Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cortes do Meio, Concelho da Covilhã, Distrito de Castelo Branco

.

Dia da Cidade da Covilhã

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 20.10.17

Resultado de imagem para covilhã

Autoria e outros dados (tags, etc)

Carlos Almeida é o novo maestro titular da Banda da Covilhã

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 19.10.17

Carlos Almeida é o novo maestro titular da Banda da Covilhã 

O maestro Carlos Almeida “é oficialmente o maestro titular da Banda da Covilhã”, anunciou em comunicado a direção da banda, acrescentando que é “uma aposta num jovem maestro, dinâmico e conhecedor da realidade das bandas filarmónicas”.

A apresentação oficial do novo maestro titular será no dia 02 de dezembro, no âmbito do concerto de gala do 147.º aniversário da Banda da Covilhã.

Carlos Almeida, de 24 anos, matriculou-se no Conservatório de Portalegre, aos 11 anos, para iniciar os estudos em trompete, onde concluiu o 5.º grau, prosseguindo os estudos com Rui Borba, na Escola Profissional de Artes da Covilhã. Formou-se em direção musical, pela Atlantic Coast International Conductig Academy.

É maestro e professor na Banda da Covilhã, professor na Escola de Música João Carlos e monitor/professor em várias orquestras no Alto Alentejo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Arquiteto Gonçalo Byrne projeta Cidade da Música na Suíça

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 18.10.17

Uma equipa liderada pelo arquiteto português Gonçalo Byrne e pelo suiço Pierre-Alain Dupraz ganhou um concurso internacional para a construção de uma "Cidade da Música", em Genebra, na Suíça, revelou o responsável à agência Lusa.

De acordo com o arquiteto, ao concurso promovido pela cidade suíça concorriam 18 equipas, algumas delas com nomes relevantes da arquitetura mundial, como os britânicos Norman Foster e David Chipperfield.

O novo complexo dedicado à música vai incluir um edifício para acolher o conservatório de música, a sede da orquestra Suisse Romande, e vários auditórios - um deles com 1.700 lugares - para concertos de diversas dimensões.

"Estou muito contente com esta escolha. É uma excelente notícia porque, apesar de Portugal estar bastante parado na construção, continuamos a participar em concursos no estrangeiro e a ganhar", comentou o arquiteto Gonçalo Byrne à agência Lusa

A equipa vencedora para criar a "Cidade da Música", liderada por Gonçalo Byrne e Pierre Alain Dupraz, conta ainda com os portugueses João Nunes e Rui Furtado.

O complexo deverá ser inaugurado em 2022, sendo uma encomenda de uma associação constituída para o efeito, da qual faz parte a cidade de Genebra e o cantão suíço.

Nascido em Alcobaça, em 1941, Gonçalo Byrne assinou, entre outros, os projetos para a Reitora da Universidade de Aveiro, o Teatro das Figuras, em Faro, o Teatro Thalia, em Lisboa, este com Patrícia Barbas e Diogo Seixas Lopes, e o projeto de remodelação e ampliação do Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, distinguido com Prémio Piranesi "Prix de Rome", em 2014.

In: dn.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

O docente da Escola Superior de Artes Aplicadas do IPCB, maestro e compositor Gonçalo Lourenço, foi convidado a participar no concerto Luminous Night com o Coro Prima Vox.

O convite partiu da maestrina Ewa Salecka, que dirige o Coro Prima Vox, e decorreu na York Minster Chapter House no dia 7 de outubro.

Foram interpretadas peças corais do próprio, num ambiente cheio de mística e solenidade.

https://www.facebook.com/primavox/

Autoria e outros dados (tags, etc)

Chk Chk Chk no Fundão. 20 OUT, 21h00, Octogono.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 16.10.17

Foto de Lemon Live Entertainment.

Os !!! (Chk Chk Chk) vão dar 3 espetáculos em Portugal no mês de Outubro. Lisboa, Fundão e Porto são as cidades que o grupo nova-iorquino vai pôr a dançar ao som de sucessos como «One Girl / One Boy», «Even When the Water's Cold», entre outros temas do mais recente álbum Shake the Shudder.
Entre o excêntrico, o futurista, o kitsch e o "fora do comum". Assim se posicionam os !!! (Chk Chk Chk) perante os seus seguidores. São já cerca de 20 anos de carreira do grupo dance-punk mais vibrante do planeta. 20 anos de música para "aquecer a pista", sempre com uma vincada atitude punk presente, tanto ao vivo como nos registos gravados em estúdio. Iniciaram a sua carreira em 1996, mas foi em 2004 com o lançamento de Louden Up Now (através da editora britânica Warp), que este colectivo ficou conhecido mundialmente e desde essa altura que ainda continuam a fabricar pequenos, grandes êxitos.
Os 3 concertos em Portugal servirão para apresentar Shake The Shudder ao público português, reservando algum tempo das performances para "regressar ao passado" e vasculhar alguns êxitos da banda, tais como «Heart of Hearts» ou «Must Be The Moon».
Abertura de Portas: 20:30 | Início do Concerto: 21:00 | (M/12)
Bilhetes disponíveis em bol.pt e pontos de venda habituais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"100 Anos a Cantar Fátima" - Hoje, 21h00, Igreja Paroquial de Cortes do Meio

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 14.10.17

Foto de Filarmónica Recreativa Cortense.

Este sábado às 21h na Igreja Paroquial de Cortes do Meio.
 Será a última oportunidade de assistir a este espectáculo que celebra os 100 anos de Fátima.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Image result for agenda cultural de castelo branco

O cantautor espanhol Patxi Andión e a banda portuguesa de heavy metal Mooonspell são os destaques da agenda cultural de Castelo Branco para o quarto trimestre do ano, onde se destaca ainda o bailado clássico Quebra Nozes.

O cantautor espanhol Patxi Andión apresenta, no dia 02 de novembro, a partir das 21:30, no Cineteatro Avenida de Castelo Branco, o espetáculo “Zeca no Coração”.

“Após oito anos de edição trimestral ininterrupta, a agenda municipal Cultura Vibra chega à sua edição número 33, com o histórico Patxi Andión na sua capa. Este é um dos destaques da edição que marca o Outono”, explica o presidente do município de Castelo Branco, Luís Correia.

Patxi Andión tem uma relação longa e profunda com Portugal, que remonta a 1969 e que passa pelo programa televisivo Zip Zip e pelo poeta José Carlos Ary dos Santos, que traduziu algumas das suas canções e as entregou à voz de Tonicha.

Nas suas visitas a Portugal, Patxi aprendeu a língua de Camões e conheceu José Afonso, o “amigo Zeca”, como a ele se refere e sublinha que estes concertos não pretendem ser uma homenagem, antes um reconhecimento.

Os albicastrenses vão ter agora a oportunidade de ouvir uma das maiores vozes de Espanha a cantar a obra de um dos maiores génios da canção portuguesa.

A agenda Cultura Vibra inclui ainda um vasto e diversificado conjunto de manifestações culturais que se desenrolam ao longo dos três últimos meses do ano.

“Como é habitual, muitos motivos de interesse, para os mais diversos públicos”, refere o autarca.

No campo musical, decorre no dia 11 de novembro, às 21:00, no Cineteatro Avenida, o XI Festival Internacional de Tunas Universitárias e, no dia seguinte, 12 de novembro, a partir das 19:00, a banda portuguesa de heavy metal Moonspell atua no mesmo palco, sendo que a primeira parte do concerto está a cargo da banda Bizarra Locomotiva.

No dia 17 de dezembro, pelas 17:00, o Russian Classical Ballet sobe ao palco do Cineteatro Avenida, para apresentar o bailado clássico “Quebra-Nozes”, que narra a história de uma menina que sonha com um príncipe, um Quebra-Nozes.

A interpretação está a cargo da prestigiada companhia de Russian Classical Ballet, de Moscovo, liderada por Evgeniya Bespalova e composta por um elenco de estrelas do ballet russo.

A agenda Cultura Vibra apresenta ainda um conjunto vasto de outras iniciativas como teatro, exposições fotográficas, cinema entre outras que decorrem ao longo dos últimos três meses do ano.

In: beiranews.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

BOOM Festival: Bilhetes para a edição de 2018 estarão à venda já em outubro

19 de outubro é a data em que serão colocados à venda os ingressos para o Boom Festival 2018 .

Como todos os anos, o sistema de preços é determinado por várias condições. Alguns são princípios subjacentes que permaneceram os mesmos durante anos, como ajustar os preços a economias específicas para dar a todos uma chance, compartilhar receitas com projetos paralelos e o próprio Boomland, ter um país convidado e não acreditar no crescimento como fator de sucesso.

A organização alerta  que em 2018, "permaneceremos com uma capacidade limitada".

Para a próxima semana são esperadas mais novidades, nomeadamente, o preços de ingresso, país convidado e embaixadores do Boom.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Madonna quer trabalhar com músicos portugueses

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 11.10.17

Em entrevista à revista Veja, a cantora elogia o vinho nacional mas confessa dificuldade em aprender português

Madonna está encantada com a quantidade de excelentes músicos que tem ouvido em Portugal e não vê a hora de trabalhar com eles em espetáculos com um tom mais intimista do que o habitual na sua carreira. É a própria cantora quem o afirma em entrevista à edição desta semana da revista brasileira Veja, onde conta ainda que a sua pronúncia portuguesa continua "terrível" e que o vinho local "é maravilhoso".

"É extraordinária a quantidade de ótimos músicos que oiço em Portugal, espero trabalhar com esses músicos em espetáculos mais intimistas, vai ser uma fase interessante da minha carreira, inteirar-me da cultura local é parte do motivo pelo qual estou aqui", disse Madonna.

Numa conversa em que garante que será "rebelde até ao fim", revela o seu fascínio por símbolos católicos, como a crucificação de Cristo, a dor de Maria ao ver o filho na cruz, a Santa Ceia ou a confissão, critica Donald Trump e quem vota para colocar empresários de sucesso à frente dos países para enfrentar a crise económica, Madonna elogia ainda o vinho português - "é maravilhoso".

Mas reconhece dificuldades em adaptar-se à língua: "O meu português continua terrível, tenho amigos que me corrigem a pronúncia, sou mais familiarizada com o português do Brasil, o de Portugal parece-me mais difícil, mas me viro falando um pouco de espanhol".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sons à Sexta com Norton, 13 OUT, 22h30, Moagem, Fundão.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 10.10.17

Foto de Sons à Sexta.

Em parceria com a Antena 3, o SONS À SEXTA apresenta as bandas em destaque no atual panorama musical português. Com uma programação diversificada e para todos os gostos, pretende-se a divulgação, o convívio entre o público e a celebração da música!
Próximos em palco: NORTON
É certo que já vão no quarto álbum de originais, mas a frescura com que se reinventam a cada disco faz dos Norton um dos melhores exemplos de como a pop e a música alternativa podem andar de mãos dadas e serem felizes.
Entre as texturas doces, o cheirinho a sonhos, as cascatas sónicas e uma secção rítmica que puxa para a pista de dança sempre que pode o quarteto de Castelo Branco soma já quinze anos de carreira, quatro registos de origina...is, dois álbuns de remisturas, digressões por toda a Europa e Japão, edições no Japão e um documentário.
Mas nestas coisas da música, a matemática nem sempre é o mais importante e, por isso, o impacto que mantêm ano após ano baseia-se largamente na relação que conseguiram conquistar com o público, sendo amplamente acarinhados de norte a sul do país.

Na compra do BILHETE OFERTA DE CD
Bilhetes à venda n' Moagem - Fundão.
+Inf. 96 194 12 81 - 275 773 032
Evento: facebook.com/events/121101151939777
Video Promo: youtu.be/HgOCY_BBzEQ

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nobel vai para um músico frustrado: Kazuo Ishiguro

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 09.10.17

Depois de Dylan, o escritor nipo-inglês satisfaz a nova fixação da Academia Sueca: a música. Ishiguro escreveu letras e queria ser músico. Ficou pelo caminho e publicou oito livros.

Depois de Bob Dylan tudo poderia acontecer ontem no anúncio do mais recente vencedor do Prémio Nobel da Literatura. Pelo menos, venceu um "escritor", Kazuo Ishiguro, mesmo que como alguns logo disseram seja um autor cada vez mais fascinado pelo fantástico na sua obra, como é o caso do último romance (e de outro de 2005) em que efabula sobre uma Inglaterra distópica. Que não é japonês como o nome dá a entender, mas inglês por viver desde tenra idade na ilha devido aos seus pais terem ido habitar para a Inglaterra e, posteriormente, ter optado por esta nacionalidade.

Quem é Kazuo Ishiguro? A secretária permanente da Academia sueca descreveu-o como sendo uma nebulosa que anda por aí no universo literário: "Se misturarmos Jane Austen e Franz Kafka, encontramos Ishiguro de uma forma resumida. Será preciso acrescentar a esta mistura um pouco de Marcel Proust, e sem se misturar muito, temos a sua escrita. Que é ao mesmo tempo um escritor de grande integridade e que desenvolveu um estilo muito próprio". Minutos antes, Sara Danius tinha justificado a escolha de Ishiguro assim: "Alguém, que em romances de uma grande força emocional, não esconde o abismo entre o sentido do ilusório e a sua ligação para o mundo".

O site do Nobel deu imediatamente início a um inquérito em que se opta por já leu ou não Kazuo Ishiguro? Os gráficos eram explícitos na relativa ignorância do autor, pois em duas mil respostas nas duas horas seguintes só 39% referia que conhecia a obra do ex-nipónico e agora inglês. Mas há muitos leitores que gostam da sua obra e acompanham o seu percurso, é o caso de Salman Rushdie, seu amigo e um dos que mais uma vez perdeu a corrida do Nobel, que logo twitou: "Muitos parabéns ao meu velho amigo Ish, cujo trabalho eu amo e admiro desde que li A Pale View of Hills (As Colinas de Nagasáqui). E ele toca guitarra e compõe canções, também! Roll over Bob Dylan".

Poder-se ia dizer que estava revelada a principal razão da escolha do júri liderado por Sara Danius, que no ano passado impôs o músico norte-americano aos seus colegas, o facto de haver música em força no escritor. O que é assumido pelo próprio pois ainda há uns tempos escreveu um artigo no jornal The Guardian, ilustrado por uma fotografia dele a tocar guitarra, em que contava como a canção de Ruby"s Arms de Tom Waits serviu de inspiração para escrever a versão final do seu romance mais conhecido e premiado, Os Despojos do Dia.

Vale a pena passar os olhos por essa confissão recente, pois Kazuo Ishiguro refere no texto que "as pessoas acham que o escritor deve trabalhar muitas horas", mas ele contrapõe que mais de "quatro horas de escrita contínua diminui o rendimento". Ora, isto dá imediatamente algum suporte às primeiras opiniões que torceram o nariz a esta escolha da Academia Sueca, afinal até as preferências dos apostadores nas agências colocavam no Top 10 escritores com outra dimensão, principalmente com mais obra e muito mais horas de dedicação à escrita. É que Ishiguro não escreveu até ao momento sequer uma dezena de livros, rivalizando esta produção com um número maior de contos e de guiões. Ou não seja o seu livro mais famoso uma espécie de Downton Abbey do passado, onde Emma Thompson e Anthony Hopkins transcendem o texto com as suas interpretações do "aclamado" Os Despojos do Dia.

Biblio e biografia

A própria biografia fornecida pela Academia confirma esse breve percurso, valorizando o facto de que "além dos seus oito livros tem escrito vários guiões para cinema e televisão". Não deixa de potenciar a sua vertente de escritor de fantástico, como é o caso do romance que se passa numa Inglaterra distópica ao dizer sobre ele: "Ishiguro introduz uma corrente fria subterrânea de ficção científica na sua escrita, bem como várias influências musicais." Está mais uma vez explicada a preferência na nova Academia Sueca em relação ao Nobel: há sonoridade musical na sua carreira literária.

A sua obra está traduzida em cerca de três dezenas de países e o jornal The Times colocou-o em 2008 como o 32º autor mais importante entre os 50 escritores britânicos desde 1945. Ishiguro foi nomeado para quatro prémios Man Booker, que venceu na edição de 1989 com o romance Os Despojos do Dia . Um dos vários romances que usam o passado como cenário antes de se dedicar a uma espécie de ficção científica, livros que destacam de preferência os falhanços das pessoas e que, dizem, nunca chegam a lado nenhum porque as personagens enovelam-se entre o passado por resolver e o presente angustiado, escolhendo como final uma "resignação melancólica".

Um comportamento que tem muito de um modo de ser japonês, mesmo que Ishiguro numa entrevista com o Nobel de 1994 desse país, Kenzaburo Oe, tivesse afirmado que os cenários dos seus dois romances iniciais -o do Japão - eram pura imaginação: "Em Inglaterra, onde cresci, mantive sempre uma imagem muito forte do meu país de origem, com o qual sempre tive um ligação emocional".

Ishiguro nasceu em Nagasaki mas viveu quase sempre na Inglaterra. Tornou-se cidadão inglês em 1982 e antes de se dedicar à escrita, queria ser músico - compôs para Stacey Kent -, mas não foi aceite por nenhuma editora a quem enviou as suas composições. A sua formação académica foi nas universidades inglesas de Kent e East Anglia, licenciando-se em Inglês e Filosofia em 1978. Participou no curso de escrita criativa dos escritores Malcolm Bradbury e Angela Carter, que terminou em 1980.

Nas suas próprias palavras quis ser "um escritor que deseja escrever novelas internacionais".

Autoria e outros dados (tags, etc)

PASTORES - Desfile de Chocalhos. Hoje!

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 07.10.17

Foto de Filarmónica Recreativa Cortense.

Não percam hoje, pelas 23:30, o Desfile de Chocalhos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

FRC - PASTORES. Começa hoje!

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 06.10.17

Foto de Filarmónica Recreativa Cortense.

Autoria e outros dados (tags, etc)

FRC - "PASTORES". 6, 7 e 8 OUT.

por Filarmónica Recreativa Cortense, em 05.10.17

Foto de Filarmónica Recreativa Cortense.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Filarmónica Recreativa Cortense

Fundada a 11-11-1899

Mais de um século ao serviço da Música, Recreio e Cultura!


Contatos

* 967 687 837 * 967 706 294 *

* 969 375 934 *


Morada

Rua Padre Silva n 6

6215-141 Cortes do Meio

Covilhã


Endereço eletrónico

filarmonicacortense@iol.pt

Deixe a sua mensagem: