de teatro, dança e música, programadas em rede até 2020. Entre outros, "a iniciativa contempla realização de espectáculos comunitários itinerantes, visitas guiadas e encenadas, promovendo a valorização da cultura, história e costumes do território".

O Conselho Técnico da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela reuniu na Casa da Cultura em Seia para fazer o ponto da situação deste programa, tendo sido nomeado um grupo restrito de trabalho composto por programadores de seis municípios, com coordenação de Mário Branquinho. Este responsável que é também Director do CineEco fez na ocasião a apresentação da proposta de descentralização do festival de cinema de ambiente aos municípios da Comunidade. Foram confirmados os contactos dos municípios para a articulação conjunta da iniciativa tendo em vista articular as acções deste alargamento ao território desta Comunidade Intermunicipal.

O CineEco é um festival organizado pelo município de Seia, que este ano realiza a sua 23ª edição de 14 a 21 de Outubro e que a partir de agora será alargado aos concelhos da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Chk Chk Chk dão três concertos em outubro em Portugal. Um deles no Fundão.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 15.08.17

Chk Chk Chk dão três concertos em outubro em Portugal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O grupo norte-americano !!! (Chk Chk Chk) atua em outubro em Portugal, para concertos em Lisboa, Porto e Fundão, a propósito da apresentação do álbum “Shake the shudder”.

A banda, que cancelou a passagem em agosto pelo festival de Paredes de Coura, agendou agora concertos a 19 de outubro no espaço Lisboa ao Vivo, no dia seguinte no Octógono, no Fundão, e no dia 21 no Hard Club, no Porto.

Tendo já atuado antes em Portugal, os Chk Chk Chk, formados em 1996, contam agora com um novo álbum, o sétimo da discografia e editado em maio passado, “produto das suas raízes punk, mas que também incorpora algumas influências da eletrónica transatlântica”, afirma a promotora em comunicado.

A primeira vez que os Chk Chk Chk atuaram em Portugal foi no verão de 2005, precisamente em Paredes de Coura.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vodafone Paredes de Coura'17. 16 a 19 AGO.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 14.08.17

Image result for vodafone paredes de coura 2017

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Tais Quais" no Festival Cale & Sangriagosto. 13 AGO, 22h, Fundão.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 09.08.17

 Image result for tais e quais

O evento insere-se no Festival Cale & Sangriagosto no dia 13 de Agosto, pelas 22H, no Largo do Calvário, concerto dos "Tais Quais".

O Alentejo ocupa a grande espaço do reportório deste grupo formado por João Gil, Vitorino, Tim, Vicente Palma, Celina da Piedade, Paulo Ribeiro e Sebastião. As violas o acordeão, a percussão, quem sabe uma viola campaniça e um coro de arrepiar. Mas, pelo meio, há também Jorge Serafim, conhecido contador de histórias, que aqui aparece como o anfitrião de um lugar ficcional chamado "A Venda do Isaías", e que partilha as suas pérolas de sabedoria desfiando histórias, anedotas, contos populares.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Image result for Andanças cartaz 2017

Um ano depois do incêndio que destruiu mais de 400 viaturas num parque de estacionamento do Andanças, em Castelo de Vide, o festival regressa hoje ao Alto Alentejo, num formato mais reduzido.

Promovido pela Pédexumbo – Associação para a Promoção da Música e Dança, o festival foi realizado nos últimos anos numa área de 28 hectares nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre, tendo a organização optado este ano por uma zona “em redor” da vila.

“Este cenário [junto à vila de Castelo de Vide] não tem só a ver com a proximidade a uma população, nem com o que aconteceu (incêndio) no ano passado. Tem a ver com o pensamento que a direção tinha e que era tentar repensar o festival e a sua dimensão”, explicou à agência Lusa a responsável pela coordenação artística e gestão de projetos da Pédexumbo, Marta Guerreiro.

Contando com cerca de 300 voluntários, a 22.ª edição do Andanças apresenta também um formato mais reduzido, tanto em número de dias (entre terça e sexta-feira), como em número de público.

Sem esquecer o incêndio que ocorreu há um ano, a organização do festival afirma-se “solidária” com os lesados, levando a efeito, este ano, uma campanha de angariação de fundos para “ajudar todos aqueles que perderam as suas viaturas e bens”.

“Nós temos estado abraçados a um grupo formal que se juntou, a ´Ajudada`. Este ano, disponibilizamos a nossa caneca, que é uma imagem do festival, oferecemo-la para quem quiser comprar e contribuir para o fundo geral”, disse.

De acordo com Marta Guerreiro, a caneca tem um custo de um euro, estando também à venda mosquetões no valor de 50 cêntimos.

Quanto aos danos do incêndio de 2016, o advogado Pedro Proença, representante de 69 lesados, adiantou à Lusa que já foram recolhidos os comprovativos de pagamento da taxa de justiça de cada um deles e que estão a ser ultimados os pormenores para interpor, “ainda este mês”, uma ação em tribunal contra a organização do evento e município de Castelo de Vide.

De acordo com o advogado, a ação pretende reivindicar indemnizações de cerca de 800 mil euros por danos patrimoniais e cerca de 600 mil por danos morais.

“Houve um período relativamente longo de espera para conhecer o resultado do inquérito crime (quase seis meses) e foi complicado informar todos os lesados sobre o que se iria passar, tendo as pessoas muitas dúvidas em relação aos custos, houve sessões de esclarecimento e só agora essa fase foi concluída”, disse.

O Ministério Público (MP) anunciou a 02 de fevereiro deste ano o arquivamento do inquérito ao incêndio que ocorreu a meio da tarde do dia 03 de agosto de 2016, pouco antes das 15:00, tendo as chamas atingido total ou parcialmente 458 viaturas num dos parques de estacionamento nas imediações do festival.

O despacho final do MP concluiu que, “realizadas todas as diligências, não foi possível apurar quaisquer indícios que permitissem concluir que o fogo tivesse sido ateado de forma deliberada ou intencional”.

“Também não foi possível recolher indícios que permitissem apurar as circunstâncias concretas em que o mesmo ocorreu, nem a eventual responsabilidade negligente de alguém”, segundo um comunicado do MP, publicado na página da Internet da Procuradoria da Comarca de Portalegre.

O Andanças é um festival onde o público deixa a típica postura de espetador para assumir um papel ativo, participando nas oficinas e atividades que preenchem cada dia.

Este ano, entre os vários espaços programados, incluindo um mercado de artesanato, destaca-se o recinto do festival, no antigo campo de tiro, com três palcos de bailes e oficinas, o espaço crianças e famílias e o espaço das atividades paralelas, assim como várias áreas ´lounge` e um bar.

Para “estreitar laços” com a comunidade local, está prevista uma programação aberta e gratuita, que acontece no coreto do jardim público, no Cineteatro Mouzinho da Silveira, na Igreja de São Francisco, nas ruas da vila e também na aldeia de Póvoa e Meadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festival da Juventude e da Natureza. 12 a 14 AGO, Manteigas.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 07.08.17

Foto de The Sweet Childreen.

De 12 a 14 e Agosto serão promovidas iniciativas particularmente dirigidas aos mais jovens, não faltando música, desporto, descoberta e diversão.

O Festival da Juventude e da Natureza de Manteigas recebe participantes que "poderão desfrutar das maravilhas do Parque Natural da Serra da Estrela com actividades em espaço aberto. Poderão assistir a sessões de cinema e teatro também ao ar livre. Em complemento, a música será uma constante do Festival".

Pretende-se que o Festival "mobilize pessoas de toda a Região e promova dois valores fundamentais: a natureza e os jovens" refere a Câmara de Manteigas que espera receber "cerca de 2500 pessoas" neste Festival da Juventude e da Natureza de Manteigas de 12 a 14 de Agosto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Serranices - 4 a 6 AGO, Unhais da Serra

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 04.08.17

Foto de Serranices.

O Festival das Serranices está de volta, de 04 a 06 de Agosto 2017 em Unhais da Serra!
Caminhadas | Actividades desportivas | Animação de rua | Workshops | Música
Junta-te a esse evento que reúne todos os Unhaesens com boa música, animação de rua, produtos regionais, artesanato e muito boa disposição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cale & SangriAgosto - 4 a 20 AGO, Fundão.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 02.08.17

Festival de Rua do Fundão anima ruas da cidade

A Zona Antiga do Fundão irá receber, entre os dias 4 e 20 de agosto, o Cale & SangriAgosto – Festival de Rua do Fundão, num vasto programa de animação musical, concertos, animação cultural, atividades circenses, feiras temáticas, arte urbana, gastronomia, artes visuais, mostra de produtos regionais, teatro e comércio aberto.

O Festival Cale & SangriAgosto vai para a sua sexta edição, naquele que é o maior festival de rua realizado no Fundão, num festival que irá trazer diversa animação de rua, com um amplo cartaz cultural, social e internacional, decorrendo na Zona Antiga da Cidade. Neste período haverá um horário alargado para os estabelecimentos comerciais.

A configuração do Fundão é propícia para a arte urbana: tem escala humana e oferece muitos lugares adequados para intervenções artísticas em espaços públicos, lugares abrigados, jardins interiores, parques e praças de pequena e média dimensão.

O objetivo deste festival é desenvolver um programa pluridisciplinar no qual coabitem projetos de artistas experientes, com espetáculos do seu repertório e também projetos em desenvolvimento por artistas emergentes, imaginando a cidade e as suas memórias.

O Festival Cale & SangriAgosto é um "Festival com Sê-lo Verde – O ambiente aprova a natureza aplaude". Uma medida do Ministério do Ambiente para implementar soluções mais amigas do ambiente.

No âmbito desta distinção irá ser promovida a utilização de material reutilizável em detrimento de material descartável, condições para a separação dos vários tipos de resíduos, sistemas de lavagem de copos, utilização de equipamentos que utilizam energia renovável, aluguer de wc's e criação de um espaço de sensibilização ambiental com vários jogos destinados às crianças e à família.

De referir que este evento vai, também, ter o selo "EcoEvento", numa parceria com a Resiestrela.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Filarmónica Recreativa Cortense

Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!


Contatos

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *


Morada

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã


Endereço eletrónico

filarmonicacortense@iol.pt

Deixe a sua mensagem: